Música

Rastilho Records reedita primeiro álbum dos Tédio Boys, “Porkabilly Psychosis”

110

A Rastilho Records vai lançar a 19 de maio uma reedição, em vinil e em CD, do álbum de estreia dos Tédio Boys, "Porkabilly Psychosis", o "primeiro passo" de uma banda fundamental do rock português.

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

“Era um sonho antigo. Há muitos anos que andava atrás dos discos dos Tédio Boys”, conta à agência Lusa Pedro Vindeirinho, fundador da Rastilho Records, editora sediada em Leiria, que conseguiu pôr as mãos nas fitas originais da Numerika, responsável pela edição, em 1994, de “Porkabilly Psychosis”.

Na altura editado em CD, a reedição do álbum de estreia da banda de Coimbra vai contar com uma primeira tiragem de 500 vinis e 500 CD, de uma edição que contou com remasterização a partir das fitas originais e restauro gráfico.

“Está até com melhor som [do que o original]”, sublinhou Pedro Vindeirinho, considerando que este “é um disco fundamental, um clássico” de uma banda que mexeu “com a cidade [de Coimbra] e com o próprio rock português da altura”.

Para o responsável da Rastilho, os Tédio Boys são um nome incontornável da cena musical portuguesa, sendo que a reedição do álbum integra o trabalho que a editora de Leiria tem feito com outras bandas, como os Censurados, Peste & Sida ou Mão Morta, de forma a garantir que certas obras estão sempre disponíveis, tanto “hoje, como daqui a 10 ou 50 anos”.

A banda de Coimbra era formada inicialmente por Paulo Furtado, Toni Fortuna, Victor Torpedo, André Ribeiro e Kaló, e contou com várias digressões nos Estados Unidos, onde editaram pela Elevator Music após a estreia em 1994.

“O fim deles também teve o seu quê de sacro, porque deram origem a projetos e bandas como os Blood Safari, os Twist Connection, Wraygunn, d3ö ou os The Parkinsons”, sublinhou Pedro Vindeirinho.

Toni Fortuna, o vocalista da banda, foi apanhado de surpresa com a reedição de um álbum que ainda não voltou a ouvir, mas que guarda como um momento crucial da banda, quando esta ainda estava à procura da sua identidade.

“Não é o meu favorito, mas representa o início da caminhada. Há sempre um grande carinho pelo iniciar de processos. Foi um momento muito bonito, que tem uma importância imensa, em que te apercebes que estás a fazer uma coisa que achavas que seria quase impossível — gravar um álbum”, sublinhou o vocalista, considerando que nos três álbuns que se seguiram os Tédio Boys já sabiam por onde queriam ir.

O álbum reeditado é lançado a 19 de maio em Portugal e no dia 26 para o resto da Europa, nos dois formatos — vinil e CD.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Alemanha

Da Alemanha de Kohl à Alemanha de Merkel

Fernando Martins
108

Antes de ser a Alemanha de Angela Merkel, a actual Alemanha foi a Alemanha de Helmut Kohl, o chanceler da reunificação alemã. A história de Kohl é a melhor introdução à Alemanha de hoje. 

Autárquicas 2017

Falar de André Ventura

Alexandre Homem Cristo

Ventura está a ser sobrevalorizado – enquanto candidato e, mais ainda, enquanto intérprete de novos rumos para a direita. Um erro que, perante a tentação de leituras nacionais, será importante evitar.

Estados Unidos da América

Carta da América

João Carlos Espada

Na América, está em curso um vigoroso renascimento conservador-liberal. Conseguirá a vaga conservadora em gestação na Europa acompanhar a linguagem liberal e anti-estatista da sua congénere americana?

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site