Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

“- Eu tenho o E10
– Eu sou no D8
– Deve ser mais para aquele lado…”

Uma espécie de batalha naval, mas com bandeiras comunistas e pouca margem para meter água. Depois das críticas sobre o 1.º de maio e a constante insistência das autoridades de saúde, através das mensagens à população, para que o distanciamento social seja mantido (em conjuno com a utilização da máscara), o regresso aos comícios na rua do PCP era uma oportunidade para demonstrar o que o partido tinha aprendido com algumas falhas na organização em maio e para tentar conquistar um voto de confiança que poderá ser usado como trunfo em setembro, com a Festa do Avante!. Pelo que foi possível ver no Parque Eduardo VII, em Lisboa, o desafio parece ter sido superado com sucesso.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.