Offshores

FC Porto. Héctor Herrera e Diego Reyes citados no caso dos Paradise Papers

Héctor Herrera e Diego Reyes, internacionais mexicanos do FC Porto, são os dois últimos nomes citados no caso dos Paradise Papers, por terem alegadamente aberto empresas de fachada em Malta.

Herrera e o compatriota mexicano Diego Reyes terão aberto empresas em Malta no ano de 2014

AFP/Getty Images

Héctor Herrera e Diego Reyes, internacionais mexicanos que atuam no FC Porto, foram os dois últimos nomes citados no mediático caso dos Paradise Papers, de acordo com a investigação feita por um Consórcio Internacional de Jornalistas de Investigação após uma fuga de informação do Süddeutsche Zeitung do qual faz parte o Expresso.

Paradise Papers. Nova investigação expõe políticos, celebridades e até a rainha de Inglaterra

Segundo o trabalho, os dois jogadores terão aberto uma estrutura com duas empresas em Malta (uma que servia somente para ser acionista da outra) para onde conduziam os pagamentos referentes a direitos de imagem, taxados a 5% naquele que é o mais baixo regime fiscal da Europa, apesar de se terem tornado residentes fiscais em Portugal a partir de 2014.

Diego Reyes, central agora convertido em médio defensivo que assinou pelo FC Porto em 2013 vindo do América (esteve emprestado nas últimas duas temporadas à Real Sociedad e ao Espanyol), terá aberto em junho de 2014 a Nemo Limited e a Pelon Investments Limited, que explora “direitos de propriedade intelectual de qualquer tipo, em particular de direitos associados a profissionais de desporto”. Até 2015, a empresa faturou 466 mil euros.

Como refere o Expresso, “a Pelon Investments pagou 35% de taxa de imposto às autoridades fiscais do país sobre os 452 mil euros de lucros declarados, mas 85% do imposto foi devolvido ao acionista da empresa”. Ou seja, à Nemo Limited. Ou seja, a Diego Reyes.

Também Herrera, médio e atual capitão dos dragões contratado em 2013 ao Pachuca, terá aberto duas empresas com o mesmo modelo (a Herrera Holdings Limited e a Herrera Management Limited) em fevereiro de 2014, embora ainda não tenha apresentado qualquer relatório e contas no registo comercial.

“Os contratos celebrados entre o FC Porto e os jogadores do plantel profissional são confidenciais, pelo que não podemos prestar qualquer tipo de informação”, comentou ao jornal Francisco J. Marques, diretor de comunicação do FC Porto.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site