Rádio Observador

Rafael Nadal

Outra vez, Sr. Roland Garros

Quatro sets, mais de três horas de ténis e, no final, o habitual campeão. Rafael Nadal voltou a conquistar o Grand Slam de Roland Garros, desta vez contra Novak Djokovic.

Autor
  • Diogo Pombo

O melhor contra o segundo melhor. Oito conquistas versus nenhuma. No meio, uma taça, a de Roland Garros, e uma liderança, a do ranking ATP. Era com e para isto que um espanhol e um sérvio pegaram nas raquetes e pisaram a terra de batida do Grand Slam francês, este domingo. Novak Djokovic e Rafael Nadal discutiram a final de Roland Garros, onde o espanhol já vencera por oito vezes e o sérvio por nenhuma. E a balança ficou ainda mais desnivelada – em quatro sets (3-6, 7-5, 6-3 e 6-4), Rafael Nadal ganhou pela 9.ª vez o torneio de Roland Garros.

Havia uma certeza antes de a bola começar a salta no court – alguma coisa chegaria atrasada à final. Era a chuva. A meteorologia já avisara que os aguaceiros e talvez trovoada apareceriam passadas duas horas, três no máximo, do início do encontro. Era esse o tempo que os dois tenistas tinham para despachar a coisa.

No primeiro set, ainda o fizeram. Ou fez Djokovic. O sérvio apoderou-se do jogo inaugural, conseguindo uma quebra de serviço a Nadal que o levaria ao 6-3. As pancadas de direita cruzadas do sérvio faziam o truque e, do outro lado da rede, vários erros não forçados do espanhol (oito) denunciavam uma coisa – nervos. Os tais que nem o facto de estar na 9.ª final nos últimos dez anos dissipavam.

Os números diziam que a coisa podia ficar negra para Nadal. Dos 41 duelos entre sérvio e espanhol, quem levou o primeiro set acabou por vencer a partida em 36 jogos. Em percentagem, equivale a 88% das vezes. A estatística não era amiga. Nadal lembrou-se disto e quis tentar conquistar esta amizade.

Tudo começou a mudar e o segundo set foi escurecendo a vida a Djokovic. O espanhol cresceu no jogo. E o sérvio não conseguia arranjar maneira de amparar as bolas que saíam disparadas da esquerda de Nadal. Cruzadas, ao longo ou bolas em slice (cortadas), tudo afetava o sérvio. Resultado: o espanhol quebrou por duas vezes o serviço a Djokovic e, quando já servia para fechar o set, o já sérvio parecia oferecer-lhe os pontos. 7-5, tínhamos final.

Djokovic desanimava. Surgia o cabisbaixo e o desconsolo com os pontos que falhava por pouco. Mostrou-o ao longo do terceiro set, à medida que Nadal não mudava e o sérvio parecia mais cansado ficar com o desenrolar dos minutos. Estava a ser atropelado pelo espanhol. Até que se chega ao 4-2 – e ao jogo mais longo do encontro.

Há esperança

O serviço é de Nadal e Djokovic tem vários quases, vários pontos em que quase quebra o serviço ao espanhol. Até bús se chegam a ouvir, quando partes da bancada do estádio não gostam da raquete que a frustração do sérvio atira contra o chão. Minutos depois, 5-2, para Nadal. Depois, o 6-2 e o 2-1 em sets para o espanhol.

O quarto e último set dizem tudo: Nadal até abrandou, culpa do cansaço, mas de cada vez que um ponto se inclinava para Djokovic, o sérvio estragava tudo com um erro não forçado. E o espanhol ia fazendo o que lhe competia. Ganhava os seus jogos de serviço, espera sempre no fundo do court e via Djokovic errar, sem explicação, após comandar vários pontos. Até que o sérvio acordou e lá conseguiu um break ao serviço de Nadal, reduzindo a desvantagem para 3-4. Celebrava e gritava para si próprio. Havia esperança. 4-4, havia mesmo, mas não demorou a esfumar-se.

Rafael Nadal acordou. A vitória estava perto. O 5-4 foi rápido a chegar e o 6-4 final também. Novak Djokovic tudo deu e lembrou-se de forças que parecia não ter para garantir o suspense até ao fim. No derradeiro ponto, o match point para Nadal, o sérvio entregou-o com uma dupla falta. Exausto e afetado por um grito de um espetador, que lhe terá afetado o segundo serviço. O encontro acabava e o sérvio também.

Djokovic continua sem festejar em Roland Garros. Contra o espanhol, já perde por 5-0 nos duelos feitos em Roland Garros. Já Nadal estica ainda mais a versão francesa da sua lenda – é o primeiro tenista a vencer a competição por cinco vezes consecutivas. Já são nove taças do torneio gaulês em casa e 14 torneios Grand Slam no total. O espanhol iguala assim o norte-americano Pete Sampras e, de repente, já só está a três de Roger Federer.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)