Sociedade

Para que a vida não pare

180

Vivemos vidas aceleradas. A mil, como costumamos dizer. Ou ‘debaixo d’água’, como se nem para respirar tivéssemos tempo.

FRANCK ROBICHON/EPA

Atropelamos conversas, sobrepomos reuniões e compromissos, agendamos vários impossíveis e deixamos e-mails sem resposta, mas o mais grave é deixarmos demasiadas pessoas penduradas à nossa espera. Literal e metaforicamente falando, note-se. Não temos tempo para visitar aqueles que mais amamos, falta-nos capacidade para cuidar de todos os que estão a precisar de nós e raramente conseguimos dar atenção a todos os que gostaríamos. Esta vertigem contemporânea consome-nos. Há, no entanto, uma realidade pior do que esta do aceleramento moderno: quando a vida para!

Na verdade, a vida obriga-nos a parar por muitas razões. Seja por acidentes, por doenças, mortes, perdas, crises, ruturas ou outros imprevistos, somos obrigados a parar. Sabemos que num instante tudo muda e aquilo que nos parecia impossível ontem, hoje surge como uma nova realidade. Imperativa. Exigente. Muitas vezes erosiva e dolorosa.

Todos somos vulneráveis a doenças e todos podemos ser vítimas de acidentes. Todos, sem exceção, podemos ter vivido sem grandes preocupações de saúde até este minuto, mas a partir de agora sermos obrigados a refazer toda a nossa vida. Quem passou ou passa por mudanças súbitas, drásticas, radicais e tantas vezes dramáticas, sabe bem o que é experimentar na pele essa travagem a fundo na vida.

Podemos ser atropelados, podemos cair no fosso do elevador, podemos dar um mergulho fatal, podemos cair em casa ou tropeçar no passeio, podemos ter um desastre de carro ou de avião, enfim, podemos tanta coisa que nos obrigue a parar, que o grande mistério e a maior surpresa é continuarmos a acordar e a adormecer ilesos um dia após outro.

13066315_770x433_acf_cropped

Porque ninguém é imune à imprevisibilidade da vida e, mais tarde ou mais cedo, podemos tocar a realidade súbita de uma vida que para, vale a pena pensar alto e em conjunto as questões essenciais que nos ligam e nos ajudam a perceber quem, à nossa volta, vive apostado em que a vida não pare.

Cientistas, médicos e investigadores dão o melhor de si, da sua ciência e prática, para cuidar de uma Humanidade frágil, tantas vezes doente e carente. Mas não são os únicos, pois muitas pessoas sem qualquer especialidade clínica também resgatam esta mesma humanidade, por darem testemunhos de coragem e fortaleza interior. E mais, grandes companhias e empresas criam conceitos e geram lucros apostando nos cuidados essenciais a vítimas de acidentes e imprevistos.

Por tudo isto e porque é da partilha do conhecimento e de experiências que nasce uma nova luz sobre temas que ensombram a vida de muitos, o Observador vai organizar em breve mais uma conversa offline, desta vez no Museu do Oriente, com o patrocínio da Fidelidade, para promover o encontro entre médicos, cientistas, cuidadores e vítimas da imprevisibilidade da vida que deram a volta por cima e se recusaram a ficar parados na vida.

O objetivo é ouvir uns e outros, mas também criar uma proximidade real que permita conversar com todos, estabelecendo um diálogo aberto e livre, com perguntas e respostas que ajudem a perceber que testemunhos corajosos geram sempre mais coragem.

Assim como a audácia e a força de médicos, investigadores e cuidadores também nos torna mais fortes e audazes para enfrentar os imprevistos e fazer tudo para que a vida não pare.

Conteúdo produzido pelo OBS Lab. Para saber mais, clique aqui.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Portugal 2020

Os feiticeiros de nós

Miguel Alvim
339

Escondido na manga do frentismo comunista que nos coordena colectivamente existe um contrato social torcido à façon só de uns tantos.

Governo

A plateia dos patetas

Maria João Avillez

Um misto de leveza, manha, irresponsabilidade. Uma manipulação a partir do palco do poder para a plateia de patetas onde quem não é da geringonça é suposto estar sentado.

Agências de Rating

De BB+ para BBB-

Luís Aguiar-Conraria

A procissão ainda vai no adro. Para a Fitch e a Moody’s a dívida portuguesa anda é investimento especulativo. E, enquanto estivermos muito endividados, estaremos sujeitos aos maus humores dos mercados

Fernando Medina

Síndrome de Lisboa

Maria João Marques

O carro é um meio de transporte legítimo, os proprietários pagam impostos, pelo que têm direito a usá-lo quando assim lhes for mais confortável e conveniente, sem serem demonizados pelo edil lisboeta.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site