Rádio Observador

Sexo

Já te safaste hoje? /premium

Autor
859

Foi assim que o verbo safar passou a ser usado quase exclusivamente para perguntar, em código, a alguém se, nesse dia, teve relações sexuais com desconhecidos e, se sim, com quantas pessoas.

Nunca o verbo ‘safar’ foi tão usado e abusado como agora. O verbo em si mesmo já não era grande coisa, diga-se de passagem, mas até aqui ainda podia ter uma leitura positiva ou, no mínimo, inócua. Podíamos usá-lo para dizer que nos safámos no exame de código ou de condução, para dar dois exemplos comuns, ou ainda que conseguimos safar-nos de um grande maçador daqueles que nos filam e nunca mais nos largam. Claro que também sempre houve os que se safam de grandes castigos, ou safam outros da cadeia e de usarem pulseiras eletrónicas, mas isso ia bater ao caso que todos sabemos e não é sobre ele que escrevo, embora também me apetecesse fazê-lo.

Tão grave como um juiz que safa os agressores de serem punidos, castigando as pobres vítimas ao devolver os ofensores à sociedade, permitindo-lhes que se aproximem delas sem que nada lhes aconteça (aos criminosos, leia-se, não às vítimas, pois estas ficaram para sempre condenadas e desprotegidas), dizia eu que tão grave como o mau uso de um mau verbo, é este ‘safar’ ter passado a ser usado também para uma nova espécie de prostituição emocional consentida.

Explico melhor e abstenho-me de voltar à história do juiz, que nos tomou a todos de assalto com os seus acórdãos e ameaças de processos a toda e qualquer pessoa que levante a voz ou use a sua inteligência, humor e bom senso para discordar de sua eminência.

Entre os milhares de apps que surgem da noite para o dia, algumas servem única e exclusivamente para o ‘engate’. Nada disto é novidade e nada disto seria da conta de terceiros se não fossem usadas até à náusea por adolescentes que pouco mais são que crianças. Não vou citar os nomes das apps de que falo para não lhes dar ainda mais montra, mas uso a palavra ‘montra’ de propósito pois é disso que se trata, de uma montra virtual em que rapazes e raparigas muito jovens se expõem e vendem como mercadoria. A única diferença para as montras de prostitutas das ruas vermelhas de cidades como Amsterdão, é que estes miúdos não pagam nem cobram.

As apps de que falo são uma espécie de radar ambulante que permite identificar rapazes e raparigas que circulam no perímetro e estão disponíveis para encontros imediatos com sexo, a custo zero. Falo de custo financeiro, note-se, uma vez que a exploração sexual aparentemente livre e consentida envolve custos morais e emocionais muito elevados.

Os rapazes e raparigas que estejam em modo de ‘engate imediato, com sexo’, usam estas apps com extraordinária frequência porque basta ativar o radar e acrescentar as características físicas da presa que pretendem caçar. Na realidade, sejam altos ou baixos, louros ou morenos, gordos ou magros, todos eles se safam. Elas também.

Se o rapaz procura uma rapariga, escreve as medidas que idealizou e indica o tamanho desejável do peito, entre outras exigências relativas a outras partes do corpo, cor de pele, olhos e cabelo. Se é uma rapariga que procura um rapaz, também pode fazer as suas exigências e inserir os seus critérios usando outro tipo de medidas. Se são rapazes à procura de rapazes, ou raparigas à procura de raparigas, o processo é semelhante. Fácil e imediato.

No momento em que o radar está ativo e indica a quantidade (sim, a quantidade!) de pessoas que circulam nas imediações com o mesmo propósito, as pessoas escolhem-se mutuamente e marcam-se através de uma palavra-chave. Depois basta irem ter ao ponto de encontro e dizerem essa mesma palavra. Se um diz e o outro responde, isso quer dizer que o código está certo e a pessoa também não está errada. Entre esse momento e aquele em que se envolvem fisicamente passam pouquíssimos minutos. Depois é com eles a decisão de passarem horas seguidas juntos ou despachar o ‘assunto’ rapidamente.

No fim do dia é habitual entre estes rapazes e raparigas circular uma pergunta única:

– Safaste-te hoje?

Foi assim que o verbo safar passou a ser usado quase exclusivamente para perguntar, em código, a alguém se, nesse dia, teve relações sexuais com desconhecidos e, se sim, com quantas pessoas. A conjugação verbal pode ser feita no passado, no presente ou no futuro, já se vê.

“Estou-me a safar” e “vou-me safar” são frases repetidas, dia após dia, por jovens muito novos que procuram o prazer imediato e não têm medo de nada. Ou quase nada, diria eu, para ser mais exata. Isto porque se, por um lado, não têm medo do desconhecido, por outro temem conhecer e dar-se a conhecer. Têm mais medo de criar relações e reforçar laços do que de se confrontarem com potenciais tarados, perversos e abusadores.

Custa pensar que estes rapazes e raparigas se atiram para o desconhecido com estranhos, sem se precaverem contra possíveis agressões. Sujeitam-se a todo o tipo de personalidades e fetiches, sabendo que estarão sozinhos e dificilmente poderão justificar o seu comportamento numa esquadra de polícia. Custa admitir que entre estes milhares de adolescentes viciados em apps de ‘engate’ existe todo o tipo de jovens, com todo o tipo de educação e background. Dos mais bem-educados e ‘certinhos’ aos mais depravados.

Como é que sei tudo isto, perguntarão alguns. Por ter amigos psi que lidam diariamente com os efeitos devastadores que estes comportamentos sexuais provocam em quase todos os que estão viciados neles. É impressionante a quantidade de rapazes e raparigas que saem de casa para ir para a escola e, durante o dia e sem quem ninguém desconfie absolutamente de nada, se entregam a este prazer perigoso, a este transe sexual que lhes dá uma ilusão de poder e conquista, mas depois os deixa reféns de uma espécie de droga.

A adição a comportamentos sexuais desta natureza é tão forte como a adição ao álcool e drogas. Custa desintoxicar e limpar, sobretudo porque os encontros são inteiramente clandestinos, não existem dealers e os traficantes são os próprios que consomem e se deixam consumir.

Sem moralismos e com muito realismo, vale a pena saber que esta realidade existe e alastra. Não para levantar uma suspeita geral sobre rapazes e raparigas novos* que aparentemente nada têm de suspeito, e cujos comportamentos são os próprios das suas idades, mas para passar palavra e tentar evitar que mais adolescentes fiquem presos nesta terrível e viciante rede de sexo fácil imediato e sem custos financeiros. Como é que isso se consegue? Quem me dera saber. Infelizmente não faço ideia nenhuma. Sei apenas que só conseguimos começar a resolver os problemas quando reconhecemos que eles existem. E ‘safar’ passou a ser um verbo a evitar.

*Nota: é claro que estas apps não servem apenas de expediente às novas gerações, mas é preocupante saber que estas usam e abusam delas para sexo com desconhecidos, com todos os riscos que esta prática encerra.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Hospital de São José

Misérias e grandezas /premium

Laurinda Alves
691

Aqueles corredores [de São José] são habitados por pessoas desfiguradas por acidentes e doenças. À primeira vista é tudo muito feio, mas olhando com atenção conseguimos ver muita beleza.

Cinema

Tu, a mim, não me tratas por tu! /premium

Laurinda Alves
320

“Campeões” é um filme imperdível pelo humor explosivo e pelo amor redentor. Não temos pena de ninguém, não achamos ninguém estranho, não temos rótulos para os personagens, rimos quando nos fazem rir.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)