Rádio Observador

Ténis

Nadal e Djokovic, a final é deles

Está decidida a final de Roland Garros. Rafael Nadal atropelou esta sexta-feira Andy Murray e juntou-se a Novak Djokovic na final do Grand Slam francês, que se realiza no domingo.

A Novak Djokovic basta ganhar a final de domingo para voltar a ser líder do ranking ATP. O problema é que terá Rafael Nadal do outro lado da rede

Clive Brunskill/Getty images

Autor
  • Diogo Pombo

Uma hora e quarenta minutos. Não demorou muito. Este foi o tempo que Rafael Nadal demorou a tirar Andy Murray da frente, em três sets (6-3, 6-2 e 6-1), nas meias-finais de Roland Garros. O britânico nem foi muito chato – apenas roubou dez pontos ao jogo de serviço do espanhol durante o encontro. E assim deixou o corredor livre para Nadal chegar à sua nona final do Grand Slam francês nos últimos dez anos. Já lá tem à espera a raquete que mais o tem contradito nos últimos tempos – a de Novak Djokovic.

Nadal não deu hipóteses. Cada vez que o tenista britânico tentava reagir, o espanhol punha-o no sítio. Não permitiu uma única quebra de serviço a Murray. Além de uma lesão nas costas, que teimava em atormentar o britânico, Murray chegou a este encontro com mais quatro horas e meia de ténis em cima do que Rafael Nadal, o ainda líder do ranking ATP. Notou-se.

O espanhol, porém, precisa de mais uma vitória para continuar no trono mundial. E ela terá de aparecer no domingo. Na final. E no jogo decisivo estará, do outro lado da rede, Novak Djokovic, sérvio que atingiu a 13.ª final de um torneio Grand Slam ao derrotar, também hoje, o lituano Ernests Gulbis, por 6-3, 6-3, 3-6 e 6-3. Para Nadal, isto é um perigo -caso o espanhol não vença, o sérvio passará a n.º1 do ranking na segunda-feira, quando a ATP (Associação de Tenistas Profissionais) atualizar a lista.

Esta será a terceira vez seguida que os dois tenistas cruzam caminhos em Roland Garros. Em 2012, na final, Nadal começou por lembrar ao sérvio o porquê de a terra batida ser o seu palco preferido. Voltou a fazê-lo em 2013, nas meias-finais. E no próximo domingo terá de avivar a memória do sérvio uma vez mais. O problema é que algumas coisas mudaram.

Este é o primeira vez em 10 anos que Rafael Nadal chegou a Roland Garros sem antes conquistar pelo menos dois torneios em terra batida (só venceu o Masters de Madrid, a 11 de maio). No último em que esteve, até foi Novak Djokovic quem o impediu, na final do Masters de Roma, a 18 de maio. O sérvio, aliás, é o único tenista que já conseguiu vencer Nadal por três vezes em torneios do Grand Slam.

Em Roland Garros, porém, é sempre diferente. O espanhol somou esta sexta-feira a 34.ª vitória consecutiva no pó de tijolo do Grand Slam francês, prova que já venceu por um recorde de oito vezes. Mas lá está, com Djokovic a história é outra. O tête à tête com o sérvio ainda pende para o lado do espanhol (22 vitórias contra 19), mas os últimos quatro encontros acabaram todos com Novak a festejar no fim. No domingo há novo duelo.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)