Logo Observador
Venezuela

Venezuela. Ministra despedida depois de revelar aumento da mortalidade infantil

736

Os dados da mortalidade infantil não eram revelados desde julho de 2015. A ministra da Saúde quebrou o silêncio e foi despedida. Ocupou o cargo durante apenas quatro meses.

Antonieta Caporale é ginecologista e foi ministra da Saúde durante quatro meses

MPPSalud

Autor
  • Carolina Branco
Mais sobre

A ministra da Saúde da Venezuela, Antonieta Caporale, foi afastada do seu cargo pelo presidente Nicolas Maduro, esta sexta-feira. O despedimento aconteceu dois dias depois de Caporale ter revelado dados acerca da mortalidade infantil do país, conta a agência Reuters.

O Ministério da Saúde já não divulgava dados desde julho de 2015 e a ex-ministra da Saúde resolveu quebrar o silêncio. Antonieta Caporale divulgou dados que mostram que a mortalidade infantil aumentou 30%. Cerca de 11466 crianças morreram na Venezuela em 2016. A mortalidade materna registou um aumentou 65%.

Os dados indicam ainda informações relativas a doenças. Segundo os mesmos, os casos de malária dispararam 76% em 2016, verificando-se também aumentos de casos de difteria e Zika. Relativamente aos medicamentos, as informações reveladas pela agora ex-ministra mostram que o país está a sofrer uma escassez de fármacos e equipamentos médicos considerados básicos.

A ex-ministra da Saúde será substituída pelo farmacêutico e professor universitário, Luis López, avança a agência Reuters. Antonieta Caporale, que é ginecologista, assumiu o cargo durante quatro meses.

Venezuela enfrenta a “mãe de todas as manifestações”

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Comunismo

PCP continua a falsificar a História

José Milhazes

O PCP criou um site para celebrar os 100 anos da revolução bolchevique de 1917, mas abre-o logo com uma fotografia falsificada de Lenine. Trata-se apenas da primeira de muitas falsificações históricas

Amor

A lição que Portugal deveria aprender com o Brasil

Ruth Manus

Foi aí que percebi que “eu te amo” seria uma belíssima solução para o amor português. Na verdade, nós no Brasil nem falamos o “eu”. Basta o “te amo”. O que importa é que é uma expressão fácil.