Rádio Observador

Alterações Climáticas

10 sugestões para ajudar o cidadão comum a combater a crise climática

Autor
  • Renato Braz

Estas são sugestões que, de uma forma geral, além de nos colocarem do lado certo da história, na maioria dos casos significam vantagens económicas imediatas. Ganho duplo!

Hoje já ninguém terá dúvidas sobre o impacto da atividade humana nas alterações climáticas. Muitos estarão já conscientes dos efeitos devastadores que se avizinham. No entanto poucos parecem estar a mudar comportamentos no sentido de minimizar a sua contribuição individual para o problema. Eu incluído. Parece que ficamos bloqueados com a escala do problema e que a pequenez do nosso impacto justifica ou desculpa continuarmos como antes. A realidade não é assim. Claro que os políticos e as empresas têm um papel fulcral, no entanto o papel do cidadão comum será tão ou mais importante.

Com essa consciência tento já há algum tempo mudar alguns dos meus comportamentos, no entanto, sempre de forma mais ou menos desorganizada. Não satisfeito, decidi elencar – para referência própria – uma lista que me iria servir de guia. Depois, quando a comecei a escrever, apercebi-me que mais pessoas a poderiam achar útil e como tal decidi revê-la para a tornar mais transversal e partilhar.

Não sou fundamentalista, em dias especiais,vale (quase) tudo. Se há alguma coisa particularmente “má”, mas que para nós é muito importante, não defendo que a deixemos. Acho é que devemos é ter consciência dos nossos atos, impactos e tentar compensar de outras formas.

No caso das sugestões da lista em baixo, de forma geral, além de nos colocarem do lado certo da história, na maioria dos casos significam vantagens económicas imediatas. Ganho duplo!

Haverá outras coisas a fazer seguramente, no entanto aqui vão 10 sugestões para ajudar o cidadão comum a combater a crise climática:

1) Torne-se mais ativo politicamente, ou pelo menos perceba a posição e agenda dos seus políticos favoritos sobre o tema das alterações climáticas antes de votar;

2) Seja consciente dos seus hábitos de consumo:

  • Elimine ou pelo menos minimize as compras desnecessárias;
  • Evite comprar o que for viável alugar ou partilhar;
  • Se tiver de comprar, investigue primeiro a viabilidade de comprar em segunda mão;
  • Compre produtos eficientes, duráveis, de marcas responsáveis e utilize-os de forma igualmente responsável;
  • Quando já não precisar de um bem, se possível, doe-o ou venda-o. Se o bem for para descartar, assegure que é descartado da forma mais adequada;
  • Declare guerra aos plásticos de utilização única;

3) Minimize a utilização de transporte individual e quando o fizer, faça uma condução suave e com velocidade moderada. A forma como conduz tem um impacto enorme nos consumos e emissões;

4) Evite fortemente a utilização do automóvel em contexto urbano. Prefira os meios suaves de mobilidade (partilhados ou não) e os transportes coletivos;

5) Tenha noção do enorme impacto da aviação e sempre que pensar em voar, pondere bem se tem de o fazer. Se possível tente compensar as emissões associadas;

6) Faça uma alimentação diversificada e maioritariamente à base de plantas. Especialmente no que toca à carne vermelha, deixe-a apenas para dias especiais;

7) Prefira alimentos locais e em estação;

8) Compre eletricidade de fontes renováveis;

9) Se desejar constituir família (especialmente se quiser uma família numerosa), contemple a possibilidade de também incluir nela crianças adotadas;

10) Plante o máximo de árvores que conseguir.

Business Creation Manager para Portugal na InnoEnergy; Renato.Braz@InnoEnergy.com

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Ambiente

Frango à Covan /premium

Paulo Tunhas

Para uma vasta parte da humanidade ocidental, nada há de mais apetecível do que um certo sentimento de culpa própria. Por estranho que pareça, esse sentimento comporta um notório benefício narcísico. 

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)