Rádio Observador

Discriminação

Jamaica: o bairro do PCP e da “Frente de Esquerda”

Autor
  • Carlos Pinto
1.494

E no Seixal, onde prevalece desde sempre o poder local comunista - que o marketing do comité central sempre tentou vender como exemplar - que acontecem "Jamaicas" e outras dezenas de bairros idênticos

O país descobriu, surpreendido, um bairro no Seixal, Jamaica de seu nome, a minutos da capital que deu nome ao “Tratado de Lisboa” da União Europeia, em 2007, onde habitam casais e brincam crianças e que reproduz imagens que vi na periferia de Luanda e Rio de Janeiro…

Seiscentas pessoas moram nestes prédios de tijolos inacabados desde a década de noventa, em condições muito precárias, e que ali sobrevivem desde que chegaram a território nacional, maioritariamente africanos, numa altura em que fugiam dos seus países de origem, em busca de melhores condições de vida.

Por ali não se vislumbra a presença de poder municipal, no cumprimento de normas mínimas de edificação de acordo com o RGEU – Regulamento Geral de Edificações Urbanas.

Obviamente, não foi emitida “Licença de Habitabilidade” pelo município, não se sabe quem fornece electricidade, nem que empresa de águas ali colocou o contador.

Não se sabe onde está o “Ministério do Ambiente e da Transição Energética” (…assim mesmo chamado!!!) que permite este atentado ambiental, tem as competências na política de urbanismo e habitação e de quem não se conhece qualquer iniciativa.

Esta semana, tudo chegou aos écrans, tratado sob a forma simplista de guerra entre cidadãos e polícias, mas deixando de fora o essencial do que está em causa.

E o que está em causa é um direito constitucional de todos habitarem um espaço digno da pessoa humana, de que a esquerda regularmente se julga exclusivista, mas não pratica como se vê, num país que mostra falhas graves ao nível do poder local e do governo central, como os últimos tempos têm exibido.

A verdade é que me pergunto em que outras cidades portuguesas se encontra esta chaga das chagas, que é a indiferença consolidada perante a ausência de condições mínimas de conforto, salubridade, dignidade? Não recordo.

E mesmo pelo Interland português há muito se extinguiram os núcleos de habitação degradada, sem embargo de uma ou outra situação isolada e muito pontual: sei do que falo.

Mas é no Seixal, onde prevalece há muito o poder local comunista — que o marketing do comité central sempre tentou vender como exemplar — que isto acontece e em dezenas de bairros.

Esta situação é também espelho do fracasso deste governo, que mostra no portal do IHRU – Instituto de Habitação e Reabilitação Urbana, este elenco de programas habitacionais: Programa 1º Direito, Programa Chave na Mão, Programa Porta de Entrada, Programa Reabilitar para Arrendar, Programa Reabilitar para Arrendar, Habitação Acessível, IFRRU 2020 – Instrumento Financeiro para a Reabilitação e Revitalização Urbanas, Habitação a Custos Controlados – HCC.

Tudo sem consequências no Seixal…

O Sr. Primeiro-Ministro do governo da frente de esquerda, que desde 2015 fala em reposição de direitos e anda assombrado com a “recuperação” das finanças públicas, nenhum destes programas foi capaz de fazer chegar a esta nódoa social do Seixal, revertendo dignidade a quem ali habita, que se vê não frequenta, enquanto realidade social e não fantasia política…

Este o discurso do embuste de quem governa, este o Portugal e o Seixal, que alguns habitam.

Mas o ramalhete deste caso, parece que carecia ainda de outra dimensão extravagante que, entretanto, chegou…

Em vez de notícias de que aquela gente iria ser realojada, li hoje o comunicado dos Chefes de Estado de Portugal e Cabo Verde, depois de reunião na Ilha do Sal e fiquei perplexo.

Sobre as relações dentro da CPLP? Acerca das relações e ajudas no âmbito multilateral CPLP/UE? Não.

O chefe de Estado português, disse esta sexta-feira que ele e o seu homólogo cabo-verdiano estiveram de acordo em não generalizar aquilo que são casos específicos, ao referir-se aos incidentes relacionados com o bairro da Jamaica, no Seixal.

Isto é, a abordagem do “gueto da Jamaica” numa cimeira de Chefes de Estado, fez-me lembrar aquele livro “Porque falham as Nações”, onde se considera que o “desenvolvimento resulta da qualidade das instituições de cada país”.

Leem-se estas notícias e tudo fica claro porque falhamos como país, na não percepção sobre o estado a que pode chegar um Estado…

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Polémica

Os inassimiláveis

Pedro Picoito
285

É quando a “Cristandade” começa a desintegrar-se, acompanhando a homogeneização cultural imposta por Estados cada vez mais centralizados, que Portugal e Espanha expulsam as suas populações não cristãs

Discriminação

A pobreza é um problema, a cor da pele não

João Pedro Marques
576

A pobreza é um problema, um gigantesco e injustíssimo problema, e do que precisamos é de melhorar a vida de todos os pobres e não de quotas ou outras formas de “discriminação positiva” só para alguns.

Discriminação

Apartheid chegou a Portugal?

António Maria Saldanha
2.993

Quotas raciais são um retrocesso civilizacional. Relembram-nos regimes racistas onde seres humanos eram tratados de forma diferente pela cor da pele e não favorecerão a resolução de problemas sociais.

Discriminação

A cor da pele não define ninguém

João Pires da Cruz
2.101

Cresci num bairro social e sei que ser a favor de quotas enquanto se acabam com os contratos de associação na educação é a falsídia extrema. O que os desfavorecidos precisam é de educação de primeira.

Racismo

A máquina de inventar racistas /premium

Rui Ramos
3.536

O pior que nos poderia acontecer era deixarmos de ser portugueses, para passarmos a ser “brancos”, “negros”, ou “ciganos”. Não contem comigo para macaquear o pior que tem a sociedade americana.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)