Os seus créditos pessoais estão a pesar? Reduza a taxa através da consolidação

02 Novembro 2017

Se tem créditos com mais de dois anos, renegoceie. Em vez de continuar a pagar até 27%, consegue reduzir a taxa de juro efetiva para menos de 10% por ano. Comece a busca pelo Banco BPI e Novo Banco.

A queda das taxas de juro abriu uma oportunidade para quem deve dinheiro à banca. Ao consolidar todos os créditos num único mais barato, é possível baixar substancialmente os encargos mensais ou, mantendo o montante, reduzir o prazo da dívida.

Imagine uma família com dois créditos ao consumo:

  1. Um, de 20 mil euros a 8 anos para a aquisição de carro novo há 5 anos, tem uma taxa de juro de 12,5%;
  2. O outro, de 10 mil euros a 5 anos contratado há 2 anos para financiar a remodelação da casa (eletrodomésticos e mobília), tem uma taxa de juro de 13,5%.

Nesta altura, a família tem uma dívida de 16.662 euros com um prazo remanescente de 3 anos. As prestações mensais somam 561 euros, excluindo impostos e outros encargos. E se saldar estas dívidas contratando um novo crédito?

As taxas de juro cobradas agora pela banca variam entre 4% e 12% nos créditos pessoais, mostram os preçários das instituições financeiras. Todavia, as taxas mais baixas estão reservadas aos clientes que dão garantidas no empréstimo, como o penhor de aplicações financeiras ou fiadores. No entanto, como se mostra mais à frente, mesmo sem garantias, é possível contratar taxas perto de 7%.

Ao trocar os dois créditos anteriores por um novo à taxa de 7%, a família ficaria a pagar uma prestação mensal de 514 euros durante 3 anos, menos 8,4% do que paga agora. Se estiver com restrições financeiras, é possível ficar a pagar menos todos os meses através da extensão do prazo para 5 anos (330 euros por mês) ou, mesmo, 8 anos (227 euros). Todavia, se não tiver dificuldade em pagar 561 euros, pode reduzir o prazo da dívida em um trimestre — para 2 anos e 9 meses — para permanecer com o mesmo encargo mensal.

Na prática, a poupança poderia ser superior, porque os cálculos anteriores não incluem todos os encargos dos financiamentos antigos, como as comissões de processamento de prestações e os impostos. Porém, há outros custos que poderiam reduzir a poupança obtida com a consolidação de créditos, como as comissões iniciais do novo empréstimo e os custos de reembolso antecipado das dívidas anteriores.

TAEG para comparações honestas

Se procura um crédito para consolidar as suas dívidas, compare as suas alternativas recorrendo à taxa anual de encargos efetiva global (TAEG). Além dos juros e das amortizações do capital em dívida, esta taxa tem em conta outros custos associados ao contrato do crédito, como comissões e impostos.

A pedido do Observador, o ComparaJá, o portal de informação e comparação de produtos financeiros, procurou junto da banca portuguesa as soluções de crédito que mais permitem poupar através da consolidação. No primeiro caso, dum consumidor que quer juntar dez mil euros de dívidas, o Novo Banco tem a melhor proposta: uma taxa de juro nominal de 6,95%. Após a contabilização do encargo de documentação e das comissões de liquidação das prestações, a TAEG fica em 10,5%.

Consolidar 10 mil euros a 5 anos
Um consumidor de 35 anos, solteiro, com um rendimento mensal de 1.000 euros quer consolidar 10 mil euros em créditos espalhados por várias entidades. O objetivo é pagar o novo crédito em 60 meses. Não tem outras dívidas.
Instituição Tipo de crédito Prestação mensal TAEG Montante total imputado ao cliente
Novo Banco Crédito pessoal 202,73€ 10,5% 12.625,83€
Cetelem Crédito consolidado 226,32€ 11,2% 12.888,00€
Banco BPI Crédito pessoal 199,34€ 11,3% 12.868,60€
Santander Totta Crédito consolidado 223,00€ 12,7% 13.363,00€
Millennium bcp Crédito pessoal 201,81€ 13,5% 13.443,84€
Caixa Geral de Depósitos Crédito pessoal multifuncionalidade 227,00€ 13,6% 13.609,00€
Unibanco Crédito pessoal 224,13€ 13,8% 13.598,41€
Cofidis Crédito consolidado 243,62€ 13,8% 13.611,00€
Fonte: ComparaJá a 16 de outubro de 2017. TAEG = taxa anual de encargos efetiva global.

O Banco de Portugal calcula trimestralmente a TAEG máxima que as instituições financeiras podem cobrar nos créditos ao consumo. A Cofidis e o Unibanco atribuem a taxa máxima, que está atualmente em 13,8% para a maioria dos créditos pessoais. A opção pela Cofidis em vez do Novo Banco representa mais 985,17 euros de encargos ao longo dos cinco anos do empréstimo.

A taxa máxima de 13,8% na maioria dos créditos pessoais (exclui os que se destinam a financiar educação, saúde, energias renováveis e locação financeira de equipamentos) está em cerca de metade do nível máximo que estava em vigor no primeiro trimestre de 2013, de 27,5%.

No segundo caso simulado pelo ComparaJá para o Observador, o casal de consumidores hipotéticos necessita de 15 mil euros a 8 anos para absorver vários créditos. Nesta situação, o Banco BPI tem a melhor proposta: uma TAEG de 10,3%, que resulta de uma taxa nominal de 7% acrescida das comissões de abertura de crédito, o prémio do seguro de vida obrigatório para um titular, a comissão de manutenção da conta à ordem e os impostos.

Consolidar 15 mil euros a 8 anos
Um casal de 40 anos com um rendimento mensal de 1.800 euros quer consolidar 15 mil euros de dívidas de modo a pagar o novo crédito em 96 meses. Além dos créditos a consolidar, pagam uma prestação de 465 euros pelo seu crédito à habitação.
Instituição Tipo de crédito Prestação mensal TAEG Montante total imputado ao cliente
Banco BPI Crédito pessoal 206,60€ 10,3% 21.462,84€
Cetelem Crédito consolidado 248,94€ 11,2% 22.250,28€
Santander Totta Crédito consolidado 236,00€ 11,7% 22.687,00€
Millennium bcp Crédito pessoal 208,56€ 12,3% 22.831,08€
Cofidis Crédito consolidado 272,45€ 13,7% 24.010,92€
Caixa Geral de Depósitos Crédito pessoal multifinalidade 252,00€ 13,7% 24.149,00€
Fonte: ComparaJá a 16 de outubro de 2017. TAEG = taxa anual de encargos efetiva global.

Neste segundo caso, a seleção do crédito com a prestação mensal mais baixa (206,60 euros no Banco BPI) permite poupar mais de 18% por mês face ao encargo mensal mais elevado (252 euros na Caixa Geral de Depósitos).

O setor financeiro português concedeu 333 milhões de euros em crédito ao consumo por cada um dos oito primeiros meses de 2017. “Há a perceção de que há muito crédito novo, mas uma grande parte é para consolidação de créditos. Muitas vezes, [a dívida] passa apenas de uma instituição para outra”, alerta Sérgio Pereira, diretor-geral do ComparaJá. “O crédito deveria ser o óleo da economia, mas não está a ser.”

No terceiro caso simulado, de um casal de quer consolidar 20 mil euros a pagar em seis anos, o Novo Banco é também a instituição com a proposta mais económica, ao indicar uma TAEG de 9,7%.

Consolidar 20 mil euros a 6 anos
Um casal de 45 anos com um rendimento mensal de 2.200 euros quer consolidar 20 mil euros em dívidas para pagar num prazo de 72 meses. Além desses créditos, pagam uma prestação mensal de 392 euros pelo seu crédito à habitação.
Instituição Tipo de crédito Prestação mensal TAEG Montante total imputado ao cliente
Novo Banco Crédito pessoal 346,81€ 9,7% 25.894,69€
Banco BPI Crédito pessoal 343,68€ 10,5% 26.428,88€
Cetelem Crédito consolidado 403,31€ 11,6% 27.296,40€
Santander Totta Crédito consolidado 385,00€ 12,0% 27.686,00€
Millennium bcp Crédito pessoal 346,19€ 12,3% 27.597,60€
Cofidis Crédito consolidado 416,29€ 12,3% 27.804,00€
Caixa Geral de Depósitos Crédito pessoal multifuncionalidade 395,00€ 13,2% 28.469,00€
Unibanco Crédito pessoal 395,57€ 13,8% 28.781,99€
Fonte: ComparaJá a 16 de outubro de 2017. TAEG = taxa anual de encargos efetiva global.

Apesar de concordar que pode ser uma boa ideia para quem quer baixar os custos dos seus créditos pessoais, Sérgio Pereira avisa que nem sempre é possível concretizar a consolidação de dívidas. “Ainda é bastante difícil obter crédito pessoal. Há duas razões: a taxa máxima [imposta pelo Banco de Portugal] que limita o negócio e a falta de informação disponível sobre quem procura crédito”, explica.

Se não tentar a consolidação, nunca saberá se conseguirá aproveitar a queda das taxas de juro. O importante é simular o impacto financeiro dessa consolidação — sozinho ou com ajuda de um serviço como o ComparaJá.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: dalmas@observador.pt

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site