Rádio Observador

Mercado de Trabalho

Os castigos do trabalho em Portugal

Autor
  • Pedro Afonso
1.085

Esta é uma geração que para trabalhar abdica de quase tudo o resto; renuncia a constituir família, aos amigos, ao lazer e até à sua própria saúde. O mundo laboral sofre hoje uma grave desmoralização.

No nosso país, nos últimos anos, o acesso ao ensino melhorou significativamente. Para além de existirem mais jovens com formação académica, a qualidade dos nossos profissionais é reconhecida internacionalmente. Médicos, enfermeiros, engenheiros, economistas, arquitetos, etc., encontram com relativa facilidade oportunidades profissionais no estrangeiro e são valorizados pela sua boa preparação.

Apesar disso, o ambiente do trabalho em Portugal apresenta-se estranhamente hostil, com condições laborais inaceitáveis para um país desenvolvido. Comecemos pela relação que muitas empresas têm com o trabalhador doente ou que regressa de uma situação de doença. Em muitos casos, há um «castigo por ter ficado doente». Para ilustrar esta situação darei dois exemplos que testemunhei na última semana.

O primeiro caso é o de uma jovem licenciada que trabalha numa empresa de consultadoria. Teve o infortúnio de sofrer um acidente na deslocação para o trabalho e foi obrigada a permanecer em repouso absoluto durante um mês. A empresa entregou-lhe um computador portátil e pressionou-a a trabalhar a partir de casa. «Tive de o fazer, pois estou apenas há um ano na empresa e sabia que teria consequências se recusasse», explicou ela, com uma voz contristada.

O segundo caso é o de um motorista profissional que devido a uma depressão teve de ficar de baixa médica. Após o seu regresso foi castigado. Colocaram-no no trabalho de longo curso, afastando-o da vida familiar. «Aqui na empresa as doenças psiquiátricas são mal compreendidas, são vistas como uma manha para fugir ao trabalho. Já tinha acontecido a outros colegas», referiu ele resignado e com os olhos marejados de lágrimas.

Este comportamento, observado em muitas empresas, não é compreensível. Esta é uma postura desumana, eticamente reprovável e que gera uma enorme tensão laboral. Muitos, ao passarem por estas situações, tomam finalmente consciência de que as empresas não os valorizam; não os veem como pessoas.

O castigo do excesso de trabalho é outro fenómeno nacional inadmissível. A maioria dos jovens, que terminam os cursos superiores e que aceitam o seu primeiro emprego, já sabem o que os espera: jornadas de trabalho de 10-12 horas diárias. Isto é uma realidade em consultoras, escritórios de advogados, startups, empresas de marketing, imprensa, etc. No caso dos jovens com menos escolaridade, o castigo é diferente. A maioria acaba por obter apenas oportunidades de emprego na área do comércio, turismo, empresas de call center, etc. São confrontados com salários baixos e o castigo do trabalho por turnos e aos fins-de-semana, impossibilitando-os de levarem uma vida social e familiar normal.

Todos eles me respondem o mesmo: «Não tenho alternativa». Consequentemente, os projetos familiares, nomeadamente os filhos, são adiados devido a razões económicas ou de carreira profissional. Ora, isto acontece num país com graves problemas de natalidade.

Esta é uma geração que para trabalhar abdica de quase tudo o resto; renuncia a constituir família, aos amigos, ao lazer e até mesmo à sua própria saúde. O mundo laboral sofre hoje uma grave desmoralização. Pessoalmente, já não acredito no sentido ético e de responsabilidade familiar da maioria das empresas, pois estas têm-se tornado cada vez mais intolerantes, déspotas e insensíveis a estas matérias. O Estado tem de intervir, repondo um equilíbrio na vida laboral, pondo fim a esta ignóbil neurose coletiva que só cria frustrações existenciais. Esta é uma necessidade social urgente, pois este modelo humilha e subjuga cada vez mais pessoas, retirando-lhes um dos bens mais preciosos: a liberdade. Este é, sem sombra de dúvida, atualmente o maior castigo do trabalho em Portugal.

Médico Psiquiatra

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Médicos

Senhor Dr., quanto tempo temos de consulta?

Pedro Afonso
884

Um dos aspetos essenciais na relação médico-doente é a empatia. Para se ser empático é preciso saber escutar. Ora este é um hábito que se tem vindo a perder na nossa sociedade, e nas consultas médicas

Igualdade

E os direitos da "senhora lá de casa"?

Maria d'Oliveira Martins
310

É frequente negar a dignidade às prestadoras do serviço doméstico. Todos nos recordamos das expressões “a senhora cá de casa” de Judite de Sousa ou “a senhora que vem ajudar” de Francisco Louçã.

Combustível

O mundo ao contrário /premium

João Pires da Cruz

Se o seu depósito é mais importante do que aquilo que os pais deste bebé sentiram quando lhes disseram que o filho deles morreu instantes depois do nascimento, é porque tem o mundo ao contrário.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)