Rádio Observador

Economia em dia com a CATÓLICA-LISBON

“O meu alfaiate é digital” ou Como a tecnologia pode ajudar a fazer renascer o comércio de moda

Autor
  • Celine Abecassis-Moedas
113

A tecnologia é a força por detrás do comércio eletrónico e é muitas vezes vista como uma ameaça ao comércio tradicional. Mas será que pode ser uma oportunidade para o renascimento do comércio de moda?

Tal como a maior parte de nós, fiz muitas das minhas compras de Natal online… e reparo que algumas das lojas físicas estão a fechar, como por exemplo a minha preferida, a Colette, em Paris. Será que a tecnologia é um risco para o comércio tradicional? Ou poderá na realidade ser uma oportunidade?

A Amazon é claramente um retalhista dominante e o seu crescimento na área da moda fez com que se tornasse no retalhista número um nesta área, à frente dos seus concorrentes tradicionais Nordstrom, Sears e Macy’s nos Estados Unidos. A Amazon chegou mesmo a criar sete marcas próprias na área da moda. Será que o comércio eletrónico e a tecnologia vão matar a moda a retalho tradicional?

Na verdade, podemos observar que a experiência de compra mistura etapas online e offline (na loja). Mais de metade dos consumidores Pesquisam Online para Comprar Offline (ROPO na sigla inglesa) ou vão a lojas antes de comprarem online (atividade conhecida como showrooming). Por isso, torna-se muito difícil para os comerciantes perceber onde é que começa e acaba o processo de compra. E é claro que o retalho em lojas físicas desempenha um papel importante neste equilíbrio entre canais de venda sempre presentes (omnicanais).

Paralelamente a este movimento, podemos observar o surgimento de conceitos inovadores no mundo da moda. A Farfetch, considerada como a mais dinâmica entre os revendedores britânicos, é na realidade uma plataforma de boutiques e, como tal, cria uma oportunidade para boutiques multimarca tradicionais (como a Fashion Clinic e a Stivali em Portugal) em vez de uma ameaça digital, como alguns poderão ter receado. Através da sua plataforma global, a Farfetch disponibiliza às boutiques independentes uma visibilidade global e acesso a mercados internacionais a que elas nunca poderiam ter chegado por si próprias. Além disso, a Farfetch adquiriu a Browns, um grande armazém tradicional de Londres, no qual inúmeras iniciativas “loja do futuro” são testadas.

Para além do crescimento do comércio eletrónico e da sua interação com retalho tradicional através do desenvolvimento de omnicanais, a tecnologia está cada vez mais presente no retalho de moda em lojas físicas para transformar a experiência do cliente. Por exemplo, a loja da Burberry em Regent Street, em Londres, considerada a loja mais conectada no mundo, acaba de implementar um sistema de Realidade Aumentada. Outros estão a disponibilizar espelhos mágicos (que tiram uma fotografia da pessoa a experimentar o seu novo vestido e a enviam para o seu telemóvel).

A loja está a tornar-se cada vez mais num espaço social para encontros e experiências e não apenas num local para vender. A tecnologia representa uma oportunidade para tornar o espaço atraente e emocionante. Além disso, disponibilizar aconselhamento é cada vez mais importante para a experiência do cliente. Este aconselhamento é disponibilizado por uma pessoa da área de vendas fisicamente presente, mas orientada e apoiada pelos dados do cliente recolhidos e analisados pela tecnologia.

Estas questões estão no cerne do trabalho realizado no novo Centro para Inovação Tecnológica e Empreendedorismo da Católica Lisbon.

Professora Associada e Diretora Académica do Centro para TIE, Católica Lisbon School of Business & Economics, ceabec@ucp.pt

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)