Censura

Viciados em proibir

Autor
3.107

A ordem para censurar os livros infantis veio do ministro Eduardo Cabrita, alguém que, além de censor, é um machista que não sabe debater política envolvendo uma mulher sem ir buscar ataques sexuais

Sabem quem deu indicação à Comissão para a Cidadania e Igualdade de Género (CIG) que ‘recomendou’ (pois) retirada dos cadernos da Porto Editora? O ministro da tutela, Eduardo Cabrita. O deputado socialista que em 2013, para fins políticos, chamou ‘frígida’ a Maria Luís Albuquerque. Cabrita é, além de malcriado e censor, um protozoário machista que não sabe debater política envolvendo uma mulher sem ir buscar ataques sexuais. Donde, para António Costa e PS, é o ministro ideal para tutelar a promoção da igualdade de género.

Mas cheguemos ao caso em concreto. Simples: as editoras publicam os livros que entendem, respaldadas no conhecimento de mercado, e os consumidores compram ou não. Umas publicam livros para meninas e/ou para meninos, outras para ambos, ilustrações ao gosto do freguês. Quem incentiva as filhas a gostar de princesas e os filhos de piratas, compra(va) os da Porto Editora. Quem apreciava mais outras temáticas, ou é um indefetível dos produtos unissexo, compra para outros lados.

E o estado não tem que vigiar o bem-estar das criancinhas? Tem, claro. Tem que assegurar que os pais alimentam devidamente a criançada, cumprem a escolaridade obrigatória, dão cuidados médicos, não os espancam nem os torturam psicologicamente, não os violam nem deixam violar por outros. E cuidados semelhantes. O estado também deve certificar manuais escolares que promovam a igualdade de direitos e oportunidades entre os sexos. Fora desta esfera, e nos livros não obrigatórios, é desandar.

Mas desmascarada a mentira ‘os exercícios são mais fáceis para as meninas’, há razões incontornáveis para o marialva Cabrita e a CIG banirem dois livros? Há, porque para a CIG tudo o que tenha vagamente a ver com o universo feminino merece esgares de desprezo e é para proibir. De resto, qualquer pessoa com neurónios mirrados percebe que a forma das famílias estupidificarem as filhas é comprar-lhes cadernos para estimularem as capacidades cognitivas.

No parecer técnico da CIG podemos ver que Teresa Fragoso embirra com as cores. Ora eu uso e abuso das cores. Considero tal extravagância uma forma de expressar individualidade. E quem pretende determinar as cores que outras pessoas usam, ou dão a usar à filharada, devia voltar à sua máquina do tempo e regressar à União Soviética de 1952.

Em minha casa – confesso penitente – há uma férrea segregação de cores. Para mim os objetos cor de rosa ou roxos, para a criança mais velha os azuis e a mais nova fica com os verdes. As razões são prosaicas e reacionárias: sabemos de quem são as lapiseiras e etc.; e são as cores que preferimos. Claro, eu, se fosse boa mãe, faria guerra lá em casa obrigando as crianças a usarem coisas rosadas, para não crescerem e se tornarem num Eduardo Cabrita. Mas, estragada que estou pelos muitos vestidos de princesa que desenhei na infância, vivo convencida que o meu exemplo (de que, de resto, ambos se orgulham) será o fator decisivo na forma como olham para a capacidade das mulheres.

Ao minuto cinco nesta entrevista da SIC dá mais argumentos arrasadores: ‘Aqui estão as meninas a fazerem ballet, aqui estão os meninos a fazerem futebol’, só, como verdade auto evidente. Por momentos pensei que se lamentava, do tratamento dado aos rapazes, que o futebol é às vezes um meio de estupidificação do sexo masculino (não, não defendo proibições). Nada disso: era crítica ao ballet.

Ora o ballet é uma atividade física exigente, implica empenho e superação, é visualmente bonito, existe no meio de outras artes como a música. Até se pode considerar feminista – os papeis das mulheres nos bailados clássicos são igualitários em termos de protagonismo ou poderio técnico. Mas a senhora pouco esclarecida da CIG desconsidera o ballet por ser uma atividade maioritariamente feminina e, tal como nas cores, nada que é maioritariamente feminino pode ser permitido.

O universo masculino, em simétrico, é glorificado acriticamente pela senhora. Princesas: terrível, porque leva a mulheres que não querem tomar conta de si próprias. (Dou um exemplo familiar. A minha sobrinha foi educada com Barbies abundantes, com intenção, só pode, de a impedir de terminar o secundário; sabe-se lá como a endiabrada rapariga transviou-se e deu em ótima aluna do Técnico.) Piratas – que, se tomados com igual literalidade, são incentivo a uma vida de pilhagem e assassínio – são simplesmente divertidos e ativos.

Já agora: reparem no verniz cheio de brilhantes coloridos que Fragoso usa na SIC. É que no parecer da CIG, amofina-se por as autoras dos cadernos colocarem as meninas a pintar as unhas. Sim: são mulheres que negam às meninas brincarem com as atividades que elas, em adultas, praticam.

Teresa Fragoso diz mais. Justifica a ação persecutória de 2017 com imensas realidades que ocorreram antes de eu nascer. Nem alcança a ironia de usar o Estado Novo para banir livros em 2017.

E termina em grande. Afinal a ‘recomendação’ à PE existiu para ‘apaziguar’ as redes sociais. Ah, então está bem. É que as várias fações em contenda preparavam-se para pegar em armas e por o país em variações da Guerra das Rosas. O banho de sangue que Teresa Fragoso evitou.

De facto houve algum clamor nas redes sociais para a retirada dos cadernos, mormente de Rita Ferro Rodrigues (vai agora dedicar-se aos restantes livros sexistas; seguir-se-ão talvez os livros dos colégios internos de Enyd Blyton, culpados pela diferença salarial e pelo tornado no Texas), de Fernanda Câncio (não tem filhos nem estudos em psicologia infantil ou pedagogia, mas sabe bem como educar os filhos dos outros; porém, louve-se o sacrifício, quiçá de princípios, que terá feito para trabalhar na revista feminina Elle, já que torce o nariz à SIC Mulher) e Inês Pedrosa (pretende até proibir os supermercados de arrumarem a mercadoria consoante acham mais prático para o cliente; quererá estender a proibição à lojas de roupa por sexos? Aos cabeleireiros e barbeiros?).

Lamenta-se sentenciar, no entanto, que este clamor não desculpa o governo por amordaçar editoras. Em 1983, o jornal de esquerda Libération pediu ao Ministério dos Direitos das Mulheres que proibisse, por ‘ódio sexista’, Kafka, Baudelaire, Madame Bovary e o subversivo Pantagruel. Mas o governo francês não acatava ordens dos tontos das redes sociais da época.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Fernando Medina

Síndrome de Lisboa

Maria João Marques
1.667

O carro é um meio de transporte legítimo, os proprietários pagam impostos, pelo que têm direito a usá-lo quando assim lhes for mais confortável e conveniente, sem serem demonizados pelo edil lisboeta.

Educação

Teimosias educativas

Maria João Marques
306

Caro Tiago Brandão Rodrigues, vamos lá desinquietar os professores para mudar horários e métodos de ensino. É aproveitar agora que os sindicatos estão amestrados e o PCP manda grevistas negociarem.

Governo

Guerra às crianças

Maria João Marques
508

Com tanto blablablá, a CIG proclamou afinal que as raparigas devem ser como os rapazes para terem sucesso. São, na desconsideração das capacidades femininas, iguais aos machistas.

Censura

Liberdade ou “libertação”?

João Carlos Espada
272

A patrulha politicamente correcta acusa as normas de conduta diferentes das suas de serem fundadas no "preconceito". Ocultam o preconceito da sua campanha “libertadora”: preconceito contra a liberdade

Liberdade de Expressão

A geringonça gosta da censura

João Marques de Almeida
2.775

A censura aos livros escolares serviu também para as esquerdas mostrarem que sabem usar o poder com a brutalidade que for necessária. A censura funciona sempre como um aviso para todos. 

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site