Rádio Observador

Serviço Nacional de Saúde

A ditadura informática no SNS

Autor
2.192

Os médicos estão sujeitos a uma pressão inaceitável para produzirem mais consultas, mais procedimentos, mais cirurgias e ainda são bombardeados com programas e aplicações informáticas disfuncionais.

Os médicos portugueses estão ‘indignados’. Vivem diariamente o drama da ditadura informática que invadiu o Serviço Nacional de Saúde (SNS). Uma ditadura sem regras, intolerante, desesperante, disfuncional e excessivamente burocrática. Em que a instabilidade dos programas e aplicações informáticas é desastrosa e o estado obsoleto em que se encontram muitos equipamentos (computadores) é sinistro. E esta situação provoca um sentimento de desalento e revolta nos profissionais de saúde e um enorme sentido de injustiça e ansiedade nos doentes. O que está a contribuir para agravar a relação médico-doente e a própria qualidade da medicina.

No momento em que os médicos estão sujeitos a uma pressão excessiva e inaceitável para produzirem mais números, mais consultas, mais procedimentos, mais cirurgias, sem qualquer respeito pelo tempo e pela qualidade, os Serviços Partilhados do Ministério da saúde (SPMS) e o Ministério da Saúde (MS) continuam a bombardear os médicos com programas e aplicações informáticas disfuncionais para tudo e mais alguma coisa. Os médicos querem trabalhar e muitas vezes não conseguem rentabilizar o tempo. E a sua relação com o doente vai-se deteriorando. Perdem muitos minutos preciosos para abrir programas, para “saltar” de aplicações em aplicações, para ultrapassarem “janelas” desnecessárias, para tentarem prescrever medicamentos através da receita médica desmaterializada (utilizando a já famosa Prescrição Electrónica Médica – PEM), para ligarem e desligarem o computador na esperança de ultrapassarem os problemas informáticos. Numa parte significativa dos casos sem sucesso.

Esta ditadura informática é um dos primeiros e principais obstáculos a um atendimento verdadeiramente focado no doente. É tempo de dizer basta! Não podemos continuar a aceitar promessas que não são cumpridas. Sempre que contestamos o “cortejo” de disparates informáticos que se vão sucedendo, alguém nos diz que tudo se vai resolver rapidamente. Falso. A situação em vez de melhorar, agrava-se. E a probabilidade de erro em saúde aumenta. Para desespero dos médicos e dos doentes.

É urgente e obrigatório reduzir a complexidade e o peso excessivo dos sistemas informáticos na medicina. Exigindo ao Ministério da Saúde a integração das várias aplicações informáticas, a simplificação de processos de identificação e o investimento em equipamentos e hardware. E responsabilizando as instituições dependentes do MS e o próprio MS pelas disfunções graves das aplicações e sistemas informáticos que tenham consequências negativas para os doentes e para os médicos. Não podemos continuar a ser responsáveis pela irresponsabilidade de outros. De resto, os SPMS já demonstraram, durante demasiado tempo, a sua incapacidade para resolver o problema.

Os sistemas informáticos devem ser concebidos para ajudar a melhorar a qualidade da medicina. Para simplificar processos e procedimentos. Para garantir informação fiável e acessível aos médicos dos doentes. Para preservar a confidencialidade dos dados pessoais. E não o contrário, como está a acontecer desde há alguns anos.

É preciso acabar com esta ditadura informática no SNS e devolver a Medicina à sua faceta mais humana, mais próxima do doente.

Os médicos e os doentes agradecem.

Presidente do Conselho Regional do Norte da Ordem dos Médicos

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Serviço Nacional de Saúde

Perdão e jejum Pascal

Miguel Guimarães
5.688

A entrevista da ministra da Saúde à TVI, sem contraditório, foi mais um triste episódio de um mandato curto mas que está já repleto de momentos que em nada servem os doentes, os profissionais e o SNS

Ordem dos Médicos

Prescrição: Tempo para os nossos doentes

Miguel Guimarães
146

Não é admissível que os doentes sejam confrontados com situações de elevada pressão e condições de trabalho impostas pelo poder político que resultam em desprezo e desrespeito pela dignidade humana.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)