Logo Observador
Banho

Vai tomar banho? Cuidado para não destruir as defesas da pele

O banho pode destruir as defesas naturais da pele, tornando-a seca e sensível. Mas há gestos simples que podemos fazer para o impedir. Usar um produto com pH semelhante ao da pele é um deles.

A pele é o maior órgão do corpo humano e exerce diversas funções importantes que contribuem para o nosso bem-estar geral. Uma delas é a proteção do organismo, funcionando como uma espécie de barreira entre o nosso corpo e o mundo exterior. Mas por mais estranho que nos possa parecer, todos os dias, quando tomamos banho, podemos estar a contribuir ativamente para destruir as defesas naturais da nossa pele.

eucerinphpele

Se é verdade que a lavagem diária é importante para eliminar a sujidade e os resíduos orgânicos que se acumulam (suor, oleosidade excessiva ou tecidos mortos), também é um facto que alguns produtos de higiene são demasiado agressivos. Ao ponto de removerem igualmente a camada hidrolipídica protetora da pele, contribuindo para a sua secura e maior sensibilidade.

Um dos mecanismos que contribui para a tarefa de proteção da pele é o seu pH (ou potencial de Hidrogénio), valor que indica o grau de acidez de uma solução.

O pH da pele varia entre 4,5 e 5,8 na maior parte do corpo e rosto, ou seja, é considerado ligeiramente ácido (abaixo de 7 o pH é ácido e acima deste valor é alcalino). Este pH ideal resulta do manto ácido da pele, que é um dos componentes da epiderme (a camada mais exterior da pele, aquela que vemos e tocamos), reforçando a função de proteção.

Conselhos para proteger a pele das agressões do banho diário

– Na hora de comprar um gel de banho há que prestar atenção ao pH referido no rótulo. Muitas vezes é indicado um pH neutro, mas é importante perceber se o valor corresponde ao pH químico de 7 ou ao da pele. Preferir sempre um produto que tenha o mesmo pH da pele (entre 4,5 e 5,8);

– O duche deve ser rápido, apenas com a duração suficiente para eliminar as impurezas;

– Evitar água muito quente, pois esta também tende a secar a pele. O ideal é que ronde os 37° C;

– O sabão azul e branco é muito agressivo. Como tal, deve ser reservado para a lavagem da roupa e não para a higiene corporal;

– Também o sabonete de glicerina contém ingredientes agressivos, pelo que a opção deve privilegiar sempre produtos de banho com fórmulas suaves;

– A pele sensível ou seca não se dá muito bem com produtos que têm fragrâncias excessivas e corantes;

– Atenção às luvas e esponjas de banho, pois tendem a acumular fungos e bactérias. Para o evitar, devem ser bem lavadas e espremidas após a utilização, bem como trocadas com regularidade;

– Depois do banho, a pele deve ser seca de forma suave e sem esfregar.

Escolher um produto com o pH certo

Como não vivemos dentro de uma bolha nem em condições ideais, todos os dias a nossa pele é sujeita a fatores que agridem e desafiam o seu pH. Entre eles contam-se a poluição, as mudanças de temperatura ou a utilização de produtos de higiene agressivos e com pH alcalino.

Uma das formas de contribuir para reforçar a tão necessária barreira protetora, ao invés de a destruir diariamente, passa por escolher produtos de higiene adequados e com um pH correspondente ao da pele. Entre as várias soluções existentes no mercado, encontra-se Eucerin pH5 Gel de Lavagem, uma fórmula sem sabão concebida para uma limpeza suave mas eficaz e com um pH compatível com o da pele. Trata-se de um produto de lavagem adequado a toda a família, incluindo bebés e crianças, mesmo com pele sensível ou com tendência a alergias.

Não exagerar

O banho diário é importante, mas exagerar é um erro. A maior parte dos especialistas considera que um duche ou banho por dia é o suficiente para as necessidades da maior parte das pessoas. Já nas situações em que um banho pode ser insuficiente (no caso de desportistas ou de quem tem vários empregos) considera-se que há ainda mais razões para dar preferência a produtos suaves e com pH aproximado ao da pele.

Uma das funções dos rituais de higiene prende-se com a eliminação das bactérias que se acumulam. Entre estas temos as patogénicas – que provocam doenças – e as não patogénicas – que contribuem para a proteção das agressões externas e como tal não podem ser eliminadas.

Os banhos frequentes e agressivos tendem precisamente a destruir estas bactérias, abrindo caminho ao risco de infeção, por exemplo. Além disso, as lavagens excessivas contribuem para a secura da pele e até para o desenvolvimento de dermatites ou eczemas.

Conteúdo produzido pelo OBS Lab. Para saber mais, clique aqui.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: obslab@observador.pt