Angola

Funcionários do fisco angolano detidos por suspeita de desvio de dinheiro dos impostos

209

O Serviço de Investigação Criminal angolano deteve até ao momento cinco funcionários da Administração-Geral Tributária por suspeitas de desvio de receitas da cobrança de impostos.

O desvio foi na ordem dos 865 mil euros

Autor
  • Agência Lusa

O Serviço de Investigação Criminal angolano deteve até ao momento cinco funcionários da Administração-Geral Tributária (AGT) por suspeitas de desvio de receitas da cobrança de impostos a empresas importadoras,.

A investigação, segundo fonte daquela força policial citada pela imprensa estatal angolana, terá começado há cinco meses, após denúncia ao Ministério Público relatando o funcionamento de uma rede que negociaria a cobrança de impostos, reduzindo os valores a pagar pelas empresas e desviando outra parte.

Em causa estarão impostos devidos nomeadamente por empresas que importam bens de primeira necessidade para Angola, com a imprensa a relatar um alegado desvio, por esta rede, de 170 milhões de kwanzas (865 mil euros).

O Ministério das Finanças de Angola anunciou em comunicado a exoneração de Nikolas Neto, um dos administradores da AGT, acrescentando ter desencadeado diligências internas para impedir o desvio de verbas do Estado.

A decisão de exoneração, tomada pelo ministro das Finanças, Archer Mangueira, surge numa altura em que alguma comunicação social angolana relata a investigação judicial a Nikolas Neto, que tem os pelouros da Direção de Tributação Especial, Direção Técnica e o Gabinete de Comunicação Institucional, por alegado desvio de verbas da AGT.

A Lusa tentou confirmar junto da Procuradoria-Geral da República de Angola a existência desta investigação e eventuais detenções no âmbito do mesmo processo, mas sem sucesso até ao momento.

Embora sem apontar diretamente os motivos da exoneração de Nikolas Neto, o comunicado sobre o “ajustamento do conselho de administração” da AGT refere que, em coordenação com as autoridades de investigação, aquela instituição “tem vindo a desencadear diligências internas para a proteção dos direitos dos contribuintes, impedir o descaminho de tributos devidos ao Estado e moralizar a instituição”.

A AGT mantém a “plenitude das suas competências legais e estatutárias” e assegura a normalidade de todos os procedimentos, refere igualmente.

O conselho de administração da AGT é presidido por Sílvio Burity e conta ainda com os administradores Conceição Matos, José Dungo e Hermenegildo Gaspar.

A 26 de setembro, no discurso de tomada de posse, o novo Presidente angolano, João Lourenço, prometeu que o combate ao crime económico e à corrupção será uma “importante frente de luta” e a “ter seriamente em conta” no mandato de cinco anos que agora inicia.

A corrupção e a impunidade têm um impacto negativo direto na capacidade do Estado e dos seus agentes executarem qualquer programa de governação. Exorto por isso todo o nosso povo a trabalhar em conjunto para estripar esse mal que ameaça seriamente os alicerces da nossa sociedade”, afirmou João Lourenço, gerando uma forte ovação popular.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site