Logo Observador
Afeganistão

Comando afegão fere sete soldados dos EUA e é abatido

Um comando afegão abriu fogo e feriu sete militares norte-americanos que integram a coligação internacional liderada pelos Estados Unidos. O atacante foi abatido.

Soldado afegão desativa uma mina em Camp Shaheen, base de treinos que reúne militares do Afeganistão e da coligação internacional

AFP/Getty Images

Um soldado afegão abriu fogo no interior de um quartel e feriu sete militares norte-americanos. O ataque ocorreu neste sábado no quartel do 209º regimento do exército do Afeganistão, localizado na cidade de Mazar-i-Sharif, no norte do país. O porta-voz do regimento, Abdul Qahar Aram, garantiu que as informações iniciais que davam conta de vítimas mortais são falsas.

O tiroteio foi desencadeado cerca das 14h00 e, de acordo com fontes militares dos Estados Unidos, um soldado afegão foi morto e um outro sofreu ferimentos. O militar abatido é o comando que alvejou os soldados estrangeiros estacionados no quartel e terá sucumbido quando era transportado para um hospital.

Os ataques desferidos no interior das instalações onde se encontram tropas afegãs e de outros países, que dão apoio no combate ao Estado Islâmico, são um problema recorrente para as forças da coligação internacional sob liderança norte-americana presentes no país. A 10 de junho, três soldados dos Estados Unidos foram alvejados e abatidos e um foi ferido. O incidente foi considerado, pelas autoridades do Afegão, como um ajuste de contas pessoal, mas estão a decorrer investigações para apurar as circunstâncias e a motivação do ataque. Noutros dois ataques, ocorridos em março, ficaram feridos 11 soldados norte-americanos.

Este tipo de incidentes tem, no entanto, vindo a diminuir devido à redução do número de forças militares estrangeiras estacionadas no Agefão. Chegaram a atingir 150 mill, mas rondam, agora, 14 mil. O 209º regimento, baseado em Camp Shaheen, foi atacado por forças talibã em abril passado. A iniciativa resultou na morte de mais de 160 militares que se encontravam neste aquartelamento.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt