Logo Observador
País

Há 15 menores migrantes desaparecidos. Tinham chegado sozinhos a Portugal

Casa de Acolhimento para Crianças Refugiadas não sabe onde estão 15 adolescentes. Uma nigeriana tinha sido identificada como vítima de tráfico humano. Conselho da Europa está preocupado.

Em 2015, 29 dos 66 menores que o centro acolheu também desapareceram

SIMELA PANTZARTZI/EPA

A Casa de Acolhimento para Crianças Refugiadas (CACR), em Lisboa, perdeu o rasto a 15 adolescentes entre os 15 e os 17 anos, em 2016, avança a edição desta sexta-feira do Público. Um dos migrantes tinha apresentado sinais de ter sido vítima de tráfico de seres humanos – é uma rapariga que vinha da Nigéria e que tinha mostrado comportamentos de isolamento.

Dora Estoura, coordenadora da CACR, disse ao Público que apesar de os desaparecimentos serem “naturalmente uma fonte de preocupação”, que não era necessário “criar alarmismos”, lembrando que a instituição é um espaço livre e que as saídas dos menores sem regresso são habituais. Em 2015, 29 dos 66 menores que o centro acolheu também desapareceram do seu radar.

Mas a organização do Conselho da Europa está preocupada com a situação em que vivem os menores vítimas de tráfico em Portugal e incitou as autoridades portuguesas a melhorar a assistência que lhes dão, com apoio na habitação, educação e assegurando uma monitorização da sua reintegração na sociedade.

Nestes casos, os desaparecimentos são comunicados pelo CACR ao Tribunal de Menores e Serviço de Estrangeiros e Fronteiras e se houver suspeita de tráfico, o Observatório de Tráfico de Seres Humanos também é contactado.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Proteção Civil

Lei da Rolha: a censura cor-de-rosa

José Pinto

O calor – mais em sentido real do que figurado – dos incêndios não é bom conselheiro. Há que refrescar a informação no sossego climatizado dos gabinetes. Uma verdade a exigir intermediação.

Homossexualidade

Hereges e beatas

Luis Carvalho Rodrigues

Eu percebo que gente como a deputada Isabel Moreira não faça a mínima ideia do que é uma “verdade científica” sobre a homossexualidade. Mas já custa ver a professora Ana Matos Pires repetir a tolice.

Sociedade

Esquerda e instrumentalização da homossexualidade

João Marques de Almeida

Os liberais devem defender os direitos dos homossexuais e lutar, contra os ataques das esquerdas radicais, por uma sociedade assente na família tradicional. A maioria dos portugueses terá esta posição