Cabelo

8 gestos que não evitam mas diminuem a queda do cabelo

A queda de cabelo sazonal associada à mudança da estação é normal e calha-nos a todos. Mas pode adotar alguns gestos que vão minimizar as suas consequências e fortalecer os fios e o couro cabeludo.

Nas mulheres, principalmente as que têm cabelo comprido, a queda sazonal pode espelhar também uma perda de volume, densidade e uma aparência de cabelo mais fraco.

Andreas Rentz/Getty Images

Autor
  • Helena Magalhães

A queda do cabelo é tão normal no outono quanto a pele seca no verão. A única coisa que podemos fazer é adotar alguns gestos que vão minimizar as suas consequências. Falamos de uma queda ocasional associada à mudança da estação – a queda sazonal – e que pode ser mais ou menos acentuada. Perder entre 50 a 100 fios por dia parece muito mas é mesmo o normal para todas as mulheres. Segundo a American Academy of Dermatology, uma pessoa adulta tem entre 90 mil e 140 mil fios de cabelo. E por cada um dos 50 a 100 fios que caem por dia, vai nascer outro nesse mesmo folículo capilar.

O que acontece nesta altura do ano é que existe uma queda do cabelo sazonal relacionada com a mudança da estação, com os danos que o cabelo sofreu durante o verão, com o stress e com muitas outras causas. Tal como Miguel Trincheiras disse ao Observador noutro artigo, “O cabelo tem um metabolismo próprio e só se despejar um balde de cola na cabeça é que ele não cai.”

Isto para explicar que o cabelo que cai no outono volta a nascer. Mas nas mulheres, principalmente as que têm cabelo comprido, a queda sazonal pode espelhar também uma perda de volume, densidade e uma aparência de cabelo mais fraco. E à medida que envelhecemos, a queda do cabelo torna-se ainda mais drástica porque o nosso próprio cabelo vai perdendo força e a queda sazonal torna-se muito mais visível.

Com isto mente, a única coisa que pode fazer agora — antes que o outono entre a todo o vapor — é adotar algumas medidas preventivas que não anulam mas ajudam a combater a perda acentuada de cabelo. Se não protegeu o seu cabelo durante o verão, eis o que ainda vai a tempo de fazer:

Evitar penteados que puxem ou façam muita pressão na linha do cabelo

Rabos de cavalo apertados, coques no cimo da cabeça (também apertados), tranças e qualquer outro apanhado que puxe a linha do cabelo pode aumentar a queda porque vai fazer demasiada pressão e pode enfraquecer os fios. Se tem mesmo de fazer um rabo de cavalo, opte por elásticos que não tenham qualquer peça de metal e faça tranças e coques baixos.

Dar uma oportunidade aos novos champôs

Falamos daqueles que são sem sulfatos, silicones e parabenos e que fazem uma lavagem mais suave, sem espuma, sem químicos, sem agredir e que, dessa forma, não pesam no couro cabeludo nem deixam os fios propensos a partir. Atualmente já várias marcas têm champôs destes mas pode também experimentar os Low Shampoo (como os de Elvive), os champôs micelares ou a tendência do co-wash que protege o cabelo e faz uma lavagem sem danos.

Ou apostar já em tratamentos específicos

Que é como quem diz munir-se já de produtos especificamente criados para restaurar o crescimento do cabelo, aumentar a densidade, fortalecer os fios e o couro cabeludo, aumentar a sua resistência e, de modo geral, criar massa capilar. Pode optar por champôs, loções, tratamentos tópicos, ampolas… Há para todos os gostos.

Queda de cabelo: 15 tratamentos que lhe vão tirar um peso dos ombros

Controlar o seu frigorífico

Não é para não comer, mas para ter os alimentos certos – ricos em vitaminas e minerais como ferro, zinco, proteínas e vitamina B12 que ajudam a fortalecer o cabelo. Não só agora mas durante todo o ano. Ter uma dieta abundante em legumes de folhas verdes, carnes magras, peixe, fruta, entre outros, vai ajudar a obter os nutrientes que precisamos para manter o cabelo saudável, brilhante e forte.

Fazer uma pausa nas ferramentas quentes

Todo o tipo de calor faz mal ao cabelo porque vai partir a estrutura dos fios (daí que ficamos com o cabelo quebradiço e pontas duplas). Mas claro que isso não significa que temos de abolir para sempre estes pequenos aparelhos milagrosos que deixam o cabelo bonito. Só agora, nesta fase. Outras dicas: não deixe o alisador ou o ferro de ondular durante muito tempo numa madeixa, não tenha a temperatura muito alta (máximo 190º), não as utilize com o cabelo molhado e use sempre produtos protetores de calor porque vão diminuir os danos.

Reforçar os nutrientes que estejam em falta

Os suplementos alimentares são a melhor opção para ajudar a cobrir o que quer que esteja em falta na sua dieta. E lembre-se que muitas carências do corpo vão ter efeitos externos como na pele e no cabelo, daí que seja importante fazer análises e procurar um médico para saber exatamente o que seu corpo precisa. Ainda assim, muitas marcas já vendem fórmulas capilares que vão ter os ingredientes que o corpo precisa para dar um boost de força e vida ao cabelo como Vichy, Viviscal, Rene Furterer e Isdin. Fale com o seu farmacêutico.

Fazer exercício e atividades que promovam o relaxamento

Não imagina como o stress pode contribuir para a queda do cabelo por isso esta é a altura certa para – depois da inércia do verão — voltar a mexer-se. Além do exercício físico ser um antídoto eficaz para o stress, pode também procurar atividades que relaxem como caminhadas, yoga ou meditação.

Experimentar óleos essenciais

Se é uma entusiasta pelas coisas naturais, os óleos essenciais têm muitos benefícios no cabelo. Óleos como cipreste, lavanda ou alecrim têm propriedades regenerativas, calmantes e purificantes que podem fortalecer o couro cabeludo e promover o crescimento do cabelo. E a aplicação é mais simples do que imagina: basta adicionar umas gotas no couro cabeludo e massajar. O site LiveStrong reforça ainda que quando massajamos o couro cabeludo estamos a aumentar o fluxo sanguíneo nos folículos pilosos, a diminui o stress e a fortalecer as raízes do cabelo. Só boas razões para apostar nos óleos e na massagem. Faça à noite e, de manhã, lave o cabelo.

Do que é que o mundo precisa? De óleos

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site