G20

Uma combinação quase perfeita?

Autor

Não haja enganos: quando Trump proferiu God Bless Our (European) Allies não se referia à NATO e à UE. Falava de uma Europa de nações ciosas da sua soberania, dos quais a Polónia é um perfeito exemplo.

A semana passada, Donald Trump esteve na Europa. Todas as atenções estiveram voltadas para o seu encontro com Vladimir Putin na cimeira do G20 – o que faz todo o sentido porque, pelos vistos, a relação EUA-Rússsia vai ser estruturante nos próximos quatro anos – mas, até certo ponto, este acontecimento abafou o mais importante e mais bem escrito discurso de Donald Trump desde que se tornou presidente. O que ocorreu em Varsóvia foi a elaboração de um novo conceito de Europa pelo chefe de estado norte-americano, perante uma audiência pronta a aceitar e aplaudir as suas propostas.

O discurso condensa uma descrição da sofrida história polaca. Trump usou a narrativa de resistência de Varsóvia como exemplo daquilo que a Europa deve ser. Até aqui tudo bem, caso não tivesse introduzido também referências estranhas ao ideário europeu e à sua tradição liberal. Trump descreveu uma Europa de países nacionalistas, falando de um número limitado de liberdade civis, e acima de tudo, usou vezes sem conta a palavra “civilização”, que tanto nos esforçámos por banir do nosso dicionário pós-colonialista.

A primeira estrofe do hino polaco “A Polónia ainda não está perdida!” demonstra este espírito de resistência que está na base do nacionalismo defensivo. Nele estão contidas as ideias de que a nação enquanto comunidade política preferencial, está permanentemente em perigo existencial, em risco de aniquilação pelos seus vizinhos. Uma vez que a Polónia se viu sempre como a fronteira da Europa face à Rússia, a defesa da nação é simultaneamente retratada como a defesa da civilização ocidental, da Europa Católica. Ora o termo civilização implica a ideia do estádio mais avançado de sociedade humana – a Ocidental – que pressupõe a superioridade em relação a todas as outras sociedades humanas e a necessidade de a proteger de outras ameaças inimigas.

Já nos Estados Unidos a ideia de civilização – popularizada por Theodore Roosevelt (que Trump volta, não volta, vai citando) – significava a divisão do mundo entre os povos civilizados e os povos não civilizados. Os primeiros, naturalmente livres e independentes, tinham obrigações de tutelagem relativamente aos povos incivilizados, considerados perigosos internacionalmente e passíveis de serem punidos por danos causados a estados cuja civilização tinha atingido o seu esplendor. Uma espécie de diferenciação entre “bons” e “maus”. É um termo mais ofensivo na sua génese, mas, aplicado por Trump e filtrado pelo neoisolacionismo (America First, sempre que possível), toma tons mais nacionalistas e defensivos. Tal como na introversão nacionalista polaca.

Trump terá compreendido que o novo nacionalismo americano em tudo combina com a direita nacionalista polaca, atualmente no poder. E a ideia principal do Partido Lei e Justiça, que atualmente lidera a Polónia, é de que a soberania (vista de forma quase radical) é um escudo protetor contra os que ameaçam a existência da civilização única no mundo e que está em perigo. A visão do conservadorismo polaco do mundo é pessimista e lembra, em grande medida, o discurso de aceitação do presidente americano sobre a degradação da lei e da ordem, das cidades abandonadas e das infraestruturas degradadas dos EUA – justificações para tornar a América grande outra vez. Como a Polónia que não diz, mas tem procurado, por ações políticas, ser grande outra vez. Também.

Claro que esta visão não repudia a liberdade per se. Mas repudia o liberalismo cosmopolita e o ideal europeu, baseado na ideia crucial de que os estados e as nações são fundamentalmente amigos e podem partilhar soberania em instituições supranacionais. Assim que não haja enganos: quando Trump proferiu a God Bless Our (European) Allies não falava da NATO ou da UE. Fazia um convite aos estados Europeus para seguirem o caminho nacionalista-civilizacional de Varsóvia para se tornarem aliados da América. Falava de uma Europa de nações ciosas da sua soberania, das quais a Polónia, por vicissitudes da história e escolhas ideológicas, é um dos mais perfeitos exemplos. E é a esta proposta que a Europa deve resistir.

Investigadoras do IPRI

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Desigualdade

Estudar é para todos?

José Ferreira Gomes

Todos os jovens merecem igual consideração e há que evitar oferecer diplomas sem valor futuro no mercado de trabalho. O facilitismo só vem prejudicar os jovens, em especial os socialmente mais frágeis

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)