Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

A Lisboa “menina e moça” que Carlos do Carmo um dia cantou parece ter crescido. Tornou-se numa mulher atraente e tem vindo a captar a atenção de quem a visita. Que o diga o Wall Street Journal, cujo artigo afirma que a cidade é injustamente ignorada enquanto destino turístico. A publicação elogia os encantos subtis da capital e recorre à opinião de quem melhor a conhece em busca de conselhos: onde comer e dormir, o que visitar e o que comprar. O chef  José Avillez, o escritor Robert Wilson, a designer de interiores Alexandra Champalimaud e a atriz Daniela Ruah foram os eleitos para, a partir de experiências pessoais, sugerir pontos de interesse na cidade.

Avillez, a quem é dada a primazia, começa por fazer referência ao elétrico 28 “vintage e amarelo”, a bordo do qual aconselha um passeio pela zona antiga. Na categoria dos achados autênticos, recorda as lojas A Vida Portuguesa, de Catarina Portas. “Não se esqueça dos sabonetes e dos cadernos feitos à mão (…) Venho aqui muitas vezes para comprar presentes”. Para estadas românticas, Avillez menciona o Memmo Alfama Hotel.

Não falar de comida seria algo estranho para o chef. Por isso, e a título de exemplo, destaca uma das tendências que tem feito a cidade “borbulhar” de turistas – as conservas e a Conserveira de Lisboa. “Uma loja com as tradicionais conservas de peixe com embalagens incríveis e a alegria de um negócio familiar. Adoro a ventresca de atum em azeite, os filetes de cavala fumada e as sardinhas portuguesas em azeite”.

TO GO WITH AFP STORY BY CAROLE GUIRADO - MORE PICTURES IN IMAGES FORUM Several different kinds of canned are displayed at Conserveira de Lisboa on March 18, 2013. Conserveira de Lisboa is a store in Lisbon that exists since 1930 and sells different types of canned. AFP PHOTO/ PATRICIA DE MELO MOREIRA        (Photo credit should read PATRICIA DE MELO MOREIRA/AFP/Getty Images)

Conserveira de Lisboa – AFP/Getty Images

Para o escritor, e residente em part-time em Portugal, “o fado serve-se” na companhia de refeições bem portuguesas e dá o exemplo do restaurante Mesa de Frades. “Come numa pequena capela e os fadistas surgem em grupos. Eles cantam e as vozes ressoam no seu peito”. Descrevendo um “dos bares mais excêntricos da cidade”, Robert Wilson chama ainda a atenção para o Pavilhão Chinês, um local onde é possível desfrutar de um cocktail, um copo de vinho do Porto ou até mesmo de “uma simples cerveja”.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Alexandra Champalimaud aventura-se fora do centro lisboeta e recomenda uma visita de dia inteiro à romântica Sintra. O roteiro de assinatura inclui o palácio da vila, do século XII, o hotel Palácio de Seteais e o (quase) obrigatório Café Piriquita, onde é “impensável” entrar  – dizemos nós – e não provar a típica queijada acompanhada de uma bica. A designer de interiores opta também por referir os joalheiros da coroa, Leitão & Irmão, como um destino certo para “prata moderna, porcelana e joias elegantes”.

SINTRA, PORTUGAL - JULY 26:  A view of Sintra National Palace, also called the Royal Palace, as seen from the Moorish Castle on July 26, 2008 in Sintra, Portugal. Portugal is becoming an increasingly popular tourist destination.  (Photo by Sean Gallup/Getty Images)

Sintra – Sean Gallup / Getty Images

E o que diz Daniela Ruah, a estrela da série televisiva NCIS: LA e que cresceu em Lisboa? Que o Bairro Alto, além de uma zona “incrível” da Lisboa antiga, marcada pelas ruas estreitas, miradouros e pequenas boutiques onde fazer compras, é um dos epicentros da vida nocturna da cidade. “Os bares tendem a ser algo pequenos e, no verão, podemos trazer a nossa bebida para a rua”. Os pastéis de Belém não são esquecidos e a atriz menciona ainda a Fundação Calouste Gulbenkian: “um centro cultural que abriga exibições de arte com peças de artistas como Monet, Renoir e Degas, bem como concertos e outras performances. É uma visita pouco dispendiosa e um sitio maravilhoso onde nos perdemos”. E porque falar de Portugal sem recorrer à ideia do marisco é inevitável, Daniela afirma, sem rodeios, que na Cervejaria Ramiro come-se o “melhor marisco da cidade”.

Lisbon, PORTUGAL:  TO GO WITH STORY BY LEVI FERNANDES Freshly made "Pasteis de Belem" line up on tray at Fabrica de Pasteis de Nata, in Lisbon 28 September 2006. The bakery started on 1837 to produce the Belem Pastries (a kind of custard tart), following an old secret recipie from the Jeronimos Monastery. AFP PHOTO/ FRANCISCO LEONG  (Photo credit should read FRANCISCO LEONG/AFP/Getty Images)

Pastéis de Belém – AFP/Getty Images

O Wall Street Journal incumbiu outros de desenhar mini roteiros em Lisboa, com base na vivência diária que de quem goza (e sabe gozar) o que melhor que esta conserva e agrega. No entanto, não se inibe de fazer as suas próprias sugestões, sobretudo ao nível cultural: há museus para todos os gostos, desde o Museu Coleção Berardo e o Museu do Design e da Moda, considerados trendy, à instituição dedicada ao fado, como representante do lado mais tradicional dos portugueses. Para a publicação, o melhor é a falta de multidões de turistas, à semelhança do que não acontece em capitais europeias como Roma ou Paris. “De volta a casa, delicie os amigos com as suas descoberta. Melhor ainda, não o faça”, alerta.