Cerca de um milhão e 160 mil pessoas estão inscritos no sistema de segurança e proteção social em Angola, segundo números hoje revelados no parlamento angolano, em Luanda.

Os dados foram conhecidos durante uma mesa redonda sobre o estado atual da Segurança Social em Angola, promovida hoje pela oitava comissão da Assembleia Nacional.

As contribuições para o sistema angolano são garantidas também através de 79 mil empresas que operam no país, contando o mesmo com um milhão e 160 mil pessoas “seguradas”.

“O atual estado da segurança social no país é positivo”, disse o coordenador do plano de Modernização e Sustentabilidade do Instituto Nacional de Segurança Social, Manuel Moreira, durante esta reunião.

O sistema conta ainda com aproximadamente 90 mil pensionistas, de acordo com os números que Manuel Moreira apresentou aos deputados nesta mesa redonda realizada no parlamento angolano.

Durante o encontro foi recordado que em Angola o direito à licença de maternidade para todas as mulheres trabalhadoras, o subsídio por morte e funeral ou a generalização do abono de família são medidas introduzidas em 1978.

Em 1990 foi instituído o Sistema Nacional de Segurança Social, assente nos princípios da universalidade, igualdade, eficácia e solidariedade.