Acesso ao Ensino Superior

Privados dão a volta e já apresentam taxa de desemprego inferior aos públicos

515

Já lá vai o tempo em que as instituições de ensino superior privadas davam menos garantias de emprego que as públicas. A realidade inverteu-se em 2016, mas ainda há instituições com 30% de desemprego.

O Ensino Superior Privado registou uma taxa de desemprego de 5,4%, inferior aos 7,2% registados pelo Ensino Superior Público

Andreia Reisinho Costa

Em 2016, o Ensino Superior Privado registou uma taxa de desemprego de 5,4%, inferior aos 7,2% referentes ao Ensino Superior Público. Este cenário traduz uma alteração completa do panorama da empregabilidade nos últimos três anos, conforme se pode verificar pelos dados divulgados no final de semana pela Direção Geral de Estatísticas do Ensino e Ciência (DGEEC).

Já lá vai o tempo em que um canudo timbrado por uma instituição privada valia menos na hora de procurar trabalho. Os dados referentes a 2016 mostram, inclusive, que há até instituições privadas com emprego absoluto: o Instituto Superior D. Dinis e a Academia Nacional Superior de Orquestra.

Se a análise for mais fina e ao nível dos cursos, há 12 cursos lecionados em instituições privadas com 0% de desemprego. São exemplos disso o curso de Informática no Instituto Superior Miguel Torga, Ciências Aeronáuticas no ISEC Lisboa – Instituto Superior de Educação e Ciências, Engenharia de Produção Industrial, no Instituto Superior D. Dinis e Design no mesmo instituto. E também três cursos de Teologia, da Universidade Católica Portuguesa.

Por outro lado, das 70 instituições para as quais existem dados, 15 apresentam taxas de desemprego na ordem dos dois dígitos. A Escola Superior Artística de Guimarães chega mesmo aos 30%.

Não sendo este um indicador perfeito, uma vez que deixa de fora os desempregados que não se inscrevem em centros de emprego e aqueles que estão a trabalhar em áreas completamente distintas da sua formação, é o único que existe que permite ter alguma noção das garantias de cada curso ao nível da absorção pelo mercado de trabalho.

A primeira fase de candidaturas ao Ensino Superior arranca esta quarta-feira, dia 19 de julho, e prolonga-se até dia 8 de agosto. Os resultados serão conhecidos a 11 de setembro.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mcarrico@observador.pt
Ensino Superior

O que esperar de um licenciado?

Diana Dias
195

Os empregadores são claros a sublinhar a importância da consciência de si e do outro de cada profissional e a valorizar capacidades de trabalho que vão além dos domínios científicos da licenciatura.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site