Ensino Superior

As propinas vão acabar!

Autor

Com este governo diminuiu a despesa executada anualmente pela FCT; diminuiu a transferência para as instituições; diminuiu a despesa com Ação Social. Mas agora acha que pode aumentar a despesa em 30%.

O Orçamento de Estado para 2019 estabelece uma redução das propinas pagas pelos estudantes do ensino superior (1º ciclo, mestrado de continuação e mestrado integrado) a partir de setembro de 2019. É uma boa notícia para os estudantes e, especialmente, para as famílias que pagavam um valor anual que, conforme as instituições variava entre 870€ e 1063,46€. Esta redução representa a oferta de um café diário a cada estudante. Para as instituições significa a perda de uma receita anual de cerca de 40 M€, de acordo com as receitas de propinas previstas nos orçamentos submetidos pelas universidade e institutos politécnicos ao Ministério das Finanças e aprovados pela Assembleia da República. A felicidade de muitos consegue-se assim com pouco dinheiro.

O Governo entusiasmou-se com a ideia e anuncia agora a intenção de prosseguir nesta linha até extinguir as propinas, provavelmente, para todos os estudantes e para todos os ciclos de estudos em data não especificada. Não se sabe se os internacionais também serão atingidos pela benesse. Se há razões para dar esta prenda aos nacionais, também é fácil construir um argumento racional para o fazer aos internacionais que se deslocaram até ao nosso país. No total, a perda de receita seria de “apenas” 339 M€ anuais. Não chega a 0,16% do PIB, uma quantia que não pesará muito no défice, se não for coberta por um pequeno aumento de impostos, talvez no IVA ou no ISP que, sendo pago direta ou indiretamente por todos os portugueses, não será muito sentido por ninguém. São uns míseros 33 € por cada português!

Porque terão então governos de várias cores políticas lutado para instituir uma lei de partilha de custos do ensino superior entre os estudantes e todos os portugueses? Porque estaríamos a pedir aos estudantes para pagarem cerca de 25% do custo da sua educação superior (esquecendo o investimento em edifícios escolares, cantinas, residências, etc)? De facto, só o pedíamos a 75% dos estudantes porque os outros beneficiavam de bolsa de ação social cobrindo pelo menos as propinas. Tem direito a este apoio um estudante filho único em que o pai e a mãe aufiram um salário de 861 € ou menos. Note-se que este valor é superior à mediana dos salários em Portugal. Uma família mediana tem direito a bolsa de estudos. Havendo ainda situações delicadas, porque terá o governo permitido que a despesa executada com bolsas de ação social tenha vindo a diminuir desde 2015?

É falso que tenhamos um grande atraso no acesso ao ensino superior. É verdade que temos emigração de diplomados pelo ensino superior. (Apesar da baixa do desemprego, temos uma taxa de emigração de diplomados análoga à taxa de emigração de não qualificados.) É falso que condição económica seja uma barreira estatisticamente significativa à entrada no ensino superior. Mas é verdade que as condições económicas determinam o insucesso/abandono do ensino secundário que é altíssimo. A percentagem de jovens que terminam o secundário pela via científico-humanística está alinhada com outros países, e continua a subir. A via profissional foi assumida muito tardiamente e está ainda muito longe do objetivo de diplomar metade da coorte jovem. Este é o nosso enorme atraso. Deixamos que perto de 30% dos nossos jovens terminem a escolaridade obrigatória sem um diploma que lhes permita continuar estudos ou entrar no mercado de trabalho. Com a escolaridade obrigatória até aos 18 anos, não podemos abandonar tantos jovens à futura marginalidade económica e, provavelmente, social.

Ao longo da vida deste governo diminuiu a despesa executada anualmente pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia; diminuiu a transferência para as instituições, não compensando totalmente os aumentos de encargos impostos por lei; diminuiu a despesa com Ação Social. Tudo isto aconteceu numa fase de expansão das economias europeias. Quando começam a ser visíveis os sinais de esgotamento desta fase expansionista, este mesmo Governo dá-se conta que pode aumentar a despesa com o ensino superior em mais de 30%, isentando de propinas os estudantes oriundos de agregados familiares com salários acima da mediana nacional. E faz isto, repito, sem que haja sinais de que haja abandono significativo no ensino superior por razões económicas. E dá estas benesses enquanto continua a ignorar a iniquidade social do nosso ensino secundário!

Universidade do Porto, ex-secretário de Estado do Ensino Superior

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Governo

Porque não houve remodelação na educação?

José Ferreira Gomes
165

Em 2017 acabaram o secundário 75 615 alunos de uma coorte de perto de 120 000! É um escândalo que devia ter toda a atenção do ministério e levar à demissão de um ministro que nem reconhece o problema.

caderno de apontamentos

Educar mesmo /premium

Miguel Abranches Pinto

O debate sobre a educação cairá sempre na necessidade de uma presença adulta, sendo aqui que se joga o diálogo da família com a escola, para que o jovem possa crescer e afirmar a sua personalidade.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)