Rádio Observador

Homem

Ser spornossexual é o que está a dar

O termo metrossexual está out. Em vez das roupas e dos cuidados de beleza, é a vez do culto do corpo masculino que, agora, sobe ao pódio das atenções. Os spornossexuais chegaram.

David Beckham conjuga a boa forma física exigida pelo desporto com a pornografia estilizada

Tim Whitby

Imaginemos os músculos esculturais de Cristiano Ronaldo ou de David Beckham. Juntemos à fórmula a prática do culturismo, a pornografia e um sentido de estética apurado. O resultado, sabe-se agora, é a spornossexualidade, uma espécie de segunda geração da metrossexualidade. Quem o diz é Mark Simpson, no Telegraph.

A primeira vez que o cronista falou do termo metrossexualidade foi há 20 anos, depois de ter visitado uma exibição da GQ apelidada de It’s a Man’s World (É um mundo de homens). “Tinha visto [então] o futuro da masculinidade e era hidratada”, comenta. Mark previu que o homem solteiro e com rendimentos elevados a trabalhar ou a viver na cidade, seria, muito provavelmente, o consumidor mais promissor da década, o metrossexual. Não se enganou e a tendência permanece real. A comprová-lo está um estudo, publicado no ano passado, que diz que os homens britânicos gastam mais dinheiro em sapatos do que as mulheres.

Durante décadas, a vaidade no masculino foi associada a comportamentos homossexuais. Era incompreensível que alguns homens demorassem mais tempo na casa de banho, a arranjar-se, do que muitas mulheres. Já na década de 1990, havia correntes que rejeitavam a ideia da metrossexualidade. Hoje em dia, ela está presente e é aceite na generalidade. Foi, inclusivamente, elevada ao universo da fama.

 

MADRID, SPAIN - OCTOBER 31:  Cristiano Ronaldo officially launches his CR7 by Cristiano Ronaldo underwear line with a private event in Madrid on October 31, 2013 in Madrid, Spain.  (Photo by Denis Doyle/Getty Images For CR7)

Cristiano Ronaldo no lançamento da linha própria de roupa interior – Denis Doyle/Getty Images

 

É certo que o culto da imagem evoluiu, desde então, para outro nível. A espécie masculina não ficou indiferente à realidade e, agora, os próprios corpos, em vez dos produtos, são os verdadeiros acessórios. É a obsessão do momento. São meticulosamente tonificados, com tatuagens e piercings, e há preferência pelas “barbas adoráveis” e pelos decotes fundos. A auto-objetificação é cada vez mais procurada e anexa a vertente “sexual” à metrossexualidade. Os descendentes dos anúncios de Ronaldo e Beckham, como Simpson refere, misturam a boa forma física exigida pelo desporto com a pornografia estilizada.

A “culpa” é da geração das redes sociais, das selfies e da pornografia, enquanto os principais vetores de desejo masculino de se sentir desejado. “[Os homens] querem ser procurados pelos seus corpos e não pelo guarda-roupa. E, certamente, não pelos seus cérebros”, remata Simpson.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: acmarques@observador.pt
Natureza

Naturalmente

Ricardo Mendes Ribeiro

A natureza é resiliente, capaz de adaptar-se às asneiras que fazemos. O que não muda são as suas leis. Por isso, as tentativas de redefinir o ser humano mais tarde ou mais cedo chocam com a realidade

Pais e Filhos

O lado feminino dos homens /premium

Eduardo Sá
107

Pergunto-me o que é que aconteceria se nós chamássemos ao "lado de leoa" duma mãe, por exemplo, "o lado masculino" de uma mulher. Tenho medo que, de dedo em riste, alguém achasse sexista…

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)