Pais e Filhos

O colo, o castigo, ou ambos?

É uma polémica nascida no Observador que já chegou aos blogues: educar os filhos com limites ou sem regras nem castigos. As opiniões divergem entre os pais, tal como entre os pediatras.

Os pais procuram conselhos úteis para aprender a lidar com as birras das crianças

George Marks/Retrofile/Getty Images

Estão grávidos, mãe e pai. Passam o tempo na internet à procura de dicas para ajudar a educar a criança que aí vem e já seguem mais 100 sites diferentes. Cada vez que passam numa livraria não resistem a comprar um livro sobre o assunto. A família e os amigos já ofereceram os guias, os diários e os álbuns todos que encontraram. Mas com tantas teorias diferentes, já estão perdidos no mundo da puericultura e a criança ainda nem nasceu.

Os jovens pais vão ter de optar se pegam na criança ao colo quando ela chora ou se esperam que ela resolva o problema sozinha, se a obrigam a comer ou se a deixam sem alimentos até à refeição seguinte, ou se lhe batem, castigam ou ignoram cada vez que ela diz uma asneira. Além dos livros e da internet, ainda vão ter de lidar com as opiniões dos amigos, os conselhos da sogra e as orientações do pediatra.

O pediatra Carlos González, entrevistado pelo Observador esta semana, defende que os pais se devem guiar pelo instinto em vez de comprarem livros que os ensinem a fazê-lo, apesar de ele próprio escrever livros. “É menos contraditório do que parece. Escrevo livros e digo que não é necessário comprá-los ou lê-los para criar um filho.” Escreve-os porque não concorda com os livros que se vendem em Espanha sobre este tema.

Erguem-se forças da oposição

Mas as recomendações que faz sobre a educação das crianças não reúnem consenso. Esta terça-feira, um dia depois da publicação da entrevista, o jornalista e pai de quatro filhos João Miguel Tavares já reagia no blogue Pais de Quatro que gere com a mulher, a médica Teresa Mendonça, onde prometia “verter o ódio” nos dias que se seguiriam. E verteu. Ao Observador disse que não concorda porque “é um discurso muito centrado nas necessidades das crianças.” Este pai, que vê outros pais esgotados à sua volta, diz que: “As crianças estão excessivamente mimadas e os pais passaram a orbitar em torno dos filhos.”

Antes mesmo de João Miguel Tavares continuar a sua saga de quatro post dedicados à entrevista, já se somavam os comentários dos leitores a defender algumas ideias de Carlos González, mesmo sem concordar com tudo. “Eu gostei. Mesmo que não se concorde com tudo, é sempre bom ouvir e ler outras coisas e opiniões diferentes. A mim, fazem-me pensar e ser melhor mãe”, afirma Joana Mendonça. No site do Observador Fia Mac afirmava: “Tenho a sensação que me tiraram quilos e quilo de culpa… Obrigada!”

Alguns dos comentários do blogue Pais de Quatro estão em linha com a opinião de João Miguel Tavares, contra Carlos González, entre eles os do pediatra Mário Cordeiro. “A entrevista é, toda ela, um show-off de ‘anti-sistema’, mas não há uma referência científica que ele invoque para suportar o que tão peremptoriamente afirma”, diz o pediatra. “Mesmo com os nossos erros, inconsistências e incoerências, ainda somos bons pais porque estabelecemos regras, limites, mimo e afecto, prémios e castigos proporcionados, justos e adequados.”

Mas os comentários do pediatra português não se ficaram por aqui. Os comentários jocosos em relação ao pediatra espanhol e trocas de comentários com outros leitores do blogue não foi bem vista por alguns dos seguidores. “Isto não é apenas um blogue, e você não é simplesmente um comentador casual. (…) Um comentário seu tem uma carga de autoridade que outros comentários não têm, seja num blogue, seja numa entrevista, seja num livro”, diz Anacleto, dirigindo-se a Mário Cordeiro.

É preciso impor limites

João Miguel Tavares critica a falta de castigos, porque considera que de outra forma não há limites. Mas Anacleto refere outras maneiras, incluindo o reforço positivo. Para Carlos González os afetos são privilegiados em relação aos castigos, mas não diz que não devem existir limites. “Defendo que devemos tratar os nossos filhos com carinho e respeito. Não penso que algum profissional esteja contra estes princípios. O que se passa é que alguns pensam que podem amar os filhos sem ter de lhes pegar ao colo ou consolá-los quando choram.”

Neste último ponto, o pediatra opõe-se claramente a Eduard Estivill, pediatra e especialista do sono, que defende que os bébes para dormir não precisam de colo, nem ser embalados, e mesmo que chorem os pais não devem tocar neles. Eduard Estivill diz que o método resulta em 95% dos casos. Em entrevista ao Observador, João Miguel Tavares disse também não concordar com este método.

Inês Castel-Branco, amiga de João Miguel Tavares a viver em Barcelona, colocou no Facebook do mesmo uma referência aos dois pediatras espanhóis: “Cá em Barcelona o tema está muito polarizado entre os que são a favor do pediatra Carlos González e os que são a favor do Doctor Estivill (ambos de Barcelona), e os dois grupos odeiam-se a matar. (…) Os extremos nunca são bons, e possivelmente as duas linhas podem dar-nos que pensar!”

A chave é o bom senso

Uma das leitoras do blogue Pais de Quatro cita outro autor que, tal como Carlos González, defende que os bebés podem dormir na cama dos pais. Para Susana V. (como se identifica): “O que eu gostei mais no livro foi o facto de se apelar ao bom senso, inteligência e intuição dos pais no acto de criar os filhos. Para mim isto traduz-se na seguinte regra de ouro: não devemos fazer algo porque lemos num livro, mas que vai contra a nossa sensibilidade.”

Esta parece ser a opinião generalizada dos pais que comentaram os textos de João Miguel Tavares. Pais com mais do que um filho concordam que as crianças são todas diferentes e que o que resulta com um dos irmãos, às vezes, pode não resultar com o outro. O jornalista disse ao Observador que também concorda. “Os miúdos são completamente diferentes uns dos outros. Uns têm de ser repreendidos, outros têm de ser motivados.”

Não acreditando em regras fixas, defende que cada pai deve definir o seu caminho. “Respeito muito a opinião do meu pediatra… na doença! Na saúde, a mãe sou eu! Compete-me a mim e ao meu marido educar o meu filho, não ao meu pediatra”, diz Isabel Dias no blogue e João Miguel Tavares concorda. Também não precisa que um pediatra lhe diga que deve mimar o filho, precisa é de saber como reagir quando ele se porta mal ou faz uma birra.

 

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: vnovais@observador.pt
Pais e Filhos

Querido pai /premium

Eduardo Sá
172

O que não faz sentido, neste momento em que a “versão autoritária” do pai e a “versão submissa” da mãe estão em grande mudança, é que um e outro se “rendam” a um novo (pequeno) chefe de família

Pais e Filhos

O lado feminino dos homens /premium

Eduardo Sá
107

Pergunto-me o que é que aconteceria se nós chamássemos ao "lado de leoa" duma mãe, por exemplo, "o lado masculino" de uma mulher. Tenho medo que, de dedo em riste, alguém achasse sexista…

Pais e Filhos

Facilitar a vida às mães /premium

Maria João Marques
173

No primeiro filho uma proporção semelhante de pais e mães teve um acréscimo de felicidade. Depois do segundo filho os pais tiveram igualmente um acréscimo de felicidade, mas muito menos mães o tiveram

Família

Filhos de cabeceira /premium

Laurinda Alves
2.080

Trazer os pais para casa nunca é fácil, sobretudo para eles, mas muito mais importante do que a perturbação que esta decisão provoca no interior das famílias, é o equilíbrio que lhes devolve a eles.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)