Logo Observador
Neurociência

Joshua Sparrow, divulgador do método Brazelton, vem a Lisboa

1.211

Joshua Sparrow, diretor do Brazelton Touchpoints Center, vem a Lisboa a 26 de janeiro no âmbito da conferência "Love Synapses". O método Brazelton tem ajudado muitos pais a perceber os seus bebés.

PHILIPPE HUGUEN/AFP/Getty Images

Joshua D. Sparrow, diretor do Brazelton Touchpoints Center e co-autor com o famoso pediatra T. Berry Brazelton de 8 livros sobre pedagogia infantil, vai estar em Lisboa no próximo dia 26 de janeiro na Conferência Internacional “Love Synapses — Building Strong Children, Families and Communities”, que decorre durante dois dias na Fundação Calouste Gulbenkian.

A conferência é organizada pela Fundação Brazelton/Gomes-Pedro para as Ciências do Bebé e da Família e reúne especialistas nacionais e internacionais em torno das mais atuais perspetivas sobre o desenvolvimento da criança, uma discussão que terá por base a importância do apoio às famílias nos períodos sensíveis (touchpoints) dos primeiros anos de vida da criança.

Charles Nelson, professor de Pediatria e Neurociências da Universidade de Harvard e Kevin Nugent, diretor do Brazelton Institute em Boston, nos EUA também serão oradores na conferência, que será encerrada pelo ex-Presidente da República, Jorge Sampaio.

Se é pai ou mãe e quer assistir ao vivo às apresentações e troca de ideias sobre método Brazelton, cunhado pelo pediatra norte-americano, pode inscrever-se na conferência aqui.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: erodrigues@observador.pt
Religião

Quando a Ciência crê em milagres…

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
714

Para o crente, o milagre é, de certo modo, irrelevante, porque, como sabe que tudo é, de algum modo, milagre, não o espanta que algumas coisas o sejam de uma forma mais espectacular.

Governo

António Costa quer eleições antecipadas

João Marques de Almeida

Marcelo tem dito que não há razões para antecipar eleições. Os avisos não são para PSD ou CDS, são para Costa. Quanto mais frequentes forem, mais convencido estará o PR que a economia condenará Costa.