Catalunha

Puigdemont está na Bélgica, prevê-se pedido de asilo político

3.157

O presidente destituído do governo catalão, Carles Puigdemont, viajou para Bruxelas para se reunir com independentistas flamengos. Prevê-se que vá pedir asilo político.

Robin Townsend/EPA

Autores
  • Agência Lusa

O presidente destituído do governo catalão, Carles Puigdemont, viajou para Bruxelas, capital belga, revelaram esta segunda-feira fontes oficiais do Governo espanhol.

A informação, avançada pelas agências noticiosas Efe e Associated Press, foi confirmada uma hora depois de o procurador-geral, José Manuel Maza, ter anunciado a acusação contra os principais membros do governo catalão por rebelião, sedição e fraude e contra a presidente do Parlamento regional e os membros da mesa que processaram a declaração de independência.

Segundo o jornal espanhol La Vanguardia, além de Puigdemont, encontram-se também na Bélgica “outros membros do Governo destituído”.

O jornal catalão El Periódico noticia que Puigdemont e cinco ex-membros do já cessado governo catalão estão em Bruxelas para se reunir com independentistas flamengos do partido nacionalista N-VA. A deslocação de Puigdemont, de acordo com o mesmo jornal, foi organizada por Amadeu Altajaf, agora ex-delegado da Generalitat – governo catalão.

Com Puigdemont estarão a ex-conselheira Meritxell Borràs; Toni Comín, ex-ministro da Saúde; Dolors Bassa, ex-ministra do Trabalho e Assuntos Sociais; Joaquim Form, ex-ministro do Interior; e um outro quinto membro.

O secretário de Estado para o Asilo e Migração, Theo Francken, do N-VA, disse no domingo, dia 29, que Puigdemont poderia solicitar asílio político na Bélgica. Contudo, o primeiro-ministro belga demarcou-se das declarações de Francken.

De acordo com o El Periódico, fontes do Ministro do Interior espanhol asseguram que não estão “preocupados” com a viagem de Puigdemont a Bruxelas. O coordenador-geral do PP, Fernando Martínez-Maillo, considera a visita do ex-presidente do governo catalão “uma mostra do mais absoluto desespero”, dizendo ainda que “Puigdemont tem liberdade de movimentos para ir a Bruxelas… e voltar”.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Governo

Catalunha em S. Bento

Luís Reis
360

O desprezo que o Governo vota à Economia, às empresas e empresários, é uma constante e tornou-se gritante. Não incentiva o investimento, não dá sinais positivos de estabilidade e ufana-se de migalhas.

Estado

O Estado e a verdade

Rui Ramos

Este é um Estado que teve seis anos José Sócrates à frente do governo, carregado de suspeitas de corrupção, mentira e conspiração contra o Estado de direito – e nada fez para esclarecer as dúvidas.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site