Olá

834kWh poupados com a
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Reportagem sobre a influência da Barragem do Alqueva na agricultura do Alentejo. Reportagem sobre um olival de produção intensiva perto da Beja. Alqueva, Beja, 10 de fevereiro de 2022. JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR
i

JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

Uma viagem num balão de ar quente, o apelo do piloto e "um ponto amarelo na água". O que se sabe sobre o acidente no Alqueva?

"José" respondeu ao apelo do piloto e atirou-se à água para ajudar a puxar o cesto para terra. Ninguém percebeu que tinha ficado em dificuldades. Três testemunhas contam ao Observador o que viram.

Nas primeiras horas após o acidente, as informações eram absolutamente contraditórias: uma pessoa tinha saltado de um balão de ar quente em pleno voo sobre o Alqueva; um homem tinha caído à água durante uma viagem de balão de ar quente sobre o Alqueva; um homem tinha pedido para abandonar uma viagem de balão de ar quente depois de se sentir mal a bordo.

Por volta das 12h30, o Observador entra em contacto com o Comando Sub-Regional de Emergência e Proteção Civil do Alentejo Central, que estava a comandar as operações de socorro depois de receber o alerta de que uma pessoa se encontrava na água no Alqueva.

Fonte oficial do organismo confirma a versão de que o passageiro de um balão de ar quente teria caído à água durante a viagem, sem adiantar pormenores sobre o que teria levado à queda. Também adianta que se tratava de um homem — vamos chamar-lhe “José” — e que o óbito tinha sido declarado no local pela equipa da Viatura Médica de Emergência e Reanimação (VMER) do INEM que respondeu à chamada.

Horas mais tarde, novas informações do Comando Territorial da Guarda Nacional Republicana de Évora — de quem o Observador nunca chegou a conseguir obter esclarecimentos — dão conta, em declarações ao Notícias ao Minuto, de que o homem “ia fazer um passeio de balão, mas quando o balão estava a subir, sentiu-se mal e pediu para descer”. Depois de ter largado “José” junto à água do Alqueva, o balão teria seguido viagem, sendo a vítima descoberta mais tarde pelo INEM já sem vida.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Ainda mais tarde, já a meio da tarde deste domingo, o Observador recebe a indicação de que alguns passageiros a bordo do balão de ar quente tinham outra versão dos acontecimentos. Três testemunhas diretas — um casal e a namorada de “José” — dão o seu relato daquelas cerca de cinco horas, desde que chegaram ao ponto de encontro, junto à Ermida de São Sebastião, em Reguengos de Monsaraz, até saírem do posto da GNR de Mourão, depois de prestarem declarações à Polícia Judiciária sobre o que, de forma involuntária, tinham acabado de testemunhar. O que se sabe e o que falta saber sobre a morte de um homem de cerca de 55 anos no Alqueva?

Na viagem participava apenas um balão de ar quente?

O ponto de encontro do grupo foi na Ermida de São Sebastião, em Reguengos de Monsaraz, cerca das 6 horas da manhã. As viagens de, pelo menos, parte dos tripulantes tinham sido compradas num site de experiências e o objetivo seria levantar voo ainda a tempo de assistir ao nascer do sol.

Na verdade, além do balão envolvido no acidente, havia outro balão da WindPassenger — empresa que geria a atividade — a realizar uma viagem a partir daquele local. E durante a viagem o grupo cruzou-se com vários outros balões de ar quente na mesma região. Os passageiros da WindPassenger deveriam sair de Reguengos, naquele local com vista ainda sobre o castelo, e aterrar num ponto não totalmente definido depois de cerca de 1h15/1h30 de viagem (os ventos que a cada momento se fazem sentir influenciam diretamente o ponto final da viagem, como aconteceu neste caso).

Os balões partem já depois das 6h30 e começam a viagem. “Estava tudo a correr bem”, conta um dos passageiros que pediu para não ser identificado. Mas, a determinada altura, “houve necessidade de aterrar”.

Ponto de partida, às portas de Reguengos de Monsaraz, para a viagem que deveria demorar cerca de 1h30

Houve apenas uma tentativa de aterrar?

Os balões — que deveriam voar durante 1h30 — já estariam há mais de duas horas no ar quando começam a descer num local muito próximo das margens do Alqueva. “Quando os pilotos quiseram aterrar, sentiram dificuldades”, conta um dos passageiros ao Observador. “O vento não estava a permitir naquele sítio” e decorrem alguns minutos de incerteza sobre a real possibilidade de aterrar no local pretendido.

Os dois pilotos fazem “algumas” tentativas de chegar a terra e, finalmente, o balão que não acaba envolvido no acidente consegue aterrar. O mesmo não acontece com o balão em que “José” viajava. A certo ponto, “o nosso balão consegue encontrar uma aberta, mas o vento começa a empurrá-lo mais na direção da água”, continua a descrever um dos passageiros.

O equipamento continua a perder altitude e acaba por descer, mas não em terra. “Quando o piloto tenta elevar novamente, já não foi capaz e o cesto entra na água uns 20 centímetros”, acrescenta o tripulante. “Em vez de ter aterrado, o piloto amarou. Estávamos muito perto da costa,  a pouquíssimos metros de terra”, garante a namorada do passageiro. Quando o cesto toca na água, não estariam a mais de dois metros de terreno seco e a água não teria mais de “cinco centímetros de profundidade”. Mas o vento continuava a soprar.

5 fotos

Como é que José entra na água?

Segundo a descrição que todas as testemunhas diretas fazem ao Observador daqueles instantes, depois de o cesto tocar na água e afundar alguns centímetros, é o próprio piloto que pede a “dois ou três homens” que se lancem à água “para arrastar o cesto para terra, com ajuda das cordas” que estavam a bordo do balão.

“Ele não caiu, não se atirou, não teve um ataque de pânico. Saiu do balão por sugestão do piloto”, sublinha várias vezes a namorada. “Nessa altura, para tentar arrastar balão para terra, [o piloto] pediu que três homens saltassem para a água e puxassem a corda para terra”, valida outra das testemunhas.

“José” é o primeiro a voluntariar-se para ajudar e salta para a água. As descrições ouvidas pelo Observador, em particular sobre a distância a que o cesto estaria de terra nesse momento, não são exatamente iguais: 50 metros? 25, talvez 30? Estariam a 20 metros da margem? Não é possível precisar.

O que todos garantem é que “José” não se sentiu mal, que não pediu para sair do balão, que também não caiu do cesto e que foi o piloto quem pediu/sugeriu que alguns passageiros se lançassem à água e ajudassem a puxar o equipamento para terra.

Informação que é transmitida à organização do evento e que indicaria o local onde José saltou para a água

O piloto deixou “José” na água e seguiu viagem?

Esse momento tem contornos relevantes e que não constam das informações que foram sendo conhecidas durante a tarde deste domingo.

“José” seria um homem “corpulento”, com um peso a rondar os 90/100kg, segundo uma das testemunhas. No momento em que salta para a água, a perda de peso a bordo faz com que o balão — que continua a ser bombeado com ar quente — se eleve alguns metros. O cesto sobe atrás e acaba por sair de dentro de água. E continua a subir. “José” está na água. Terá dito para quem estava a bordo que “continuassem a viagem”, que ele “nadaria até à margem”.

“O ‘José’ tentou ir para terra, todos o vimos muito perto de terra e fomo-nos afastando e fomos deixando de ter contacto”, conta a namorada. “O ‘José’ ficou a nadar. Estava a uns 10 metros de terra”, conta outro dos passageiros. “O balão continuou a subir, estava vento e o balão foi-se afastando do José.”

Nesse momento, segundo o casal, o piloto terá entrado em contacto com membros da organização do evento e relata o que tinha acabado de acontecer: “Entrei na água, ficou lá um tripulante”, descreve a testemunha ao Observador, repetindo as palavras que o piloto terá dito ao telefone. Depois, o piloto identificou o local onde “José” tinha sido deixado, a nadar em direção à margem. “Fez uns três pedidos para o irem buscar”, conta a mesma passageira.

“José” vestia uma camisola amarela clara. Um dos elementos do casal conta ao Observador que ainda ficou alguns minutos a vê-lo na água, a nadar em direção à margem. Depois, parou. “O fulano deve estar a descansar, ou a boiar, não sei”, pensou na altura. “Teria morrido?”: essa ideia, conta, passou-lhe por instantes pela cabeça. Afastou-a de imediato. O balão continua a ganhar altitude e a afastar-se da posição onde “José” se tinha lançado à água. O pequeno ponto amarelo na água já não se distinguia àquela distância.

Momento em que o cesto do balão de ar quente sai da água, instantes depois de José ter saltado para o Alqueva

Houve logo a perceção de que alguma coisa tinha corrido mal?

A bordo, o ambiente era de total descontração. Cerca de 20 minutos depois daquele episódio, o balão de ar consegue finalmente aterrar no meio de um olival. A tripulação sai e, como é habitual nestas viagens, é feito um brinde para celebrar a experiência que tinham acabado de ter.

O grupo está descontraído. De garrafa na mão — um rosé, aparentemente —, o piloto diz algumas palavras de circunstância. “O principal é haver saúde para todos. Temos de trabalhar, portanto, tentamos trabalhar pouco, ganhar muito e aproveitar o máximo porque estamos aqui de passagem, não vamos levar nada. É aproveitar cada dia e tentar fazer dele o melhor momento possível. À nossa.” A rolha salta. Seriam cerca das 9h30.

Pouco depois, o minibus da organização recolhe o grupo. E é já no interior da carrinha que o piloto recebe a informação de que “José” tinha sido encontrado sem vida, dentro das águas do Alqueva. É ele mesmo quem transmite a informação à namorada de “José”.

Piloto tinha alguma experiência neste tipo de voos?

Ao grupo, o piloto terá dito que somava já cerca de 30 anos de experiência em voos com balão de ar quente. Já tinha feito alguns voos no estrangeiro — referiu a Turquia —, ainda na última quarta-feira tinha feito um voo em Coruche.

No site da WindPassenger, promovem-se vários tipos de voos, entre os quais o “gift card Monsaraz”, descrito como um “voo de balão Monsaraz Alentejo com vista sobre o grande lago Alqueva”. Tem um custo de 194,90 euros. Grupo mínimo de 10 pessoas. Ao Observador, as testemunhas daquele voo dizem que estariam entre 12 a 14 pessoas a bordo.

3 fotos

Já na presença das autoridades, este domingo, o piloto foi submetido ao “teste do balão”, para medir o nível de alcoolemia no sangue. “Não acusou nada”, refere uma das testemunhas. A bordo, notaram depois de toda a experiência, não avistaram qualquer colete salva-vidas ou equipamentos de proteção, para uma situação de emergência. “Sendo um evento em terra e na água, é incrível que não haja equipamento, não havia coletes… e não houve cuidado da organização de, caso houvesse algum problema, terem essa segurança.”

 
Assine um ano por 79,20€ 44€

Não é só para chegar ao fim deste artigo:

  • Leitura sem limites, em qualquer dispositivo
  • Menos publicidade
  • Desconto na Academia Observador
  • Desconto na revista best-of
  • Newsletter exclusiva
  • Conversas com jornalistas exclusivas
  • Oferta de artigos
  • Participação nos comentários

Apoie agora o jornalismo independente

Ver planos

Oferta limitada

Já é assinante?
Apoio a cliente

Para continuar a ler assine o Observador
Assine um ano por 79,20€ 44€
Ver planos

Oferta limitada

Já é assinante?
Apoio a cliente

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Para ler este artigo grátis, registe-se gratuitamente no Observador com o mesmo email com o qual recebeu esta oferta.

Caso já tenha uma conta, faça login aqui.

Apoie o jornalismo. Leia sem limites. Campanha de Verão
Assine um ano por 79,20€ 44€
Apoie o jornalismo. Leia sem limites.
Este verão, mergulhe no jornalismo independente com uma oferta especial Assine um ano por 79,20€ 44€
Coutdown campanha de verão Ver ofertas Oferta limitada