Rádio Observador

Sri Lanka

Terroristas atacaram a geografia humana de Portugal no mundo

Autor
  • Vitório Rosário Cardoso
1.357

É quase indissociável desde o século XVI na Ásia marítima a questão de se ser católico e de se ser Português porque afirmando-se católico no Oriente era o mesmo que dizer ser-se Português.

Colombo, Negombo, Batticaloa, Tricomalee e Puttalam eram e são bastiões geográficos de grande concentração genética e espiritual portuguesa na categoria de portugueses e luso-descendentes, desde o século XVI, em igual valor com os luso-descendentes que existem por exemplo em França que não têm nacionalidade portuguesa e que Portugal e bem, tanto conta com eles, com a diferença de estes terem uma tez mais escura, de Portugal não mais contar com eles e em vez de francesismos, devido ao factor distância deixaram de falar a língua portuguesa tal como a conhecemos preservando o crioulo português e a Fé Católica que lhes formatam e reforçam a alma da portugalidade inexpugnável como os outrora fortes que guardavam as praças ultramarinas pela Ásia Marítima, sentimento esse que poderá faltar a muitos portugueses em Portugal que preferem ser espanhóis.

Esta pequena descrição da geografia humana no Sri Lanka serve justamente para explicar que os ataques perpetrados com motivação religiosa, segundo relatórios dos serviços de informações presentes na região, serviram para atingir cirúrgica e directamente toda uma comunidade luso-descendente, obviamente que católica, e socialmente durante séculos parte da elite e nata locais sobretudo depois da era holandesa, com o Império Britânico e replicado até Hong Kong.

As nossas gentes, com o nosso sangue, que rezam, pensam e falam no crioulo português, conhecidos uns por “Mestiços do Sri Lanka”, outros por “Cafrinhas”, juntamente com o nosso compatriota de Viseu ou metropolitano, mais de uma centena e meia perderam a vida neste hediondo ataque que poderemos estar certos que não acabará por aqui, e com isto Portugal deve deixar-se de tiques do orgulhosamente sós na Europa pois as nossas gentes, os nossos homens, estão pelo mundo repartidos. Sobretudo no hemisfério asiático, diferente da presença noutras paragens do mundo, os Portugueses ou os seus luso-descendentes fazem parte das elites locais, da nata da sociedade que muito poderão ainda hoje apoiar a ressurreição de Portugal.

Os Portugueses tornaram-se desde o século XV também Africanos, Asiáticos, Americanos e da Oceânia o que também faz da nossa cultura portuguesa ser universalista, tal como a cultura da cana de açúcar é portuguesa, a cultura da mandioca é portuguesa, o caril é português ou o arroz fazer parte da cultura portuguesa.

A Semana Santa no Oriente Português é não só um momento de grandes manifestações e de exaltação da Fé Católica, mas também de afirmação da portugalidade uma vez que é quase indissociável desde o século XVI na Ásia marítima a questão de se ser católico e de se ser Português porque afirmando-se católico no Oriente era o mesmo que dizer ser-se Português. No Domingo passado Nós fomos atacados no nosso império invisível que o governo não acompanha e que provavelmente a nossa sociedade já não se recorda. Aqui estamos prontos para o sacrifício.

Presidente da Secção do PPD/PSD em Macau e Hong Kong

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)