Rui Rio

Políticos à beira mar plantados

Autor
  • António Valle

Costa quer surgir, aos olhos dos portugueses, como o grande agregador moderado da política nacional. Rio quer parecer, aos olhos de Costa, o seu novo pequeno parceiro que apenas quer uns lugarzinhos.

A semana passada ficámos a conhecer o Programa de Estabilidade que o Governo entregou em Bruxelas. E “conhecemos” também os acordos assinados entre PSD e Governo no âmbito da Descentralização e dos Fundos Europeus. Estes dois momentos têm um significado político estrutural e uma enorme relevância para o País. Mas o que significam realmente?

Em relação ao Programa de Estabilidade a Unidade Técnica de Apoio Orçamental (UTAO) afirma que “não está prevista nenhuma medida de consolidação orçamental de caráter permanente de dimensão significativa para os próximos anos”. Ou seja, o Governo limitou-se a colocar o País a viver exclusivamente à conta da redução da despesa com juros.

Política e socialmente, este posicionamento significa que António Costa optou pela inércia contribuindo para a promoção de um País instalado e a viver à conta. E os sinais dos últimos meses parecem indicar que o Dr. Rio está em total sintonia com este posicionamento.

Quanto aos acordos assinados, o que contém realmente? Além de servirem os próprios (António Costa e Rui Rio), alguém percebeu o que motivou toda aquela encenação?

Em relação à Descentralização o que mereceu mais relevo foi o anúncio do anúncio da criação de um grupo independente para uma 2ª fase da Descentralização. Mas o que contém então esta 1ª fase?!

Se o “País ficou a ganhar” não deveria o País saber que melhorias, que valor acrescentado a união do PSD e do Governo trouxe ao poder local? E quais são as medidas concretas que o PSD conseguiu “impor” ao Governo e vice-versa?

Li as 4 páginas do acordo da Descentralização e a conclusão a que chego é que o que ali está não é uma Descentralização mas sim uma Municipalização. Talvez por isso não se encontrem naquelas 4 páginas nada socialmente relevante que mereça ser escalpelizado além da imagem de Rio e Costa unidos.

Quanto aos Fundos Europeus o acordo tem mais 20 páginas do que o da Descentralização. São 24 páginas de generalidades que afirmam a defesa de “uma União Europeia inclusiva, uma União Europeia Inteligente e uma União Europeia Sustentável.”

Li as 4+24 páginas e não percebo o que cada um dos lados inscreveu nos acordos nem o que cada um teve que ceder. Talvez as generalidades ali descritas causem aos autores alguma vergonha alheia e dai darem apenas relevância à imagem da união.

Como me dizia um amigo, negociar um conjunto vazio só requer habilidade a quem só é habilidoso…
Por isso retomo as perguntas: o que motivou toda aquela encenação? Para que servem estes acordos? O que ganhou o País? O que ganhou o País com a imagem de Rui Rio ao lado de António Costa?

Estou convencido que se as respostas a estas questões tivessem sido a prioridade daquele encontro seguramente hoje a leitura de que o PSD se está a tornar irrelevante não estaria a ganhar espaço na opinião pública e publicada.

Mas arrisco uma leitura para que tudo isto tenha acontecido desta forma.

António Costa quer surgir, aos olhos dos portugueses, como o grande agregador moderado da política nacional. Rui Rio quer parecer, aos olhos de António Costa, o seu novo pequeno parceiro que apenas quer uns lugarzinhos na próxima governação. O BE e o PCP estão prisioneiros da solução engendrada por António Costa. Vão esperneando mas no final do dia estão presos à situação atual.

Do PSD esperar-se-ia outra ambição!

Infelizmente, o PSD optou por pactuar e alimentar este Programa Situacionista. Parece que o medo de perder, ou a estratégia programada para a derrota, não permite ao partido a coragem de afirmar um caminho alternativo para o País.

O PSD parece ter escolhido o caminho do medo e ter abdicado de ser alternativa.

O Dr. Rio parece ambicionar apenas fazer parte da situação política vigente. E essa formalização poderá acontecer, imaginará ele, no momento em que tomar posse como vice-primeiro-ministro de António Costa. E para seguir este caminho o PSD terá realmente que continuar a promover o situacionismo.

Há três exemplos que me levam a esta leitura: os acordos assinados; os aumentos salariais na função pública; o fim dos cortes nos gabinetes políticos.

Sobre os acordos assinados a obsessão passou por mostrar Rio ao lado de Costa. Mas os acordos não são inéditos. Com Marques Mendes foi assinado o pacto da justiça com José Sócrates. Com Pedro Passos Coelho foram negociados os fundos europeus com o António José Seguro, negociada a criação da CRESAP e debatida a reforma de descentralização com este Governo (que estava praticamente fechada). Já para não falar das várias tentativas do PSD, liderado por Pedro Passos Coelho, em chegar a acordo com António Costa sobre a Segurança Social ou a reforma do Estado, negociações estas sempre recusadas pelo atual Primeiro-Ministro.

É verdade que tais acordos não privilegiaram a encenação, mas eles existiram e com informação clara sobre quais os pontos concretos inscritos pelo PSD. Desta vez temos mais imagem, mas pouco sabemos do valor acrescentado do PSD nestes acordos.

O que começa a materializar-se é que, em apenas dois meses de liderança do Dr. Rio, o PSD permitiu ao PS construir a percepção de que não há alternativa ao PS.

O PSD sempre foi favorável e promotor de acordos alargados. Sempre a bem do País! Mas teve sempre a capacidade de vincar as diferenças e de apresentar aos portugueses um caminho alternativo ao caminho socialista.

Sobre o aumento dos funcionários públicos verificamos o mesmo. A total inércia do PSD em apresentar uma alternativa. Depois da encenação que o Governo construiu, e em que todos os partidos embarcaram (o CDS em menor escala), os aumentos salariais para a função pública, em ano de eleições legislativas, estão garantidos.

O Governo construiu o enredo: mostrou-se inicialmente muito responsável recusando aumentos, a seguir os partidos de esquerda e os de centro direita exigiram aumentos, agora o Ministro das Finanças diz que é possível. Daqui a dois anos, se algo correr mal, António Costa pode afirmar que houve um consenso alargado para este aumento salarial!

Se não se tivesse deixado manipular, e se não estivesse sobretudo interessado neste Programa Situacionista que está hoje implementado no País, o PSD estaria em posição de apresentar um compromisso sério e estável, a médio prazo, com os funcionários públicos, em vez de medidas ao sabor de eleições! E estaria em posição de alargar este compromisso ao sector privado que continuará a ter que arcar com uma carga fiscal nunca vista em Portugal.

Acentua-se uma sociedade desigual. O único racional é eleitoralista.

Pois os partidos continuam a ter a leitura que é com os funcionários públicos que se ganham eleições. Tudo isto com a bênção do PSD.

Em 2010 Pedro Passos Coelho impôs a José Sócrates, entre outras medidas, o corte nos vencimentos dos políticos. Foi uma das medidas impostas pelo então líder do PSD ao Primeiro-Ministro socialista que avançou com um grande plano de austeridade em Portugal.
Hoje vemos o Dr. Rio unido na defesa de António Costa quando este propõe o fim dos cortes nos gabinetes políticos. E justifica afirmando que tendo o Governo acabado com todos os cortes estes também devem ter o seu fim. Com esta posição o Dr. Rio não só participa uma vez mais na encenação socialista do fim da austeridade como desvaloriza todos os cortes que o atual Governo tem imposto nos serviços públicos, nomeadamente na Saúde.

Será que iremos ver o Dr. Rio mais uma vez unido com António Costa caso este venha a apresentar uma proposta para acabar com os cortes nos vencimentos dos políticos?!

Ser mais do que um pequeno País à beira mar plantado está ao alcance de Portugal. Infelizmente, o contexto político atual não nos permite acreditar que seja alcançável no curto prazo. Deixámos de ter no espaço político e social a ambição de tornar Portugal n’O País de referência europeu. As atuais chefias partidárias desistiram de continuar a transformar Portugal.

Há pouco mais de dois anos discutíamos a ambição do País que queríamos ser, hoje, infelizmente, falamos de um País instalado.

Consultor de Comunicação

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Política

Salazar /premium

Helena Matos
1.814

Os actuais líderes não têm discurso, têm sim objectivos: manter-se ou chegar ao poder, através da popularidade e não da política. Logo precisam do passado e de Salazar para falarem de política.

PSD

Ao centro, o PSD não ganhará eleições /premium

João Marques de Almeida
290

Rio, que não perde uma ocasião para evocar Sá Carneiro, não aprendeu a sua principal lição: o PSD só chega ao poder quando lidera uma alternativa aos socialistas. Não basta esperar pelo fracasso do PS

PSD

Onde vais Rio que eu canto /premium

Alberto Gonçalves
2.080

O dr. Rio passou pelo Colégio Alemão, pela Faculdade de Economia e pela vida em geral e, não obstante, conseguiu chegar aos 60 anos convencido de que o PSD é um partido de esquerda.

Democracia

O custo da não-participação

Vicente Ferreira da Silva

Manter a liberdade e/ou a democracia é mais difícil do que a conquistar. Fará diferença, para quem não participa, viver em democracia ou em ditadura?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)