Logo Observador
Música

Rastilho Records reedita primeiro álbum dos Tédio Boys, “Porkabilly Psychosis”

110

A Rastilho Records vai lançar a 19 de maio uma reedição, em vinil e em CD, do álbum de estreia dos Tédio Boys, "Porkabilly Psychosis", o "primeiro passo" de uma banda fundamental do rock português.

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

“Era um sonho antigo. Há muitos anos que andava atrás dos discos dos Tédio Boys”, conta à agência Lusa Pedro Vindeirinho, fundador da Rastilho Records, editora sediada em Leiria, que conseguiu pôr as mãos nas fitas originais da Numerika, responsável pela edição, em 1994, de “Porkabilly Psychosis”.

Na altura editado em CD, a reedição do álbum de estreia da banda de Coimbra vai contar com uma primeira tiragem de 500 vinis e 500 CD, de uma edição que contou com remasterização a partir das fitas originais e restauro gráfico.

“Está até com melhor som [do que o original]”, sublinhou Pedro Vindeirinho, considerando que este “é um disco fundamental, um clássico” de uma banda que mexeu “com a cidade [de Coimbra] e com o próprio rock português da altura”.

Para o responsável da Rastilho, os Tédio Boys são um nome incontornável da cena musical portuguesa, sendo que a reedição do álbum integra o trabalho que a editora de Leiria tem feito com outras bandas, como os Censurados, Peste & Sida ou Mão Morta, de forma a garantir que certas obras estão sempre disponíveis, tanto “hoje, como daqui a 10 ou 50 anos”.

A banda de Coimbra era formada inicialmente por Paulo Furtado, Toni Fortuna, Victor Torpedo, André Ribeiro e Kaló, e contou com várias digressões nos Estados Unidos, onde editaram pela Elevator Music após a estreia em 1994.

“O fim deles também teve o seu quê de sacro, porque deram origem a projetos e bandas como os Blood Safari, os Twist Connection, Wraygunn, d3ö ou os The Parkinsons”, sublinhou Pedro Vindeirinho.

Toni Fortuna, o vocalista da banda, foi apanhado de surpresa com a reedição de um álbum que ainda não voltou a ouvir, mas que guarda como um momento crucial da banda, quando esta ainda estava à procura da sua identidade.

“Não é o meu favorito, mas representa o início da caminhada. Há sempre um grande carinho pelo iniciar de processos. Foi um momento muito bonito, que tem uma importância imensa, em que te apercebes que estás a fazer uma coisa que achavas que seria quase impossível — gravar um álbum”, sublinhou o vocalista, considerando que nos três álbuns que se seguiram os Tédio Boys já sabiam por onde queriam ir.

O álbum reeditado é lançado a 19 de maio em Portugal e no dia 26 para o resto da Europa, nos dois formatos — vinil e CD.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Venezuela

O drama da comunidade portuguesa na Venezuela

Daniel Bastos

A falta de segurança e o caminho que a Venezuela parece seguir rumo ao abismo estão a levar muitos emigrantes a regressarem para Portugal, sendo já notório que há cada vez mais a voltarem à Madeira.

Família

Guerra e Paz

Margarida Alvim

Há muitas famílias assim. Conjuntos de pessoas que vivem debaixo do mesmo tecto. Os pais sabem de todos, mas cada irmão sabe de si. A razão só pode ser uma: falta de confiança. E falta de amizade.

Catolicismo

Medjugorje: solução à vista?

P. Gonçalo Portocarrero de Almada

Para um cristão a investigação sobre as supostas aparições de Medjugorge faz sentido, pois deve conhecer a solidez das suas convicções e estar preparado para responder a quem lhe pedir razão da espera