Duzentas e duas transações suspeitas foram comunicadas no ano passado à Autoridade de Informação Financeira (AIF) do Vaticano, mas apenas cinco casos foram transmitidos à justiça da Santa Sé, anunciou o diretor do organismo.

Em conferência de imprensa, o diretor da AIF, René Bruelhart, transmitiu pelo segundo ano consecutivo aos jornalistas os principais dados do “relatório anual sobre a atividade de informação e vigilância para a prevenção e luta contra ‘lavagem’ (de dinheiro) e financiamento do terrorismo”.

O número de denúncias passou de uma em 2011 para seis em 2012 e 202 em 2013. “Isso não significa que tenham sido cometidas mais infrações, significa apenas que o sistema de sinalização funcionou e funciona. A tomada de consciência foi bem maior”, sublinhou.