Rádio Observador

PS

António Costa sedento de uma vitória nas legislativas

António Costa foi inaugurar a Feira do Livro de Lisboa e levou para casa uma nova edição das "Intermitências da Morte". Jorge Barreto Xavier ficou uma cópia da "Viagem do Elefante."

António Costa e Jorge Barreto Xavier na 84ª Feira do Livro de Lisboa.

Autor
  • Fábio Monteiro

António Costa, presidente da Câmara de Lisboa, está no centro das atenções onde quer que vá desde que anunciou a sua disponibilidade para liderar o Partido Socialista. Nesta quinta-feira, mostrou-se sedento de uma “vitória história nas legislativas”, durante a abertura da 84ª Feira do Livro de Lisboa.

Na praça amarela, um dos espaços centrais da feira, muitas pessoas, entre as quais alguns jornalistas, esperavam a sessão de abertura de 84ª Feira do Livro de Lisboa. Principalmente, esperavam António Costa. As duas primeiras filas de cadeiras amarelas que estavam de frente para o palco tinham um papel colado que tinha escrito “reservado”. Entre os presentes, alguns escritores portugueses de renome.

Já passava um pouco da hora marcada quando surgiu uma torrente de pessoas a descer o parque Eduardo VII. Vinham António Costa, presidente da Câmara de Lisboa, e Jorge Barreto Xavier, secretário de Estado da Cultura, lado a lado, à conversa. Costa caminhava sorridente e de bom humor, ao que parecia, impávido aos comentários sobre a política partidária que o circundavam. A linguagem corporal passava outra mensagem.

Três animadores vestidos de palhaço, dois em andas, aproximaram-se do autarca. Este, de forma brusca, estendeu a mão para cumprimentar um. Por pouco, o palhaço de andas não se desequilibrou, tal foi a rapidez do presidente da Câmara de Lisboa.

O primeiro discurso no palco foi o do presidente da Associação Portuguesa de Editores e Livreiros, João Alvim, que lembrou a importância de uma feira do livro desta envergadura tendo em conta as “dificuldades gerais do país, do setor [livreiro] e das novas tecnologias.” Enquanto isto, António Costa trocava olhares com os jornalistas, brincava de forma nervosa com os botões de punho do fato, encostava as costas na cadeira e voltava a afastar-se. Parecia estar com a capacidade de atenção de uma criança.

“É extremamente importante criar um quadro legal” para a questão da pirataria digital dos livros, lembrou João Alvim.

De seguida, Jorge Barreto Xavier levou quatro folhas para o púlpito e discorreu sobre o percurso histórico de evento. Falou num registo monocórdico e sem trocar olhares com a plateia. Ainda nem o secretário de Estado da Cultura tinha acabado o discurso, António Costa já tinha bebido toda a garrafa de água. António Costa estava sedento. Apoiava a cabeça no punho. Nenhum dos jornalistas parecia tirar notas sobre a abertura da feira do livro, a agenda era clara: obter um comentário de Costa, sobre a situação política interna do Partido Socialista.

Quando chegou a vez de discursar, o presidente da Câmara de Lisboa tirou do bolso do fato um discurso já preparado, onde deu maior importância de ao facto deste “ano a abertura das festas da Lisboa coincidir com o início da feira do livro.”

Quando acabou o discurso, as pessoas que só estavam interessadas nos livros desmobilizaram. As restantes, os jornalistas, fizeram um cerco a António Costa. O autarca não disse nada de novo. Voltou a falar da “derrota história nas europeias” do seu partido, segundo a opinião do próprio. E lembrou que ambiciona uma “vitória história nas legislativas”. “O congresso é uma realidade natural”, explicou ao falar da reunião convocada para sábado. A linguagem corporal continuava brusca, tentava avançar, mas o passo era retardado pelos cabos espalhados pelo chão. António Costa termina a conversa com os jornalistas ao dizer: “Vou dar uma volta e escolher o melhor”.

Juntamente com o secretário de Estado da Cultura, mais uma vez, António Costa desceu a feira e foi parando em alguns dos stands. Ao passar no local de autógrafos reservado para a visita de Jeff Kinney, autor do livro Diário de um Banana, que vai estar em Portugal pela primeira vez dia 15 de Junho, Jorge Barreto Xavier apontou para o stand e chamou a atenção a António Costa: “Já vendeu 500 mil em Portugal.”

Mais abaixo, já no espaço reservado aos stands da Porto Editora, alguém recitava excertos do livro “História do Cerco de Lisboa” de José Saramago. António Costa e Jorge Barreto foram cumprimentar a viúva do Nobel português, Pilar del Rio, que está em Portugal para promover as novas edições da obra de Saramago.

“Eu tenho este em casa”, diz António Costa ao apontar para a “História do Cerco de Lisboa”, não se apercebendo que quem estava ali cercado era o próprio, e de jornalistas. Jorge Barreto Xavier ficou com uma nova edição da “Viagem do Elefante”. Costa folheou e levou para casa a nova edição das “Intermitências da morte”. Acusado de estar “morto” durante muito tempo, por muitos dos membros do Partido Socialista, o autarca de Lisboa desceu a feira do livro sorridente. Provavelmente com a cabeça no próximo sábado.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Rui Rio

Portugal continua a não ser a Grécia /premium

Rui Ramos
396

Quando a Grécia se afundava em resgates, Passos impediu que Portugal fosse a Grécia. Agora, quando a Grécia se liberta da demagogia, é Rui Rio quem impede que Portugal seja a Grécia. 

PS

Não subestimem Pedro Nuno Santos /premium

Sebastião Bugalho

A ideia de que o pedronunismo se resume a um fenómeno ativista é profundamente desinformada: eles andam aí, nas agências de publicidade, nos escritórios de advogados, nas vilas de Aveiro, nas redações

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)