Caixa Geral de Depósitos

“Lesados da Caixa” somos todos nós. E temos o direito de saber

Autor
1.108

Para uma parte da classe política, dar satisfações aos contribuintes através de uma CPI à Caixa é “lavar roupa suja” e fazer “chicana política”. É esta a noção que têm de si próprios e do Parlamento?

É deprimente e preocupante assistir ao espectáculo que a generalidade da classe política está a dar a propósito da Caixa Geral de Depósitos.

Uns, do PSD, porque só agora descobriram que é importante saber porque é que a Caixa Geral de Depósitos levou quase 3.000 milhões de euros dos contribuintes em 10 anos e agora se prepara para levar mais uns milhões. Quatro mil, de acordo com as notícias. Nos últimos cinco anos não lhes ocorreu pedir uma auditoria ao banco?

Outros, da esquerda à direita, deputados ou responsáveis partidários no activo ou na reforma, acham que é uma perda de tempo averiguar o que se passou no banco do Estado que justifique tal consumo de dinheiro dos contribuintes. Pior: acham que isso pode pôr em causa a reputação da Caixa e que uma Comissão Parlamentar de Inquérito não servirá para mais nada do que “lavar roupa suja” e fazer “chicana política”.

É fantástico defender que a reputação de uma entidade pública depende do secretismo que se consiga manter sobre a sua gestão e operações. Só este receio, vindo de quem já tutelou o banco — Manuela Ferreira Leite ou Bagão Félix, por exemplo –, faz-nos prever o pior: o que escondem as paredes da Caixa cujo conhecimento público pode ameaçar o seu bom nome?

Repare-se que, tanto quanto se sabe, não está em causa o apuramento de nenhum “buraco” desconhecido nas contas do banco. A factura já está calculada, as necessidades de capital estarão apuradas e as negociações com Bruxelas para aprovar a operação estão em curso. A haver algum sobressalto no banco ou no sistema bancário ele teria acontecido quando foram reveladas as necessidades da Caixa — de resto, não desmentidas nem confirmadas por Governo, Banco de Portugal ou administração. Os mercados já fazem inclusivamente contas ao possível impacto na dívida pública. Qual é, então, o receio já que não está em causa a existência de recurso para capitalizar devidamente o banco?

Os “lesados da Caixa”, que são todos os contribuintes, já têm a noção da sua factura. O mínimo que os órgãos do Estado lhes devem agora é explicar os parciais que fazem a soma apurada.

Mas, para uma parte importante da classe política, dar esse mínimo de satisfações aos contribuintes é “lavar roupa suja” e fazer “chicana política”. É esta a noção que muitos parlamentares têm de si próprios e dos trabalhos das suas comissões? Lá saberão porquê.

Talvez se recordem da fraqueza que foi a CPI do BPN, onde acabaram numa madrugada em galhofa amena com Oliveira e Costa, num tom mais de conversa de café do que de Comissão Parlamentar de Inquérito.

Ou então devem ter a memória fresca, porque aconteceu há poucas semanas, da abjecta “caça à fonte de informação” que fizeram a propósito da notícia da TVI sobre o Banif. Se suspeitam que houve órgãos do Estado que não cumpriram devidamente o seu dever de reserva de informação e permitiram fugas é a estes que devem questionar, não os jornalistas que fazem o seu trabalho. Este deve ser obviamente escrutinado mas pelos órgãos competentes e independentes, que vão da ERC aos tribunais. Mal de nós quando órgãos políticos chamam a si directamente a sindicância e o escrutínio do trabalho editorial, por pior que este seja.

Mas podem, em contrapartida, recordar a CPI do BES/GES, que foi digna, esclarecedora, com conclusões significativas e propostas de legislação e regulação a ter em conta. Quando querem, os deputados sabem dignificar o seu trabalho e a sua função. Lamenta-se é que nem sempre o queiram. O que impede que uma CPI à Caixa possa correr de um modo semelhante? Tenho uma hipótese como resposta. No caso do BES/GES, a responsabilidade pelos actos de gestão era essencialmente privada. Havia, quanto muito, falhas na supervisão do Banco de Portugal, que foram devidamente exploradas, e bem, durante as inquirições.

No caso da Caixa é diferente. A responsabilidade pelos actos de gestão são exclusivamente públicos. Directa ou indirectamente, os responsáveis do bom e do mau que por lá se passou são membros de governos ou administradores por estes nomeados. E aqui os partidos implicados são três: PS, PSD e CDS. Por mais conveniente que fosse passar uma esponja sobre esse passado, o apuramento de responsabilidades políticas não é apenas um detalhe: é uma obrigação numa democracia que se quer decente.

Mas esse apuramento de responsabilidades não é exclusivamente político. Nem uma CPI tem os meios, legais ou materiais, para um trabalho de auditoria que será sempre complexo. Paralemente, o que tem que ser feito na Caixa – tardiamente, mas mais vale tarde do que nunca – é uma auditoria aos negócios que provocaram perdas ou levaram à constituição da carteira de malparado do banco. Muitos destes montantes foram provocados pela crise? É verdade. Que se separe então o que foi motivado pela conjuntura económica adversa e o que resultou de decisões políticas. É também para isso que servirá esse trabalho de investigação e análise, com as conclusões devidamente enviadas para os órgãos judiciais.

É o mínimo de respeito que os contribuintes merecem. E que as instituições públicas, a começar pelo Parlamento, devem a si próprias.

Jornalista, pauloferreira1967@gmail.com

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Orçamento do Estado

Afinal havia outro (orçamento)

Paulo Ferreira
2.412

O governo pretendeu manipular a discussão do OE2017. Para isso, serviu-se da esperteza de ganhar alguns dias sem os números reais, para que pudesse contar a sua história baseada em números falseados

Orçamento do Estado

Tributação com sal q.b.

Susana Claro

Quando se atingem níveis de tributação em que os impostos indiretos são responsáveis por metade do preço de venda dos produtos, há que indagar se não estará na altura de decidir que Estado queremos.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site