Professores

Fenprof marca concentração nacional de professores e educadores para Lisboa em abril

A Federação Nacional dos Professores marcou para 18 de abril, em Lisboa, uma concentração nacional de professores e educadores para reivindicar a resolução de vários problemas no setor.

JOAO RELVAS/LUSA

A Federação Nacional dos Professores (Fenprof) marcou para 18 de abril, em Lisboa, uma concentração nacional de professores e educadores para reivindicar a resolução de vários problemas no setor.

A realização da concentração nacional de professores e educadores “Damos o Rosto Pela Profissão”, junto ao Ministério da Educação, foi uma das decisões hoje aprovadas no Conselho Nacional da Fenprof, que decorreu em Lisboa.

Em comunicado, a Fenprof recorda que “os docentes e investigadores portugueses estão confrontados com problemas que afetam gravemente as suas condições de trabalho ou põem em causa importantes direitos de ordem socioprofissional, em alguns casos, há vários anos”.

“Apesar da insistência junto dos ministérios que tutelam os diversos setores envolvidos, não houve, até hoje, vontade política dos Governos, incluindo do atual, para assumir compromissos no sentido da sua resolução. Pelo contrário, relativamente a alguns, o que se antevê parece ir em sentido diferente, o que, a acontecer, seria estranho a um tempo político anunciado de mudança”, é referido na nota.

No Conselho Nacional da Fenprof foi também decidida a realização de uma concentração de docentes das escolas públicas de Ensino Artístico Especializado, a 22 de março, “em defesa da abertura de um processo de vinculação extraordinária, a produzir efeitos já no próximo ano letivo”.

A 05 de abril deverá ainda realizar-se outra concentração junto ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, no âmbito de um conjunto de iniciativas relacionadas com o Ensino Superior, “com o objetivo de garantir a indispensável estabilização dos seus profissionais”.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Professores

Insustentável

Alexandre Homem Cristo
523

O descongelamento de carreiras dos professores pode vir a ser concretizável. Mas tem um preço: vai adiar reformas, vai sacrificar o desenvolvimento de programas educativos, vai fazer do sistema refém.

Universidades

Injustiça, iniquidade, inânia, e interior

António Fidalgo
663

Lisboa não é zona de convergência, mas acaba de receber, efectivamente, mais dinheiro de fundos comunitários que qualquer zona do Interior. Iniquidade é o que é. Chamem-se os bois pelos nomes.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site