Logo Observador
Japão

Detido japonês que fugia da polícia há 45 anos

O japonês Masaaki Osaka foi detido o mês passado após 45 anos a fugir das autoridades. Osaka é acusado de ter assassinado um polícia depois de lhe lançar um cocktail molotov num protesto em 1971.

A polícia identificou Osaka através de testes de ADN

STR/AFP/Getty Images

Podes correr, mas não te podes esconder. Para Masaaki Osaka foi este o caso. O militante de extrema-esquerda foi detido o mês passado depois de passar 45 anos a fugir à polícia. O japonês é acusado de ter assassinado um polícia durante protestos em Tóquio em 1971. Osaka terá agredido o agente com um cano de ferro e depois lançado um cocktail molotov que o ateou em chamas. Estava escondido desde então.

Nenhum outro criminoso conseguiu passar mais tempo em fuga às autoridades, garantem os órgãos de comunicação social japoneses. A ser condenado pelo crime, Osaka pode passar o resto da vida na cadeia.

Liga Comunista Revolucionária Japonesa

A Liga Comunista Revolucionária Japonesa é um grupo de influências trotskistas e formou-se em 1957 depois de vários grupos se terem separado do Partido Comunista Japonês. Apesar do Japão não ter nenhum histórico de grupos trotskistas, a LCRJ afiliou-se à Quarta Internacional e ao Partido Trabalhista norte-americano.

Wikipédia

Masaaki Osaka foi encontrado em Hiroshima, num apartamento pertencente ao Chukaku-ha, também conhecida como a Liga Comunista Revolucionária Japonesa (LCRJ). Desde que foi detido que se mantém em silêncio, confirmam as autoridades.

Esta é a imagem utilizada desde 1971 para identificar Osaka nos anúncios que o procuravam

O fugitivo foi inicialmente acusado de obstrução à justiça, até que os agentes da autoridade se aperceberam de quem era. Osaka foi esta quarta-feira transportado de Hiroshima para Tóquio para ser interrogado. A sua identidade foi confirmada através de testes de ADN porque, à data do alegado crime, não existia forma de confirmar impressões digitais.

As autoridades explicam que Osaka conseguiu manter-se em fuga todo este tempo por ser um membro de elite do grupo da extrema-esquerda. Terá sido assistido todos os estes anos por membros simpatizantes do grupo.

A LCRJ protestava em 1971 contra a presença militar norte-americana no país.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Comunismo

PCP continua a falsificar a História

José Milhazes

O PCP criou um site para celebrar os 100 anos da revolução bolchevique de 1917, mas abre-o logo com uma fotografia falsificada de Lenine. Trata-se apenas da primeira de muitas falsificações históricas

Amor

A lição que Portugal deveria aprender com o Brasil

Ruth Manus

Foi aí que percebi que “eu te amo” seria uma belíssima solução para o amor português. Na verdade, nós no Brasil nem falamos o “eu”. Basta o “te amo”. O que importa é que é uma expressão fácil.