O único “argumento” dos “confinamentistas” é o medo. O medo fechou-lhes as cabeças à realidade, aos factos, a um soprozinho de dúvida, até. Mas eles não chamam medo ao medo: chamam-lhe ciência. O engraçado, se conseguirmos encontrar piada em alucinações colectivas, é que a “ciência” em questão tem muito pouco de científica. Na verdade, resume-se à informação tosca e aldrabada que uns estagiários de jornalismo difundem nos telejornais e à opinião de “especialistas”, no caso sujeitos conhecidos por nunca acertarem nas previsões e acertarem sempre naquilo que o governo quer ouvir.

O medo, ou a “ciência” (não se riam, por favor, que isto é patológico), tolheu as pessoas de tal maneira que lhes é absolutamente impossível abdicar das suas certezas, ou no mínimo abalá-las um pedacinho. É facílimo demonstrar, porque é verdade, que o Natal pouco teve a ver com o apogeu de infectados mais de um mês depois (a menos que o grau de virulência andasse entorpecido com as compotas natalícias). É facílimo demonstrar, porque é verdade, que o número de casos diários de Covid começou a cair antes de as medidas do confinamento terem produzido efeitos (a menos que a clausura possua faculdades retroactivas). É facílimo demonstrar, porque é verdade, que exemplos de restrições à liberdade muito inferiores levaram a resultados similares, melhores ou muito melhores em matéria de contágios e mortos (da Suécia à Dinamarca, da Flórida a Madrid). É facílimo demonstrar, porque é verdade, que, ainda que o confinamento fosse a única “solução”, o respectivo custo é intolerável nuns países e suportável noutros (por regra, os que não são tão exóticos ou socialistas).

Estranhamente, não vale a pena. Incontestável ou intrigante que seja, nenhuma informação “heterodoxa” penetra o cocuruto daqueles que, aterrorizados, se fecharam em casa por tempo indeterminado. Note-se que não falo dos empregaditos a soldo do poder. Nem dos devotos do PS. Nem dos calões com salário garantido enquanto contemplam as misérias da Netflix ou vagueiam no supermercado. Nem dos cretinos que recomendam prisão domiciliária para todos excepto para eles. Estes obedecem a ordens ou à fé ou à preguiça ou à hipocrisia, o que de algum modo é racional. Irracional é interromper a vida por causa de um vírus que, sozinho, não causa uma fracção dos danos mentais, sociais, económicos e sanitários causados pelo medo.

De onde vem o medo? Parece que da amígdala cerebelosa. E sobretudo dos noticiários que, reverentes para com o governo, teimam em condicionar comportamentos em vez de fazer jornalismo. E porque é que interessa ao governo a difusão do medo? Em primeiro lugar, porque é um apetite que corre no sangue dos medíocres: para o bem e para o mal, líderes a sério empolgam as massas; líderes de fancaria tendem a enxovalhá-las. Em segundo lugar, porque trancar à bruta a população saudável é mais simples do que proteger velhos e doentes, testar, rastrear, isolar sintomáticos, em suma executar tarefas excessivamente complexas para os laparotos que nos pastoreiam. Em terceiro lugar, porque um eleitorado obsessivamente angustiado com a Covid deixa o caminho livre aos maiores infames e às maiores infâmias, do “investimento” na TAP ao preço dos combustíveis, das expropriações francas ao controlo da internet, das trapaças na Justiça ao pandemónio no ensino,  do saque fiscal ao regabofe da “bazuca”, dos abusos do cidadão aos atropelamentos da outrora sacrossanta Constituição. Por fim, porque nenhum socialista autêntico desperdiçaria a oportunidade de aumentar a dependência do Estado a “pretexto” da famosa pandemia.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Na ausência deste desvairado medo, sociedade nenhuma deixaria impunes governantes do gabarito dos nossos, candidatos a ser corridos por inépcia e julgados por crimes de gravidade sortida. Na presença do medo, a sociedade renuncia ao lazer, ao espaço público, ao contacto com familiares e amigos, àquilo que afinal define homens e mulheres inteiros, por contraponto a serventes voluntários, em fila para se entregarem aos seus carrascos, aos quais tudo permitem. É uma situação favorável a “autoridades” sem escrúpulos. Não admira que as “autoridades” alimentem o medo, e o mantenham vivo através de incessantes ameaças: as festas, os ajuntamentos, as estirpes, as vagas, as curvas, os índices e o diabo a quatro ou a cinco, numa espiral de loucura geral que só terminará no mítico dia em que os portugueses deixem de morrer “de” ou “com” Covid – mítico no sentido de imaginário, ou de um gigantesco logro.

É verdade que o governo, sob o baixíssimo patrocínio de Sua Excelência, o Presidente da República Popular, trata os cidadãos como crianças. Porém, é o dilema do ovo e da galinha: os cidadãos querem um tratamento assim. Aterrorizados com as lendas do Papão, imploram ao governo por protecção. Um erro básico, um erro trágico. Mesmo que a protecção existisse (não existe), os cidadãos não precisam de que o governo os proteja: precisam de ser protegidos do governo, tarefa que não compete a ninguém excepto aos próprios. Até ao momento em que será demasiado tarde, e a subjugação demasiado brutal para recuar. Se insistem em ter medo, tenham medo disso.