caderno de apontamentos

O recreio não pode ser só depois do toque /premium

Autor
  • Maria Francisca Macedo
222

Enquanto professora, acredito que importa cada vez mais deixar cair os muros dos conteúdos predefinidos. Não podemos falar de matemática e ignorar as suas ligações com a biologia, a língua ou a emoção

Na minha infância, aquilo de que eu mais gostava na escola era o recreio. O que via, o que descobria, as invenções que fazia, as brincadeiras, as experiências, a exploração da Natureza! Se gostava das aulas? Nem sempre. Eram horas intermináveis de tabuadas, cópias e conversões. A minha letra nunca era suficientemente boa e escrever 20 vezes cada palavra errada tornava-se um verdadeiro tormento.

Depois, surpreendentemente, tornei-me professora.

Podia pensar-se que escolhi a profissão levada por um desejo masoquista ou até sede de vingança, mas não. A verdade é que fui levada pela minha paixão pelos recreios! As competências que aprendi nos intervalos ainda hoje me acompanham. Foi pelo tempo passado no recreio e pela experimentação que cheguei à biologia, à matemática, à escrita.

Talvez, por isso, tente trazer os recreios para dentro da sala e comece logo pelos elementos da Natureza: uso-o como mote para explorações, aventuras, jogos e brincadeiras com os meus alunos. Depressa percebi que a fusão da Ciência com a Criatividade tem uma influência extremamente positiva em todos eles. O resultado? Alunos mais motivados. Aqueles que, normalmente, se deparam com dificuldades nos modelos formais de ensino encontram aqui um caminho novo e apaixonante. Ao longo do tempo apercebem-se de que são capazes de aprender mais do que julgavam, de ultrapassar dificuldades e de se envolver com os conteúdos em estudo.

Foi a partir desta ideia que nasceu a coleção OClube dos Cientistas (publicada pela Booksmile). Um projeto cheio de histórias de aventuras, vividas por crianças, que estabelece relação próxima com os leitores, cativando-os e inquietando-os.  Cada livro tem um tema e enredo diferente que incita alunos, pais e professores a experimentar, a inventar e a descobrir coisas novas. Juntos, num percurso de relação e de aventura.

Enquanto professora, acredito que importa cada vez mais falar a mesma língua e deixar cair os muros dos conteúdos predefinidos. Não podemos estar a falar de matemática e ignorar as suas ligações com a biologia, a língua e, inclusive, com a emoção. Podemos até dar um passo atrás e olhar para a forma como a aprendizagem era encarada na época do renascimento. A polimatia, como domínio amplo de várias áreas do conhecimento, mesmo que aparentemente não relacionadas, ganhará cada vez mais presença.

Este projeto, sob a forma de uma coleção, não é um conjunto de manuais, porque não ensina conteúdos específicos. Antes estimula a perguntar, pensar e procurar respostas. Não mostra aos leitores o que devem fazer, mas guia-os na descoberta da sua própria autonomia. Não lhes apresenta as disciplinas como conteúdos estanques. Pelo contrário, ajuda-os a descobrir a pluralidade do universo e a capacidade de ligação em todos os assuntos. Ajuda-os a expressarem-se, a relacionarem-se, a deixarem-se fascinar pela aprendizagem e pela vida.

No entanto, o maior impacto (e o mais apontado por professores e alunos) é a maneira como une dois mundos distintos (o da ciência e o da literatura) e os coloca em comunicação, usando um para chegar ao outro e vice-versa.

Por um lado, crianças que gostem de ler são encorajadas a fazer experiências, sair do sofá e explorar o Mundo. Por outro lado, crianças ativas (pouco, muito ou híper!) são atraídas para estas aventuras com componente prática e descobrem — muitas vezes pela primeira vez — o prazer da leitura.

No fundo, é voltar ao recreio. É pegar nos alunos, independentemente do seu nível de (des)motivação e dar-lhes uma ferramenta: explorem, investiguem, descubram. Façam perguntas, procurem respostas. Esqueçam as “disciplinas” estanques e entendam que tudo está ligado, a matemática e as artes tocam-se, a ciência e a literatura fundem-se… e todas elas podem ser experimentadas, exploradas e compreendidas.

Estou confiante de que esta abordagem é uma grande mais valia para despertar o fascínio dos alunos, principalmente dos mais desmotivados. O melhor de tudo é que as aulas passam a ser autênticos intervalos. Engraçado como foi preciso chegar a adulta para adorar cada momento que passo em sala de aula.

Comigo, resultou. Com os meus alunos, também. Se possuímos uma solução, temos de a levar ao mundo! Afinal… quem não gosta de recreios?

Professora do 1º Ciclo e Autora
‘Caderno de Apontamentos’ é uma coluna que discute temas relacionados com a Educação, através de um autor convidado.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
caderno de apontamentos

Ser educador /premium

Bruno Silva
838

A Escola sempre foi para mim uma segunda casa. Lá, ainda miúdo, encontrei alguns verdadeiros mestres. Mais tarde percebi o que queria para a minha vida, queria ser como eles: um educador!

IAVE

Errare humanum est… exceto para o IAVE!

Luís Filipe Santos

É grave tal atitude e incompreensível este silêncio do IAVE. Efetivamente, o que sempre se escreveu nos anos anteriores neste contexto foi o que consta na Informação-Prova de História A para 2018.

Professores

A Justiça e os Professores

Arnaldo Santos

Justiça é dar a cada um aquilo que é seu e cada professor deu o seu trabalho no tempo de congelamento na expetativa de ter a respetiva retribuição relativa à progressão na carreira: o que é seu é seu.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)