Presidente Trump

Trump quer mobilizar 100 mil militares da Guarda Nacional para irem atrás de imigrantes ilegais

165

Donald Trump pondera destacar 100.000 elementos da Guarda Nacional para irem atrás dos imigrantes sem documentos nos Estados Unidos. A Casa Branca negou mas a Associated Press mostra o documento.

Donald Trump pondera destacar cerca de 100.000 militares da Guarda Nacional para irem atrás dos imigrantes sem documentos, nomeadamente aqueles que vivem próximo da fronteira com o México. A notícia foi avançada pela Associated Press que teve acesso a uma proposta escrita pelo Secretário da Segurança Interna, John Kelly. A Casa Branca nega tudo mas a agência de notícias já tornou público o documento (clique aqui para o ver na íntegra).

O documento, de 11 páginas, data 25 de janeiro e evoca uma “militarização sem precedentes” para quatro estados americanos na fronteira com o México — Califórnia, Arizona, Novo México e Texas — e mais sete estados contíguos (Oregon, Nevada, Utah, Colorado, Oklahoma, Arkansas e Louisiana). Os governadores destes estados podem optar por usar as suas próprias forças de segurança, para o reforço do controlo da fronteira. O memorando explica que os militares da Guarda Nacional estão autorizados:

A desempenhar funções de um oficial de imigração em relação à investigação, apreensão e detenção de estrangeiros nos Estados Unidos.

A Casa Branca negou. É um mero rascunho

O porta-voz da Casa Branca, Sean Spicer, negou que o documento fosse da Casa Branca referindo que a notícia é “100% falsa”. Spicer garantiu ainda que “não existe nenhum esforço de todo para utilizar a Guarda Nacional para deter os imigrantes não autorizados“.

O Departamento de Segurança Nacional avançou que o documento é um rascunho antecipado que não deve ser seriamente considerado. A Associated Press garante que o memorando andou a circular pelo Departamento de Segurança Nacional, nas últimas semanas, e que diversos funcionários relataram que a proposta tinha sido discutida esta sexta-feira.

Os representantes dos governadores de oito dos estados visados garantiram não estar a par da proposta e recusaram comentá-la, argumentado ser prematuro discutir a sua posição e participação, conta o The Telegraph. O general Joseph L. Lengyel acrescenta que a Guarda Nacional desconhece a origem do relatório.

O memorando data o dia em que Donald Trump assinou um decreto para a construção do muro na fronteira com o México, anunciando mais 5.000 oficiais para o serviço de patrulhamento de fronteiras.

A Guarda Nacional já tem sido usada para ajudar em missões relacionadas com a imigração na fronteira com o México.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site