Comportamento

O cérebro masculino está programado para escolher sexo em vez de comida

2.131

Os machos são capazes de ignorar a fome e ir à procura de um par. Um estudo de uma universidade americana comprovou que entre um prato de comida e uma parceira, eles correm atrás da parceira.

Getty Images

Um estudo levado a cabo pela University of Rochester Medical Center explica como pequenas mudanças no circuito cerebral podem ditar diferenças comportamentais entre o sexo masculino e feminino. Os machos preferem sexo a comida, mas a culpa não é deles, é do cérebro. Pelo menos no caso dos vermes.

Extrapolando para o caso dos homens, o professor assistente Douglas Portman disse ao The Telegraph que “embora saibamos que o comportamento humano é influenciado por inúmeros fatores, incluindo normas culturais e sociais, estas descobertas apontam para mecanismos biológicos básicos que podem não só ajudar a explicar algumas diferenças de comportamento entre homens e mulheres, mas também o porquê de diferentes sexos serem mais suscetíveis a determinado tipo de doenças neurológicas.”

A investigação passou por olhar para um nemátodo microscópico chamado C. elegans — um animal vermiforme, que pode ter dois géneros: hermafrodita ou macho, e que é um poderoso sistema de modelo, em que as técnicas genéticas e celulares são facilmente aplicáveis. Os cientistas focaram-se nos neurónios chamados AWA (sensoriais), que estão fortemente ligados à fome e à busca de uma parceira.

Os investigadores colocaram os bichos em placas de Petri e deram-lhes comida, dando-lhes a opção de se alimentarem ou procurarem uma parceira. Alguns dos vermes foram geneticamente modificados para se tornarem mais sensíveis ao cheiro da comida, através da manipulação dos seus neurónios. E provou-se que os vermes normais (não modificados) ignoraram a sua comida e foram à procura de um par.

No entanto, os vermes que foram geneticamente modificados para se tornarem mais “esfomeados” provaram ser dez vezes menos bem-sucedidos em encontrar parceiras, uma vez que quiseram ficar sempre perto da comida. Já os vermes hermafroditas nada fizeram, limitando-se a ficar quietos e à espera junto à comida.

O estudo publicado na revista científica Current Biology sugere assim que os vermes normais foram capazes de ignorar ou até suprimir a fome que sentiam em detrimento de encontrar uma companheira. Segundo Douglas Portman, “estas descobertas mostram que ao sintonizar as propriedades de uma única célula, podemos mudar o comportamento”.

Ou seja, para que os machos começassem a dar prioridade à comida e não ao sexo, era preciso que fossem geneticamente alterados, e isso faria com que deixassem de ser machos normais, pelo menos na sua essência. Portanto, o melhor mesmo é aceitá-los como eles são.

Este artigo foi corrigido às 18h45 depois do alerta feito por três leitores, a quem agradecemos.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Comportamento

A esperança é o café da manhã

Laurinda Alves
604

O que nos faz agir e transcender em cada dia é a esperança de que alguma coisa se componha, de encontrar sentido para a vida, de evoluir, de perceber mais. E temos esperança pela certeza do inesperado

Comportamento

Elogio da indiferença

Paulo Tunhas
160

Os micrologistas tendem à especialização em áreas particulares: alimentação, linguagem, e por aí adiante. Vigiam e incitam à punição. Os seus porta-vozes mais conhecidos são os “jornalistas de causas"

Autarquias

A arma secreta do civismo

Luís Newton
700

Se em nossas casas cumprimos regras para que as famílias vivam em harmonia, porque é que quando alguns saem às ruas optam por não cumprir as regras que permitem que a comunidade possa fazer o mesmo?

Comportamento

Ao terceiro dia

Laurinda Alves
4.889

Nas alturas em que a vida parece indecifrável e as rotinas ficam abaladas, o mundo fica um lugar tão estranho que apetece apagar a luz e pedir para nos acordarem quando tudo tiver passado.

Pobreza

O dia mundial dos pobres, uma hipocrisia?!

P. Gonçalo Portocarrero de Almada

Com o valor, certamente astronómico, da hipotética venda da Pietà, milhões de pobres, que vivem agora na miséria, poderiam ser significativamente ajudados.

Medicina

Mãe e avó

Pedro Vaz Patto

A respeitável intenção de ter um filho não pode levar a fazer deste um objeto de um desejo ou de um direito, a satisfazer esquecendo ou ultrapassado o seu supremo bem.

Pobreza

O dia mundial dos pobres, uma hipocrisia?!

P. Gonçalo Portocarrero de Almada

Com o valor, certamente astronómico, da hipotética venda da Pietà, milhões de pobres, que vivem agora na miséria, poderiam ser significativamente ajudados.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site