A produção industrial em Portugal registou em março, face a fevereiro, a maior descida da União Europeia, com uma evolução negativa de 4,8%, sendo igualmente a queda mais acentuada dos últimos seis meses, revelou na quarta-feira o Eurostat. De acordo com o gabinete oficial de estatísticas da União Europeia, em relação a fevereiro, a produção industrial caiu 0,3% na zona euro e 0,2% entre os 28 Estados-membros.

Esta descida mensal entre os países do euro deve-se à descida na produção de bens intermédios de 0,8%, de 0,5% nos bens não duradouros, de 0,4% no setor energético e de 0,3% nos bens de capital. Já na União Europeia, a diminuição da produção industrial assenta numa diminuição de 0,6% na produção de energia, de 0,5% nos bens intermédios, de 0,4% nos bens duradouros, de 0,2% nos bens de capital e de 0,1% nos bens não duradouros.

As descidas mais significativas em relação a fevereiro verificaram-se em Portugal (4,8%, a maior queda dos últimos seis meses), na Lituânia (3,7%), na Suécia (2,5%) e na Grécia (1,9%), enquanto as subidas de maior amplitude se verificaram na Irlanda (5,6%), na Dinamarca (3,1%) e na Eslovénia (2%)

Em termos homólogos, ou seja, relativamente a março de 2013, a produção industrial caiu 0,1% na zona euro e aumentou 0,5% na União Europeia, estando esta diminuição entre os países da moeda única ligada à queda da produção de energia de 11,9% e de bens de consumo, que desceu 0,9%.

Entre os 28 Estados-membros da União Europeia verificou-se um aumento de 3% da produção de bens intermédios e de capital e dos bens de consumo não duráveis de 1,8% As descidas anuais mais acentuadas foram observadas nos Países Baixos (12,5%), na Lituânia (10,2%) e na Finlândia (5,4%) e as maiores subidas no Luxemburgo (13,5%), na Roménia (9,6%) e na Hungria (8,1%)

Em termos homólogos, Portugal regista uma diminuição de 1,4% na produção industrial, também a maior queda dos últimos seis meses.