Crónica

O Matuto vai ao Barbeiro

Autor
  • Filipe Samuel Nunes
167

O Barbeiro deu o serviço por terminado com umas toalhas quentes embebidas em álcool. E o Matuto ponderou na ironia: Ele só queria cortar o cabelo. Mas as toalhas e o álcool intrometeram-se.

matuto = diz-se de quem vive no mato e a quem falta traquejo social; caipira; matreiro.
O verbo matutar, todavia, significa meditar ou ponderar.

O Matuto precisava cortar o cabelo. Num gesto furtivo passou a mão pela guedelha. Sem dúvida. O Matuto sempre achara que a relação dum homem com a sua melena era algo de primitivo. Tipo, as pinturas rupestres… O Matuto atirou-se a pensar nisso. Era uma relação que tinha a ver com uma certa generosidade. Sim, porque o cabelo deve ser das poucas coisas que o ser humano ostenta, exibe… Aquele gesto desplicente de passar os dedos pelas madeixas, como se fossem praias de ternura. Aquele cuidado com a grenha num prazer-fora que dá conteúdo ao prazer-dentro numa desenvoltura trémula… O Matuto ficou-se. Cortar o cabelo era preciso. Urgente! Premente!

Aí o Matuto deu-se conta da dificuldade da tarefa. Na cidade, interior do Estado de São Paulo, onde o Matuto vive há muitas barbearias. Na verdade, existe uma invasão de “barbearias gourmet”. O Matuto fica de cara à banda com tanta diversidade e criatividade. Sim, porque o Matuto está a par das últimas. “Up-dated” – é assim que se diz agora. O Matuto googlou o que precisava… Existe, por exemplo, a Barbearia Vitello (com dois “élles”, por gentileza!). No seu site o Matuto leu a informação essencial: “Quem passa pela Vitello busca mudança. Seja para testar um novo corte de cabelo, seja para valorizar seu estilo ou mudar o clima do dia com um bom bate papo”. Bom, o Matuto não queria mudar nada. Só queria cortar o cabelo. O Matuto continuou lendo. Ficou com a cara ainda mais à banda quando percebeu que a barbearia oferecia uma escolha de “suculentos burgers e cervejas artesanais” que eram “uma desculpa perfeita para esticar o horário da barba”. O Matuto sentiu-se um gentleman Inglês: Sploit for choice! E aí o Matuto viu as fotos. Homens de juba farta com ar de lenhadores russos que emborcam vodka como quem respira. Impressionante! Mas, o Matuto só queria cortar o cabelo.

O Matuto continuou. A lista era enorme… Barber shops. Que chique! Será que terá de comunicar em Inglês!? O Matuto refresca mentalmente o seu Inglês. Dá para o gasto – I’ll manage! É a “Barbearia Fillipo”, a “Bunittas”, “Barbearia duu Bigode”, “Barbearia Pappito”, “Styllu’s Barbearia”, “Vikings Barbearia, etc. A lista era imensa e a predominância das consoantes duplas evidente. O Matuto sentiu a cabeça andar à roda com tanta informação. Algumas barbearias oferecem “toalha quente e cerveja gelada” (será por esta ordem?), outras “cerveja e o velho rock and roll, e toalhas cheirosas”, outras ainda oferecem “um ambiente 100% masculino”. O Matuto não gostou da ideia. Porquê tanto homem? E que mariquice era essa das toalhas!? E cerveja para quê? O Matuto, ou ia numa bar-bearia ou num bar! E aí vinham os nomes. Um campeonato à parte. Havia desde o macho “Black Barba” à Al Caponesca “Mafia da Navalha” (que medo!), passando pela plácida “Confraria da Barba” e terminando na esotérica “Espaço Alpha – Barbearia Premium”.

O Matuto sentiu-se cansado de tanta opção. Desistiu. Pediu socorro. Um amigo gentil indicou: “Vai no Dailton. É simples e perto da tua casa”. Certo. No dia combinado o Matuto dá uso sábio às suas pernas e sobe a rua. Desemboca numa pracinha. Os últimos dias de Agosto. Há um leve cheiro de flores no ar. Na cidade onde o Matuto vive, as árvores Ipês florescem em Agosto. É uma sinfonia de cor. As Ipês rosa florescem nos primeiros dias de Agosto. Nos últimos dias de Agosto é a vez das Ipês amarelas e brancas. O Matuto espanta-se: Como será o mistério das flores? Numa esquina da praça, a barbearia. Ausência de publicidade. Só umas portadas generosamente abertas para abraçar as Ipês. O Sr. Dailton, octogenário de cabelo hirsuto, indica a cadeira de barbeiro. O Matuto instala-se. Começa o delírio das “kachinkas” das tesouras. Norte e sul, passando por todos os paralelos e meridianos, o Sr. Dailton arrasa o pelo do Matuto. De repente, sobre o som das “kachinkas” ouve-se um retinir de telefone. O Matuto estica o pescoço a medo, mas não vê telefone nenhum. “Só um minuto” – diz o Sr. Dailton. Papel e lápis na mão o homem corre para a frente da barbearia. O Matuto vê-o enganchar o pescoço num orelhão (telefone público). “Barbeiro” – anuncia a voz de tenor. Acertados os detalhes com o cliente virtual o Sr. Dailton volta e retoma o corte de cabelo do Matuto. “Kachinka” – faz a tesoura na mão esquerda, “kachinka” – responde a tesoura da mão direita. O Matuto arrisca a pergunta: “O Sr. Dailton não tem telefone?” A resposta vem pura: “Não preciso! O orelhão é aqui na frente da barbearia. E celular é perda de tempo. É como as novelas da Globo. Só tem bobeira!” O Matuto ficou a matutar na inteireza da coisa. Fazia sentido. O Barbeiro deu o serviço por terminado com umas toalhas quentes embebidas em álcool. E o Matuto ponderou na ironia: Ele só queria cortar o cabelo. Mas as toalhas e o álcool intrometeram-se.

Professor de Inglês, vive no Brasil há 9 anos

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Crónica

Tire o verbo odiar do seu vocabulário

Ruth Manus
1.693

As pessoas passaram a identificar-se mais pelos seus sentimentos negativos do que pelos positivos. É como se odiar ou não suportar coisas lhes desse mais credibilidade do que amar ou gostar de algo.

Crónica

Ano novo vida velha

Paulo de Almeida Sande

Ao desejar bom Ano não prometer. A vida é o tempo que passa e não contempla fronteiras, de calendário ou outras. A vida é só que o fazemos dela, seja qual for o dia.

Crónica

Crónica de Natal: Acantologia da minha avó

Paulo de Almeida Sande

Somos invejosos, chico-espertos, estrangeirófilos, somos de brandos costumes, timoratos, dados a excessos e ao remorso deles, somos simpáticos, acolhedores, imaginativos, desenrascados.

Crónica

Manifesto pelo direito de não gostar do natal

Ruth Manus
16.898

O natal acabou por virar uma data muito mais de organização e de planejamento do que de afeto. Sim, é bom estar com a família. Mas prefiro fazer isso num domingo normal, sem prazos nem presentes.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site