Caso José Sócrates

Sócrates. Casa de Paris também foi arrestada pelo juiz Carlos Alexandre

2.195

Não foram só as casas que Carlos Santos Silva comprou à mãe de Sócrates que foram alvo de arresto pela Justiça. A famosa casa de Paris adquirida pelo alegado testa-de-ferro também.

O juiz Carlos Alexandre determinou o arresto judicial à ordem dos autos da Operação Marquês da famosa casa de Paris formalmente adquirida por Carlos Santos Silva mas que, segundo o Ministério Público (MP), pertence efetivamente a José Sócrates — alegação que é desmentida veementemente pelo ex-primeiro-ministro.

Contando com o imóvel situado na Avenue President Wilson, adquirido por cerca de 3 milhões de euros por Santos Silva e onde José Sócrates chegou a morar entre 2012 e 2014, o Tribunal Central de Instrução Criminal ordenou o arresto de cinco imóveis por os mesmos, de acordo com o MP, pertencerem à “esfera patrimonial” de José Sócrates.

Quatro dessas propriedades foram adquiridas pelo alegado testa-de-ferro do ex-primeiro-ministro, enquanto uma herdade no Alentejo foi formalmente comprada por Sofia Fava, ex-mulher de Sócrates. A notícia destes quatro arrestos foi dada pelo Expresso no último fim-de-semana, que não refere a casa de Paris.

Segundo o despacho do Tribunal Central de Instrução Criminal de 28 de setembro, que se encontra depositado na Conservatória do Registo Predial de Lisboa e foi consultado pelo Observador, a aquisição dos cinco imóveis “visaram (…) proporcionar uma utilização e acréscimo patrimonial na esfera do arguido José Sócrates”, como foi o “caso da aquisição de um imóvel em Paris (…)”.

Sócrates: arresto de bens do Ministério Público “é uma vergonha”

Assim, o juiz Carlos Alexandre determinou o arresto de três lotes que fazem parte do imóvel da Avenue President Wilson, localizado no 16.º bairro de Paris e com entrada pela rue Fresnel, n.º 2: um apartamento de seis assoalhadas com mais de 200 m2 e duas caves.

O 16.º bairro de Paris, também conhecido por quarteirão de Passy, é um dos mais exclusivos e centrais da capital francesa — sendo a Avenue Presidente Wilson uma das suas principais vias. Situado na margem direita do rio Sena (muito perto da Torre Eiffel), conhecido pelas suas lojas de marcas de luxo e pelo jardins do Trocadéro, o bairro de Passy tem tradicionalmente um dos preços por m2 mais caros da cidade para aquisição de habitação. Razão pela qual costuma ser uma zona onde habitam, segundo o correspondente do Expresso em Paris, príncipes árabes, homens de negócios com fortuna, diplomatas ou gestores de topo das maiores empresas a operar em França.

A ordem judicial de arresto assinada por Alexandre foi enviada para a Procuradoria-Geral da República (PGR) para posterior tradução e deverá ser enviada para a congénere francesa da PGR para posterior promoção e execução por parte de um tribunal de Paris.

Segundo a promoção da equipa do procurador Rosário Teixeira realizada junto do juiz Carlos Alexandre, também a aquisição de uma herdade localizada na freguesia de São Cristóvão, concelho de Montemor-o-Novo, por parte de Sofia Fava visou “proporcionar uma utilização e acréscimo patrimonial na esfera do arguido José Sócrates”. Tudo porque o imóvel foi adquirido por cerca de 760 mil euros em 2012 com recurso a um empréstimo bancário do Banco Espírito Santo que foi avalizado por Carlos Santos Silva e que era alegadamente pago com fundos oriundos de uma avença mensal proporcionada pelo empresário da Covilhã a Fava. Ou seja, os fundos utilizados para financiar a aquisição do Monte das Margaridas foram sempre alegadamente transmitidos por Santos Silva — o que, na ótica do MP, significa que a transmissão dos mesmos foi ordenada por José Sócrates.

Carlos Santos Silva terá financiado monte de Sofia Fava, a ex-mulher de Sócrates

Os outros imóveis

Os restantes três imóveis são apartamentos adquiridos por Carlos Santos Silva a Maria Adelaide Monteiro, mãe de José Sócrates. De acordo com a promoção do MP, tais operações terão sido simuladas com o objetivo de servirem de “justificativo para a colocação de fundos na conta bancária de Maria Adelaide Monteiro, titular dos imóveis vendidos, mãe do arguido José Sócrates, de onde o mesmo [José Sócrates] os fez transferir para a sua conta bancária”.

Os imóveis em causa — dois modestos apartamentos localizados no Cacém (concelho de Sintra) e um terceiro localizado no empreendimento Heron Castilho (onde Sócrates também teve um andar), no centro de Lisboa — foram adquiridos por Carlos Santos Silva por um total de cerca de 775 mil euros à mãe de Sócrates, tendo Maria Adelaide Monteiro transferido, pelo menos, cerca de 450 mil euros para a conta que José Sócrates tinha na Caixa Geral de Depósitos.

Segundo o despacho do Tribunal Central de Instrução Criminal, que cita a promoção do MP, “todos os imóveis foram adquiridos por Carlos Santos Silva através de mobilização de quantias” que se encontravam nas duas contas que o alegado testa-de-ferro abriu em seu nome no BES. Foram estas duas contas no BES que receberam em 2010 e em 2011 os cerca de 23 milhões de euros que Carlos Santos Silva tinha na Suíça — montante este que terá sido reunido pelo empresário, sustenta o MP, em nome de José Sócrates e através de transferências provenientes do Grupo Espírito Santo e do Grupo Lena que corresponderiam ao pagamento de alegados subornos do ex-primeiro-ministro.

Esta tese da equipa do procurador Rosário Teixeira teve a adesão do juiz Carlos Alexandre que determinou o arresto dos bens por considerar que estavam cumpridos os requisitos exigidos pela lei, “a probabilidade da existência do crédito” e “o justo receio da perda da garantia patrimonial”.

Por isso mesmo, e “de modo a acautelar que a vantagem da atividade criminosa aqui em investigação, assim como as garantias de pagamento de eventuais penas pecuniárias e outros créditos, se dissipem”, o magistrado do Tribunal Central de Investigação Criminal ordenou o arresto à ordem dos autos da Operação Marquês dos cinco imóveis referidos para “garantia do pagamento do valor de, pelo menos, 19,5 milhões de euros, em sede de IRS e juros não entregues ao Estado pelo arguido José Sócrates, ou perda de vantagens do crime no montante de, pelo menos, 32 milhões de euros, conforme vier a ser apurado em sede de decisão final“, lê-se no despacho judicial que foi executado pelo Gabinete de Recuperação de Ativos da Polícia Judiciária no dia 2 de outubro. Entenda-se por decisão final uma eventual condenação decidida por um tribunal de primeira instância com trânsito em julgado.

Sócrates poderá ter de pagar 18 milhões de euros em impostos

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: lrosa@observador.pt
Caso José Sócrates

Quid custodiet custodiam?

Luís Ribeiro

Agora que o puzzle está claro, quanto será reaberto o inquérito ao crime contra o Estado de Direito para conhecermos a cumplicidade dos que então eram os mais altos responsáveis da Justiça portuguesa?

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site