Logo Observador
Holocausto

Pio XII, o Papa dos judeus

Autor
407

Durante a perseguição nazi contra os judeus, o Padre Joaquim Carreira, então reitor do Pontifício Colégio Português, em Roma, tudo fez para os defender, seguindo o exemplo do Papa Pio XII.

No dia 30 de Maio passado, o Pontifício Colégio Português, em Roma, que aloja os padres lusitanos que, na cidade eterna, aprofundam a sua formação teológica, foi condecorado com a mais honrosa distinção concedida a instituições que, durante o regime nazi, protegeram judeus. Era então reitor dessa instituição, agora agraciada pela Fundação Raoul Wallenberg com o título de ‘Casa da Vida’, monsenhor Joaquim Carreira, que já foi declarado Justo entre as Nações, pelo Museu do Holocausto, em Jerusalém. O Padre Carreira não só pôs em risco a sua própria vida como também a de toda a comunidade de sacerdotes e seminaristas que então vivia no Colégio Português, para salvar outras vidas, nomeadamente a dos judeus que aí foram acolhidos.

A cerimónia, a que presidiu o cardeal patriarca de Lisboa, D. Manuel Clemente, presidente da Conferência Episcopal Portuguesa, contou com a presença de Ruth Dureghello, presidente da Comunidade Hebraica de Roma, e do último refugiado ainda vivo, o socialista Dr. Luigi Priolo, que foi secretário-geral do senado italiano e que, sendo maçon, obviamente não é católico. Segundo o actual reitor, Priolo, que na altura era um jovem filho de um opositor do regime fascista italiano e, por isso, tinha a cabeça a prémio, tem muita estima pelo Colégio Português, porque sabe que lhe deve a vida. Há um mês e meio morreu outro dos protegidos pelo P. Joaquim Carreira, cuja filha declarou: “Nós devemos a nossa vida ao Colégio Português e às pessoas que lá viviam nessa altura. Se o meu pai não tivesse sido admitido, teria sido morto e nós não estaríamos aqui”.

Supõe-se que, durante a ocupação nazi da capital italiana, o Colégio Português albergou e defendeu, sob a bandeira nacional, uma meia centena de judeus que, graças a essa protecção, não foram deportados para campos de extermínio.

Não é de estranhar esta atitude solidária, se se tiver em conta que o Cristianismo nasceu no seio do judaísmo, não como uma sua derivação heterodoxa, mas como a sua plenitude, pela realização cabal das profecias messiânicas. Jean Marie Lustiger, cardeal arcebispo de Paris, já falecido, era judeu de origem polaca e, quando se converteu ao catolicismo, fez questão de sublinhar que não renegava as suas origens. Também a filósofa Edith Stein, que viria a ser canonizada como Santa Teresa Benedita da Cruz, nome que assumiu quando professou como religiosa carmelita descalça, também assim entendeu a sua conversão ao Cristianismo e, por isso, mesmo já sendo católica, acompanhava a sua mãe às celebrações religiosas na sinagoga. Aliás, precisamente por ser judia, emigraria para a Holanda, onde foi capturada pelo exército nazi, que a enviou para um campo de concentração, onde morreu, como tantos outros judeus e cristãos.

A perseguição contra os judeus pelo regime nazi foi ocasião para que muitos cristãos manifestassem a sua solidariedade para com esse povo fraterno. A distinção agora muito justamente outorgada ao Pontifício Colégio Português, em Roma, bem como o título de Justo entre as Nações conferido ao seu benemérito ex-reitor, monsenhor Joaquim Carreira, são uma prova desse bom relacionamento em circunstâncias particularmente dramáticas. Também o cônsul Aristides de Sousa Mendes, católico, seria recordado pela sua acção em defesa dos judeus perseguidos em França, depois da capitulação e ocupação desse país pelo exército de Hitler.

Mais significativa foi, contudo, a acção do Papa Pio XII que, ao contrário do que uma caluniosa campanha historicamente desprovida de qualquer fundamento quis fazer crer, nunca foi o ‘Papa de Hitler’. Muitos judeus, aliás, reconheceram-no na altura pois, como agora recordou o professor José Maria C. S. André: “de uma maneira geral, os líderes judaicos históricos, como o primeiro presidente de Israel, Chaim Weizmann, os ex-primeiros-ministros Golda Meir e Moshe Sharett, o rabino chefe de Israel, Isaac Herzog, e o secretário-geral do Congresso Hebraico Mundial, Leon Kubowitzky exprimiram o seu reconhecimento a Pio XII”.

Assim o testemunhou também Albert Einstein, em artigo publicado em plena perseguição nazi, na revista Time, em Dezembro de 1940: «Só a Igreja enfrenta verdadeiramente a campanha hitleriana de supressão da verdade. Até hoje, nunca me tinha interessado pela Igreja, mas agora sinto uma enorme estima e admiração pela Igreja, porque só ela tem a coragem de defender a verdade intelectual e a liberdade moral e de perseverar nesse combate. Aquilo que eu antes desprezava, agora admiro sem reservas». É óbvio que este seu apreço pela Igreja católica é um reconhecimento explícito da acção benemérita de Pio XII e de tantos sacerdotes, religiosos e leigos que, por obediência e fidelidade ao Papa, protegeram e salvaram inúmeros judeus, bem como outros inimigos dos regimes fascista e nazi.

Foi ainda graças ao apoio prestado pelo Papa Pio XII aos judeus que o então rabino de Roma, Israel Anton Zolli,, não só se converteu ao catolicismo, como quis ser baptizado com o nome próprio do pontífice que tudo fizera para salvar o seu povo da ameaça do holocausto. Se Pio XII tivesse sido, como alguns caluniosamente sugeriram, o ‘Papa de Hitler’, teria sido tão absurdo que Israel Anton Zolli, optasse pelo nome de Eugénio como se tivesse sido baptizado Adolf, ou Benito …

É pena que a memória deste pontífice continue refém de uma campanha ideológica não apenas profundamente anticristã como também anti-histórica, porque contrária à verdade dos factos: o cônsul israelita em Milão, Pinchas Lapide, disse que Pio XII “foi o instrumento de salvação de 700 mil, talvez até 860 mil hebreus que, de outra forma, teriam morrido às mãos dos nazis”.

É de esperar que, em breve, não só a própria Igreja exalte este bem-aventurado exemplo de justiça e de heróica solidariedade, mas também Israel, por elementar justiça e indeclinável dever de gratidão, reconheça o Papa Pio XII como Justo entre as Nações.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Santo António

Santo António não era 'santinho' nenhum...

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
534

Santo António de Lisboa, de Pádua e do mundo inteiro, foi um grande santo e um grande sábio, que de ‘santinho’ não tinha nada, pois foi um dos homens mais cultos do seu tempo.

Sociedade

Os irmãos: uma espécie em vias de extinção

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
639

Muito antes de ser um ideal da Revolução Francesa, a fraternidade já era um princípio dos cristãos. Com tantos ataques à vida, ao casamento e à família, os irmãos são uma espécie em vias de extinção.

Catolicismo

Medjugorje: solução à vista?

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
363

Para um cristão a investigação sobre as supostas aparições de Medjugorge faz sentido, pois deve conhecer a solidez das suas convicções e estar preparado para responder a quem lhe pedir razão da espera

Obituário

Um dos mais brilhantes de uma geração pioneira

João Moreira Rato

Conheci Miguel Beleza só nos últimos anos e ainda tive a oportunidade de usufruir do seu humor fino. E continuei a ouvir dos seus pares: “É uma das inteligências mais brilhantes da minha geração”.

Obituário

Custa-me acreditar que tenha partido tão cedo

Aníbal Cavaco Silva

Miguel Beleza serviu Portugal com grande competência, ajudando-o a vencer as crises financeiras por que passou e a dar passos decisivos para que acompanhasse o aprofundamento da integração europeia.