Natal

Brunei proíbe o Natal por colocar em risco a “fé dos muçulmanos”

2.527

O Sultão do Brunei decidiu que aqueles celebrem excessivamente ou abertamente o Natal podem enfrentar uma pena até 5 anos de prisão. Os não muçulmanos podem-no fazer desde que informem as autoridades.

O Sultão Hassanal Bolkiah, do pequeno e conservador país do Brunei, decidiu que os não muçulmanos podem celebrar o Natal desde que o façam dentro das suas comunidades e desde que informem as autoridades.

AFP/Getty Images

O Sultão do pequeno país situado na ilha do Bornéu decidiu que celebrar o Natal cristão na região é proibido e quem o fizer pode arriscar uma pena de prisão até 5 anos.

Quem o conta é o Telegraph que, citando relatos locais, noticia que a punição abrange aqueles que enviem cumprimentos associados às festividades ou utilizem barretes de pai Natal. No entanto aqueles que não sejam muçulmanos estão autorizados a celebrar a ocasião desde que o façam dentro das suas comunidades e desde que informem as autoridades.

O ministro dos Assuntos Religiosos do país onde 65% da população de 420 mil pessoas são muçulmanas, explicou em comunicado que “estas medidas têm como intenção de controlar o ato de celebrar o Natal excessivamente e abertamente, o que poderia prejudicar o ‘aqidah’ (crença ou fé) da comunidade muçulmana”.

Também o jornal local Borneo Bulletin diz que no princípio do mês de dezembro um grupo de imãs referiu que “durante as celebrações do Natal, os muçulmanos que sigam estes atos religiosos – como utilizar os seus símbolos religiosos como a cruz, velas, montar árvores de Natal e cantar músicas religiosas, enviar cumprimentos natalícios, utilizar sinais louvando a religião, colocar decorações ou criar sons e fazendo tudo o que equivale ao respeito pela religião – estão contra a fé islâmica”.

Apesar de tudo, estas novas medidas já tiveram as suas repercussões: através das redes sociais já vão sendo publicadas fotografias confrontando a decisão:

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Costumes e Tradições

Natal muçulmano

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
1.395

É razoável que um dirigente de uma escola estatal de um país laico, Itália, tenha em conta as diversas sensibilidades religiosas, mas não ao ponto de negar a identidade nacional e tradições culturais.

Incêndios

Estado de calamidade permanente

Rui Ramos
1.028

A demissão da ministra não é a solução de todos os problemas. Mas seria a solução de pelo menos um gigantesco problema: a falta de responsabilidade e de vergonha na governação. 

Incêndios

Autoproteja-se o senhor!

Laurinda Alves
2.771

Autoproteja-se a si mesmo enquanto é tempo, senhor secretário de Estado da Administração Interna, porque aquilo que os senhores estão a gerar é um perverso sistema de Desprotecção Civil.

Orçamento do Estado

Um Orçamento à esquerda

Joana Vicente

A redução pretendida do número de funcionários públicos não tem acontecido Não é de estranhar que possa haver uma derrapagem das despesas com pessoal em 2018 superior à de 2017.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site