Ambiente

Associação ambientalista Zero alerta para pior qualidade das águas balneares

A qualidade das águas balneares está pior. É a associação ambientalista Zero que lança o alerta e revela que o número de locais desaconselhados a banhos mais que duplicou relativamente ao ano passado.

LUÍS FORRA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

A associação ambientalista Zero alertou esta sexta-feira para a pior qualidade das águas balneares, havendo este ano, em relação a 2016, mais do dobro de zonas balneares interditadas e praias com banho desaconselhado ou proibido.

Comparando dados oficiais referentes ao final de julho, a Zero nota que em 2016 tinham sido interditadas três zonas balneares no continente, contra sete este ano, e que tinham sido desaconselhados ou proibidos (temporariamente) banhos em oito zonas, sendo que este ano já se registaram 23 casos, envolvendo 16 zonas balneares.

Se forem consideradas as regiões autónomas o número sobe para 30 desaconselhamentos ou proibição de banhos envolvendo 21 zonas balneares, 12 praias costeiras ou de transição e nove interiores. Houve um total de 16 concelhos com praias desaconselhadas para banhos, havendo cinco deles com duas praias (Albufeira, Funchal, Gondomar, Mafra e Porto Moniz), salienta a associação.

E porque proporcionalmente foram afetadas mais praias interiores do que praias costeiras, a Zero entende que as principais causas serão os menores caudais associados à seca e a falta de controlo do tratamento de efluentes de origem doméstica e industrial. Metade das zonas balneares que tiveram desaconselhamento este ano têm a classificação de Excelente, pelo que, nota a associação, deve tratar-se de episódios esporádicos e cujas causas devem ser devidamente averiguadas.

Há zonas balneares que foram recentemente abertas e ainda não têm classificação atribuída e que não deveriam estar a funcionar dada a elevada contaminação que apresentam, como é o caso particular de Alvares no concelho de Góis, onde se registaram cinco recolhas de amostras com elevados valores dos parâmetros que fazem parte da legislação”, afirma-se no comunicado da Zero.

Portugal tem atualmente 601 zonas balneares, 480 costeiras ou de transição e 121 interiores, pelo que os problemas são “relativamente diminutos e esporádicos, afetando apenas cerca de 3,5% do total de zonas balneares”, nota a Zero.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site