806kWh poupados com a
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

i

José Fernandes/SIC

José Fernandes/SIC

Choque entre Bugalho e Temido marca debate a quatro

No primeiro embate a quatro, candidato da AD e socialista trocaram acusações entre si, mas blocos naturais existiram: Cotrim, mais próximo de Bugalho, quis embaraçar Temido; Paupério atirou a Bugalho.

Sebastião Bugalho atacou Marta Temido, que atacou Sebastião Bugalho, que poupou João Cotrim Figueiredo, que se irritou com Francisco Paupério, que irritou toda gente. No primeiro dos seis debates a quatro destas eleições europeias, os maiores choques acabaram por acontecer entre a candidata do PS e o candidato da Aliança Democrata, que trocaram acusações à boleia de temas como imigração e a mutualização da dívida europeia para financiar o esforço militar do continente.

Apesar de tudo, Francisco Paupério, do Livre, e João Cotrim Figueiredo, na Iniciativa Liberal, tentaram igualmente condicionar o debate, responsabilizando as duas principais famílias europeias de terem falhado nas respostas (ou falta delas) que deram em matéria de imigração, precisamente, mas também na política de distribuição de fundos europeus — questão que se tornará particularmente exigente quando for discutido o alargamento do clube dos 27.

Bugalho e Temido trocam acusações sobre política de imigração

O recém-aprovado Pacto para as Migrações foi o tema que mais agitou as águas durante o debate a quatro vozes. Num momento inicial, PS, PSD e IL até adotaram posições relativamente semelhantes: os três candidatos consideram que a aprovação do Pacto é uma boa notícia, embora todos lhe reconheçam “lacunas” ou “fragilidades”. Mas rapidamente se quebrou o quase-consenso.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Por um lado, essa quebra começou por ser provocada pelo candidato do Livre, que disse ser preferível não ter acordo nenhum a ter um documento nestes moldes e sentenciou que “este Pacto não humaniza as pessoas”, defendendo alternativas como “corredores humanitários” ou programas de integração funcionem.

Foi neste ponto que Marta Temido, que tinha avisado para a necessidade de se prestar muita atenção à forma como o Pacto será implementado no terreno, sentiu necessidade de vir dar mais explicações: “Pareceu que estávamos todos de acordo menos o Francisco Paupério, mas não é verdade”. E não é verdade, frisou, porque apesar de reconhecer que se há uma política específica para a “pesca de sardinha” também tem de existir para as migrações, é preciso salvaguardar o “humanismo” e prever os “riscos” na execução prática dessa política (“então porque é que a aprovaram?”, ia atirando Paupério).

Temido acabaria por ter de se justificar também quanto à política de imigração dentro de casa, uma vez que os candidatos da direita aproveitaram o currículo como ex-ministra de António Costa para atacar a forma como a extinção do SEF ocorreu, assim como os problemas que a AIMA, agência sua substituta, atravessa. Cotrim Figueiredo partiu ao ataque, apontado ao PS uma “enorme irresponsabilidade” na forma como geriu o processo, mas Bugalho subiu o tom e acusou os socialistas de “entregarem a política de imigração a redes de tráfico humano”. “Profunda demagogia”, reagiu Marta Temido, que ainda assim acabou por se ver obrigada a dar explicações em nome do PS: “As mudanças demoram tempo a dar resultados”.

O embate adensou-se quando Temido acusou o PPE de “sempre ter sido contra a mutualização da dívida”, ao que Bugalho respondeu disparando o exemplo de Ursula Von der Leyen, a presidente da Comissão Europeia que pertence ao PPE e que “conseguiu a mutualização da dívida [para responder à pandemia]”. Não chegariam a acordo: Temido contra-atacou criticando a direita por não ter liderado esse esforço e lembrando posições polémicas antigas de Bugalho sobre a Europa, e Bugalho provocou de volta, lembrando o apoio de António Costa ao Syriza. A conversa azedou por momentos, mas rapidamente se mudou de tema.

Alargamento, sim. Mas com reforma da UE

Os quatro concordaram no essencial: o clube dos 27 Estados-membros deve crescer e a Ucrânia deve fazer parte da União Europeia. Ao mesmo tempo, todos recordaram que esse processo implica regras e que todos os países que se candidatam têm de cumprir determinados critérios. A questão que ninguém ignora é que uma eventual inclusão de países como a Ucrânia ou Moldova implicará uma perda de fundos à disposição de países como Portugal, em particular na questão da Agricultura. E foi aí que os candidatos divergiram: como encontrar um modelo que compense os Estados-membros que serão necessariamente prejudicados pelo processo do alargamento.

O primeiro a responder foi Sebastião Bugalho, que tentou definir o tom da discussão: “Obviamente é um desafio em termos de políticas de apoio. Mas o alargamento não pode ser lido à luz do dinheiro que vamos perder, mas à luz da Europa que vamos ganhar”, argumentou, sugerindo que a União Europeia tem uma “obrigação moral” de fazer com que eles se sintam “parte da família europeia”, convidando-os a estarem presentes em reuniões europeias, mas sem poder de voto.

A mesma pergunta foi colocada a Francisco Paupério, que defendeu que a Europa deve, desde já, contribuir financeiramente para a recuperação da Ucrânia. A seguir, e pegando na questão dos agricultores levantada pela moderadora, Paupério voltou a atacar a direita: a “Política Agrícola Comum foi criada do PPE” e foram eles que deixaram desprotegidos os pequenos e médios agricultores, que “perderam colheitas, perderam controlo dos preços dos seus produtos”. “Os Verdes Europeus e o Livre estão do lado dos agricultores”, disse, tentando centrar o debate na defesa da transição verde e numa renovada política de incentivos à agricultura sustentada.

“Temos a obrigação moral de acolher estes países que querem ser democracias e partilhar valores europeus”, concordou Cotrim, antes de recordar que o alargamento não é só uma ameaça, assim saibam os demais países “aproveitar oportunidades do mercado único”. Apesar de tudo, o liberal reconheceu que será preciso rever toda a estrutura financeira orçamental da União Europeia e não apenas os fundos de Coesão e da PAC. E foi aí que tentou marcar pontos: para Cotrim, tem havido desperdício “brutal” desses fundos. “Portugal com uma utilização correta dos fundos seria bastante mais forte”.

Marta Temido acabou por tentar virar a discussão a seu favor, dizendo que Cotrim Figueiredo, que tem uma visão cética sobre a utilização de fundos europeus, e Sebastião Bugalho, que, argumentou, representa uma famíla europeia que nunca alinhou numa “abordagem solidária dos fundos (como a mutualização a dívida a nível europeu), não podem dar lições sobre esta matéria. “Há um compromisso inequívoco com o alargamento. Mas queremos integração com ambição para os outros países”, defendeu, dando como exemplo para encontrar novos recursos para manter uma distribuição justa da riqueza entre Estados-membros as contribuições sobre “plataformas digitais e sobre transições financeiras”.

Sebastião Bugalho ainda aproveitou a oportunidade para se tentar demarcar de Marta Temido: em matéria de novos recursos próprios, nem todos terão de ser mais impostos e que os mercados de licença de emissão de CO2 podem ser uma forma de recolher esses recursos ou então a taxa aos plásticos de utilização única.

Temido tentou colar Bugalho aos antigos falcões do PPE — e ouviu “Syriza”

Neste como noutros temas, há um ponto de partida comum: os quatro candidatos concordam que a Europa deve reforçar a sua autonomia estratégica, através da Defesa, e passar a depender menos dos Estados Unidos pelo caminho. A divergência chegou quando foi discutida a forma de financiar esse reforço – e levou a mais um momento de tensão mais visível entre Marta Temido e Sebastião Bugalho.

O candidato da AD argumentou a favor da a ideia dos “defense bonds” – a emissão de dívida mutualizada para este fim –, defendendo que o conceito não só é mais consensual entre os Estados-membros do que outros tipos de emissão de dívida como vem pôr fim a um problema de prioridades: “Estamos a garantir que os governos não vão ter de escolher entre tanques e hospitais públicos”, atirou.

Ora para Temido, que se disse “muito preocupada” com o que acabara de ouvir, o problema das prioridades continua a colocar-se, uma vez que o PPE (família europeia a que o PSD pertence) defende esse esforço para a Defesa e não, por exemplo, para o setor da Habitação. “Precisamos de reforçar a nossa Política de Defesa Comum. Agora, não vamos investir em armas e não investir em casas”, criticou.

Ainda assim, o embate adensou-se quando Temido acusou o PPE de “sempre ter sido contra a mutualização da dívida”, ao que Bugalho respondeu disparando o exemplo de Ursula Von der Leyen, a presidente da Comissão Europeia que pertence ao PPE e que “conseguiu a mutualização da dívida [para responder à pandemia]”. Não chegariam a acordo: Temido contra-atacou criticando a direita por não ter liderado esse esforço e lembrando posições polémicas antigas de Bugalho sobre a Europa, e Bugalho provocou de volta, lembrando o apoio de António Costa ao Syriza. A conversa azedou por momentos, mas rapidamente se mudou de tema.

Do lado do Livre, Paupério defendeu um investimento na segurança e na autonomia estratégica – incluindo energética – da Europa, mas assegurando que esse esforço deve servir como instrumento de Defesa, e não de ataque. Já Cotrim Figueiredo escolheu atacar precisamente os Verdes, família de que o Livre faz parte, por proporem “empecilhos” à inovação como uma taxa à automação. E acrescentou que, tendo em conta que a Europa pode mesmo “viver uma situação dramática” e que precisa mesmo de se reforçar enquanto pilar da NATO para funcionar como um “contraponto” no caso de um resultado desfavorável nas eleições dos EUA (uma vitória de Donald Trump), o que é verdadeiramente preocupante é a falta de crescimento económico na Europa.

Bugalho subiu o tom e acusou os socialistas de “entregarem a política de imigração a redes de tráfico humano”. “Profunda demagogia”, reagiu Marta Temido, que ainda assim acabou por se ver obrigada a dar explicações em nome do PS: “As mudanças demoram tempo a dar resultados”.

Costa só é tema para Temido

O tema paira há meses tanto sob a política nacional como europeia, apesar de não se saber qual será a evolução da Operação Influencer, e muito menos se conseguir adivinhar se António Costa chegará a ser candidato ao Conselho Europeu. Ainda assim, nesta sondagem sobre eventuais apoios feita à mesa do debate, Costa levou apenas um “sim” claro e veio do seu próprio partido: Marta Temido defendeu prontamente que a visão do ex-primeiro-ministro para a Europa “tem provas dadas” e é uma garantia de que o projeto europeu “avançar e não recua”.

Os outros participantes do debate não têm tantas certezas. De resto, da parte de Cotrim Figueiredo, o que Costa ouviu foi uma nega: “O que interessa é o que as pessoas pensam e não o sítio onde as pessoas nascem. Porque é que um português tem de ser melhor do que o outro?”, questionou o liberal. Bugalho disse apenas esperar que Costa não seja “centro do debate das europeias”, uma vez que o assunto não “diz respeito” especificamente aos eurodeputados, e atirou: “Já tivemos nove anos de Costa como primeiro-ministro. É tempo de seguirmos em frente”. E Paupério recusou comentar o cenário hipotético.

 
Assine o Observador a partir de 0,18€/ dia

Não é só para chegar ao fim deste artigo:

  • Leitura sem limites, em qualquer dispositivo
  • Menos publicidade
  • Desconto na Academia Observador
  • Desconto na revista best-of
  • Newsletter exclusiva
  • Conversas com jornalistas exclusivas
  • Oferta de artigos
  • Participação nos comentários

Apoie agora o jornalismo independente

Ver planos

Oferta limitada

Apoio ao cliente | Já é assinante? Faça logout e inicie sessão na conta com a qual tem uma assinatura

Há 4 anos recusámos 90.568€ em apoio do Estado.
Em 2024, ano em que celebramos 10 anos de Observador, continuamos a preferir o seu apoio.
Em novas assinaturas e donativos desde 16 de maio
Apoiar

19 MAIO 2024 - SEDE OBSERVADOR

Atos de vandalismo não nos calarão.

Apoie o jornalismo que há 10 anos se pauta pela liberdade de expressão e o nunca vergar por qualquer tipo de intimidação.

Assine 1 ano / 29,90€ Apoiar

MELHOR PREÇO DO ANO

Ao doar poderá ter acesso a uma lista exclusiva de benefícios

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Para ler este artigo grátis, registe-se gratuitamente no Observador com o mesmo email com o qual recebeu esta oferta.

Caso já tenha uma conta, faça login aqui.

Há 4 anos recusámos 90.568€ em apoio do Estado.
Em 2024, ano em que celebramos 10 anos de Observador, continuamos a preferir o seu apoio.
Em novas assinaturas e donativos desde 16 de maio
Apoiar

19 MAIO 2024 - SEDE OBSERVADOR

Atos de vandalismo não nos calarão.

Apoie o jornalismo que há 10 anos se pauta pela liberdade de expressão e o nunca vergar por qualquer tipo de intimidação.

Assine 1 ano / 29,90€

MELHOR PREÇO DO ANO