Logo Observador
Lei da Cópia Privada

Lei da cópia privada: associação escreve a Passos para o acusar de “imposto encapotado”

189

Associação empresarial do setor eletrónico enviou carta a Passos acusando a lei da cópia privada de ser "um imposto encapotado" e de levar à perda de postos de trabalho em Portugal.

Passos Coelho recebeu apelos para travar lei

AFP/Getty Images

A aprovação da Lei da Cópia Privada, que vai esta quinta-feira a Conselho de Ministros, é “um imposto encapotado”, que vai levar “inevitavelmente” à importação de aparelhos eletrónicos a outros países como a Espanha e “à perda de empregos nacionais”.

Em carta enviada segunda-feira ao primeiro-ministro, a que o Observador teve acesso, a Associação Empresarial dos Setores Elétrico, Eletrodoméstico, Fotográfico e Eletrónico (Agefe) considera que a aprovação da lei que vai taxar aparelhos eletrónicos que gravam dados (em função dos gigabytes de armazenamento) “sobrecarregaria a economia e os contribuintes com um imposto encapotado, a pretexto da compensação por um prejuízo aos detentores de direitos, o qual carece de demonstração”. Trata-se, a seu ver, de “taxas ineficientes, burocráticas, injustas e penalizadoras dos cidadãos que já pagam pelos conteúdos”.

A lei aplica-se a aparelhos como telemóveis, tablets, computadores, cartões de máquinas fotográficas, pen ou ‘boxes’ de televisões. estas alterações decorrem do próprio programa de Governo que prevê remunerações aos autores e atualização da lei de 2004, que não incluia tablets ou telemóveis. Segundo a secretaria de Estado da Cultura, o impacto desta nova lei é de cerca de 11 milhões de euros.

“A Agefe vem apelar a V. Exa. para que o Governo que superiormente lidera não aprove a proposta de alteração da Lei da Cópia Privada apresentada pelo senhor secretário de Estado da Cultura pois, para além de desadequada e injusta, levaria inevitavelmente a um incremento exponencial das aquisições, físicas e eletrónicas, a outros países dos equipamentos que permitam a cópia e reprodução – como, desde logo, a vizinha Espanha – diminuirá a competitividade de muitas empresas portuguesas, com as inevitáveis repercussões na perda de empregos nacionais e receitas, diretas e indiretas, do próprio Estado”, lê-se.

A Agefe dá exemplos. Diz que uma pessoa que compre um telemóvel, “mesmo que não venha a ter cópias de músicas ou de outros conteúdos”, poderá ter que pagar até mais 30,75 euros. E frisa que “também o Estado veria os seus custos aumentados nas suas aquisições de produtos tecnológicos”. Haverá “dupla, tripla ou quadrupla taxação”, acrescenta.

O Ministério da Economia estima entre 30 a 50 milhões de euros o impacto desta lei, havendo já várias versões desta lei cuja discussão no interior do Governo já se arrasta há vários meses. A última versão aponta para que, segundo o Expresso, seja cobrado 0,15 euros por cada gigabyte de um smartphone ou tablet.

A Cultura é uma área diretamente tutelada por Passos Coelho, que, recém-chegado de 15 dias de férias no Algarve, vai ter que mediar uma guerra entre o secretário de Estado da Cultura, Barreto Xavier, e o ministro da Economia, Pires de Lima.

 

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Educação

O Filipa e a escola pública

Maria José Melo

Portugal só será realmente um país civilizado quando existir consciência cívica por parte de todos os cidadãos. Foi esta visão que adquiri no Liceu D. Filipa de Lencastre e me acompanhou toda a vida.