Logo Observador
Grécia

Doodle do dia recorda a descoberta da misteriosa máquina de Anticítera

102

Neste dia, em 1902, o arqueólogo grego Valerios Stais analisava alguns artefactos de um barco naufragado romano. Até que descobriu algo inédito: a misteriosa máquina de Anticítera.

A máquina de Anticítera rastreava as localizações dos planetas, previa eclipses solares e lunares e ainda indicava a data dos próximos Jogos Olímpicos.

Foi neste dia, em 1902, que o arqueólogo grego Valerios Stais, ao analisar alguns artefactos de um barco romano naufragado, que tinha sido encontrado dois anos antes, descobriu algo inédito: a máquina de Anticítera. Esta terça-feira assinala os 115 anos que passaram desde a revelação dessa máquina misteriosa a que o Google dedica o Doodle do dia em alguns países, como Brasil e Reino Unido.

Quando começou a estudar os objetos do naufrágio romano, Stais apercebeu-se de uma peça intrigante de bronze que parecia uma roda ou engrenagem. Porém, aquele objeto fazia parte da máquina de Anticítera, um mecanismo ancestral que auxiliava na navegação.

A máquina de Anticítera rastreava as localizações dos planetas, previa eclipses solares e lunares e ainda indicava a data dos próximos Jogos Olímpicos. Acredita-se que também tenha sido utilizada como objeto de auxílio na navegação e mapeamento.

O mecanismo, que foi inicialmente direcionado para o ano 85 antes de Cristo, pode ser mais velho do que se pensava. Estudos mais recentes sugerem que este pode mesmo ter sido criado no ano 150 antes de Cristo. Movido a manivela, o dispositivo era muito avançado para a sua época. Os investigadores afirmam que o sistema é tão complexo como os relógios do século XVIII, muitos chamam-lhe até o primeiro computador analógico de que há registo no mundo.

O mecanismo original está exposto na coleção de bronze do Museu Arqueológico Nacional de Atenas.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Conferências

Portugal, fórum do diálogo global

Daniel Traça

É cada vez mais importante criar pontes, ultrapassar o conflito, o medo, a insegurança e a intolerância. Sem um esforço intenso de promoção desse diálogo, está em risco um novo período de trevas