Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

António Costa, presidente da Câmara de Lisboa, está no centro das atenções onde quer que vá desde que anunciou a sua disponibilidade para liderar o Partido Socialista. Nesta quinta-feira, mostrou-se sedento de uma “vitória história nas legislativas”, durante a abertura da 84ª Feira do Livro de Lisboa.

Na praça amarela, um dos espaços centrais da feira, muitas pessoas, entre as quais alguns jornalistas, esperavam a sessão de abertura de 84ª Feira do Livro de Lisboa. Principalmente, esperavam António Costa. As duas primeiras filas de cadeiras amarelas que estavam de frente para o palco tinham um papel colado que tinha escrito “reservado”. Entre os presentes, alguns escritores portugueses de renome.

Já passava um pouco da hora marcada quando surgiu uma torrente de pessoas a descer o parque Eduardo VII. Vinham António Costa, presidente da Câmara de Lisboa, e Jorge Barreto Xavier, secretário de Estado da Cultura, lado a lado, à conversa. Costa caminhava sorridente e de bom humor, ao que parecia, impávido aos comentários sobre a política partidária que o circundavam. A linguagem corporal passava outra mensagem.

Três animadores vestidos de palhaço, dois em andas, aproximaram-se do autarca. Este, de forma brusca, estendeu a mão para cumprimentar um. Por pouco, o palhaço de andas não se desequilibrou, tal foi a rapidez do presidente da Câmara de Lisboa.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O primeiro discurso no palco foi o do presidente da Associação Portuguesa de Editores e Livreiros, João Alvim, que lembrou a importância de uma feira do livro desta envergadura tendo em conta as “dificuldades gerais do país, do setor [livreiro] e das novas tecnologias.” Enquanto isto, António Costa trocava olhares com os jornalistas, brincava de forma nervosa com os botões de punho do fato, encostava as costas na cadeira e voltava a afastar-se. Parecia estar com a capacidade de atenção de uma criança.

“É extremamente importante criar um quadro legal” para a questão da pirataria digital dos livros, lembrou João Alvim.

De seguida, Jorge Barreto Xavier levou quatro folhas para o púlpito e discorreu sobre o percurso histórico de evento. Falou num registo monocórdico e sem trocar olhares com a plateia. Ainda nem o secretário de Estado da Cultura tinha acabado o discurso, António Costa já tinha bebido toda a garrafa de água. António Costa estava sedento. Apoiava a cabeça no punho. Nenhum dos jornalistas parecia tirar notas sobre a abertura da feira do livro, a agenda era clara: obter um comentário de Costa, sobre a situação política interna do Partido Socialista.

Quando chegou a vez de discursar, o presidente da Câmara de Lisboa tirou do bolso do fato um discurso já preparado, onde deu maior importância de ao facto deste “ano a abertura das festas da Lisboa coincidir com o início da feira do livro.”

Quando acabou o discurso, as pessoas que só estavam interessadas nos livros desmobilizaram. As restantes, os jornalistas, fizeram um cerco a António Costa. O autarca não disse nada de novo. Voltou a falar da “derrota história nas europeias” do seu partido, segundo a opinião do próprio. E lembrou que ambiciona uma “vitória história nas legislativas”. “O congresso é uma realidade natural”, explicou ao falar da reunião convocada para sábado. A linguagem corporal continuava brusca, tentava avançar, mas o passo era retardado pelos cabos espalhados pelo chão. António Costa termina a conversa com os jornalistas ao dizer: “Vou dar uma volta e escolher o melhor”.

Juntamente com o secretário de Estado da Cultura, mais uma vez, António Costa desceu a feira e foi parando em alguns dos stands. Ao passar no local de autógrafos reservado para a visita de Jeff Kinney, autor do livro Diário de um Banana, que vai estar em Portugal pela primeira vez dia 15 de Junho, Jorge Barreto Xavier apontou para o stand e chamou a atenção a António Costa: “Já vendeu 500 mil em Portugal.”

Mais abaixo, já no espaço reservado aos stands da Porto Editora, alguém recitava excertos do livro “História do Cerco de Lisboa” de José Saramago. António Costa e Jorge Barreto foram cumprimentar a viúva do Nobel português, Pilar del Rio, que está em Portugal para promover as novas edições da obra de Saramago.

“Eu tenho este em casa”, diz António Costa ao apontar para a “História do Cerco de Lisboa”, não se apercebendo que quem estava ali cercado era o próprio, e de jornalistas. Jorge Barreto Xavier ficou com uma nova edição da “Viagem do Elefante”. Costa folheou e levou para casa a nova edição das “Intermitências da morte”. Acusado de estar “morto” durante muito tempo, por muitos dos membros do Partido Socialista, o autarca de Lisboa desceu a feira do livro sorridente. Provavelmente com a cabeça no próximo sábado.